Menu
2019-11-06T06:24:57-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Quem dá mais?

Megaleilão do pré-sal é destaque na agenda, mas ruídos de pouca competição e ágios baixos geram apreensão e devem provocar volatilidade nos ativos locais

6 de novembro de 2019
5:21 - atualizado às 6:24
quemdamais
No exterior, noticiário em torno da guerra comercial dá o tom aos negócios

O megaleilão do excedente da cessão onerosa de petróleo do pré-sal (10h) é o grande destaque da agenda econômica doméstica desta quarta-feira. A operação deve ser a maior do tipo já vista no mundo e gerar uma grande fonte de financiamento aos cofres tanto da União quanto dos estados e municípios. Nos últimos dias, porém, surgiram dúvidas quanto ao total a ser arrecadado, em meio a desistência de grandes petrolíferas estrangeiras.

A francesa Total e a britânica BP declararam publicamente não ter interesse nos blocos a serem ofertados na Bacia de Santos. Rumores dão conta de que a norte-americana Chevron também teria desistido, deixando a disputa mais acirrada apenas entre chineses e árabes. Com a saída confirmada de duas gigantes europeias, ganhou força a percepção de que os grupos estrangeiros não irão encabeçar nenhum consórcio.

Além disso, existe a possibilidade de um cenário sem lances para alguns dos quatro campos a serem ofertados, já que a Petrobras exerceu direito de preferência em dois, sendo um deles o maior do leilão (Búzios). Essa diminuição da competição pode afetar a entrada de recursos externos com a licitação. O governo espera arrecadar R$ 106,5 bilhões, a ser dividido, mas que irá ajudar a cobrir o rombo nos cofres públicos neste ano.

Cerca de dez empresas se habilitaram para participar da rodada. Além da Petrobras e da Chevron, a lista inclui outra norte-americana, a ExxonMobil, as chinesas CNODC e CNOOC, a colombiana Ecopetrol, a norueguesa Equinor, a portuguesa Petrogal, a malaia Petronas, a QPI, do Catar, a anglo-holandesa Shell e a alemã Wintershall Dea. Há, ainda, o riso de uma possível batalha judicial, com uma tentativa de suspender o leilão.

Seja como for, o mercado financeiro espera uma atuação agressiva da Petrobras no leilão de hoje, o que tende a reduzir o fluxo de dólares ao país. Por isso, as ações da estatal petrolífera estão sofrendo, prejudicando o Ibovespa, e o dólar orbita ao redor de R$ 4,00. E os investidores podem esperar por muita volatilidade nos ativos locais ao longo do dia, ainda mais se o resultado final de cada campo superar as expectativas.

Exterior sem fôlego

Enquanto acompanham o megaleilão, os mercados domésticos monitoram o cenário externo, onde os ativos de risco têm fôlego encurtado para seguir em frente. A falta de direção definida ontem em Wall Street se espalhou para a Ásia, onde Tóquio teve leve alta (+0,2%), enquanto Xangai caiu (-0,4%) e Hong Kong oscilou em baixa.

Nesta manhã, os índices futuros das bolsas de Nova York também operam na linha d’água, com um ligeiro viés negativo, o que pode prejudicar a abertura do pregão europeu. Os investidores continuam monitorando as notícias sobre uma possível trégua comercial entre Estados Unidos e China, capaz de acabar com a ameaça de desaceleração econômica global.

A exigência de Pequim pela retirada da tarifa de 15% impostas sobre US$ 125 bilhões em produtos chineses em setembro como condição sine qua non para assinar um acordo comercial de primeira fase levantou a possibilidade de um colapso nas negociações. Afinal, o presidente dos EUA, Donald Trump, não sinalizou que concorda com os termos.

É oportuno, então, dosar o otimismo nos negócios, o que reduz o apetite por risco. O dólar, porém, perde forças em relação às moedas rivais, com destaque novamente para o yuan chinês, que é cotado próximo a 7 yuans por dólar pelo segundo dia seguido. Já o euro e o iene estão de lado. Nas commodities, o petróleo cai, enquanto o ouro avança.

Dia de agenda fraca

Entre os indicadores econômicos, o calendário doméstico está mais fraco e traz apenas os dados de outubro do Banco Central sobre a entrada e saída de dólares do país (fluxo cambial), às 14h30. Os números devem lançar luz sobre a retirada de R$ 9,5 bilhões em recursos externos da Bolsa brasileira (mercado secundário) só no mês passado. Também saem os indicadores antecedentes da Anfavea sobre a indústria automotiva no mês passado (10h).

No exterior, os EUA informam o custo da mão de obra e da produtividade no terceiro trimestre deste ano (10h30) e também os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (12h30). Logo cedo, na zona do euro, saem os números revisados sobre a atividade do setor de serviços na região em outubro, além das vendas no varejo em setembro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

não funciona sempre

Após frustração com “sonho grande”, Lemann deixa conselho da Kraft Heinz

Bilionário decide não buscar reeleição na companhia de alimentos, que perdeu metade do valor de mercado desde fundação

IR 2021

Como recuperar o recibo da declaração do imposto de renda

Perdeu a sequência de 12 dígitos da declaração anterior? Veja como recuperar o recibo da declaração do imposto de renda

Finalmente

Para alegria do mercado, Senado aprova texto-base da PEC do auxílio em 2º turno

Com isso, o Senado encerrou a tramitação da proposta e enviará a PEC para a Câmara dos Deputados, que deve votar na próxima semana.

Muito melhor que Capitão América

Bill Gates se junta com Homem de Ferro para investir em motores elétricos

Eles investiram em uma empresa que promete tornar os motores elétricos até 30% mais eficientes

Na vitrine

Apesar do fechamento dos shoppings na Fase Vermelha, XP continua vendo valor nas ações do setor

Mas a casa de investimentos ainda afirma que um resultado mais robusto no setor depende da reabertura dos shoppings

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies