Menu
2019-09-10T07:27:18-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Investidor resgata cautela diante de cenário indefinido

Vaivém na guerra comercial e no Brexit deixa o mercado financeiro sem uma direção firme, após a recente volatilidade nos negócios

10 de setembro de 2019
5:48 - atualizado às 7:27
investidorcautela
Noticiário local sobre reformas da Previdência e tributária também trazem cautela

O mercado financeiro segue atento ao vaivém na disputa comercial entre Estados Unidos e China, além das turbulências causadas pelo processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o chamado Brexit. Apesar de o ambiente externo seguir predominante, os fatos domésticos também devem influenciar no rumo dos negócios locais.

E os investidores iniciam a sessão de hoje reagindo à notícia de que o primeiro turno da votação da reforma da Previdência no Senado ficou para a quarta-feira da semana que vem (dia 18). A intenção do presidente da Casa, Davi Alcolumbre, era antecipar para esta semana, mas ele próprio deixou a ideia de lado, em meio à falta de acordo entre senadores.

Em outro front, o ministro da Economia, Paulo Guedes, já defende abertamente a volta da CPMF, diante da fragilidade das contas públicas. Segundo ele, o novo imposto, rebatizado de ITF (Imposto sobre Transações Financeiras) deve ter alíquota de 0,2% a 1%, o que permitiria reduzir a tributação na folha de pagamento das empresas e acabar com a CSLL paga pelos bancos. O governo ainda não apresentou formalmente um projeto, mas fala em arrecadar até R$ 150 bilhões por ano com o tributo.

O noticiário doméstico evidencia as dificuldades do governo em avançar com as reformas estruturais para colocar a economia brasileira de volta aos trilhos, em um momento em que os sinais de desaceleração da atividade global são cada vez mais evidentes e espalhados, resgatando a cautela entre os investidores, após a volatilidade recente. Ao que tudo indica, as razões para tanta indefinição não desapareceram, apenas tiraram alguns dias de folga.

Exterior sob pressão

Esse sentimento já foi observado ontem, embutindo oscilações laterais e com pouca definição entre os ativos de risco pelo mundo, em um movimento liderado por Wall Street. Aqui, a Bolsa brasileira fechou em leve alta, subindo mais um degrau na casa dos 100 mil pontos, ao passo que o dólar também avançou, voltando a flertar com a faixa de R$ 4,10.

Tal comportamento sem rumo único se refletiu hoje na Ásia, onde Tóquio subiu, mas Xangai teve ligeira queda, após a inflação ao consumidor (CPI) chinês subir mais que o esperado em agosto, em +2,8%, ao passo que os preços ao produtor (PPI) caíram menos que o previsto (-0,8%). Já Hong Kong ficou de lado.

No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, relegando a declaração do secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, de que as conversas entre EUA e China “tiveram muito progresso”. Já o pregão na Europa é contaminado pela nova derrota do primeiro-ministro britânico Boris Johnson.

O Parlamento rejeitou o pedido de convocar eleições gerais antecipadas para 15 de outubro. o que permitiria ao primeiro-ministro uma tentativa de recompor a base de poder. Ao mesmo tempo, a Casa aprovou um projeto de lei, sancionado pela rainha, que impede um Brexit sem acordo em 31 de outubro.

A partir de agora, o Parlamento ficará suspenso até 14 de outubro. Mas, na prática, Johnson está forçado a alcançar um acordo com a UE, ou pedir um extensão de três meses do prazo sobre a saída do Reino Unido, caso não haja nenhum consenso até o dia 19 do mês que vem. Em reação, a libra esterlina e o euro recuam frente ao dólar.

Assim, a cena política rouba a cena no mercado financeiro, no Brasil e no exterior, prejudicando a esperança dos investidores com a capacidade dos bancos centrais de reverter o quadro da economia global. Afinal, uma nova rodada de estímulos monetários a serem lançados neste mês pode não ser suficiente para trazer um cenário de maior clareza.

Agenda sem destaques

O calendário econômico desta terça-feira está carregado, porém sem grandes destaques. No Brasil, logo cedo, saem a primeira prévia deste mês do IGP-M (8h) e a nova estimativa para a safra agrícola neste ano (9h). Já no exterior, será conhecido o relatório Jolts sobre o número de vagas de emprego disponíveis nos EUA em julho (11h).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

E essa Black Friday em ano de crise, vai dar bom?

Estamos prestes a viver uma Black Friday num ano de forte crise, em que as pessoas ficaram confinadas em casa. Definitivamente não é o melhor dos cenários para uma data tão voltada para o consumo. Por outro lado, foi na internet que a Black Friday ganhou força no Brasil, e o e-commerce deu um enorme […]

alta de 32% no ano

Parte da desvalorização maior do real se deve à dívida, diz presidente do BC

Roberto Campos Neto lembrou que o encerramento do ano é, tradicionalmente, um período de mais remessas de recursos ao exterior

fim do dia

O rali continua: Ibovespa deixa Wall Street de lado e sobe quase 20% em novembro

Ações de CVC e siderúrgicas lideram alta do índice. Dólar cai com fluxo e divulgação do dado das contas externas e juros recuam de olho em fiscal

Em pleno calendário eleitoral

Senado aprova mudanças na Lei de Falências

O projeto amplia o financiamento a empresas em recuperação judicial, permite o parcelamento e o desconto para pagamento de dívidas tributárias e possibilita aos credores apresentar plano de recuperação da empresa

Olha o Gol

Boeing 737-8 Max é autorizado a retornar operações no Brasil pela Anac

A informação é vista com bons olhos pela Gol, que é a única credenciada a operar o modelo no Brasil.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies