Menu
2019-11-04T09:06:53-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Semana promete e começa em tom positivo

Expectativa do mercado financeiro recai no pacote de Guedes, a ser enviado ao Congresso amanhã, e no acordo comercial entre EUA e China neste mês

4 de novembro de 2019
5:41 - atualizado às 9:06
MERCADOTESTAOTIMISMO
Petrolíferas também agitam os negócios, com IPO da Saudi Aramco e megaleilão do pré-sal

A primeira semana de novembro começa com expectativa elevada no mercado financeiro, à espera do pacote de medidas que tem a digital do ministro Paulo Guedes (Economia). A agenda de propostas deve ser entregue amanhã por ele e o presidente Jair Bolsonaro e a mensagem que o governo e a equipe econômica querem passar (aos empresários e investidores) é de que o Brasil segue empenhado em colocar as contas públicas em ordem.

Para saber mais sobre “O pacote de Guedes”, leia em A Bula da Semana.

Enquanto aguarda o amplo conjunto de medidas a ser enviado ao Congresso nesta semana, o mercado doméstico monitora o cenário internacional. Lá fora, os ativos de riscos seguem embalados pelos números robustos sobre o emprego nos Estados Unidos apontados pelo payroll e as afirmações otimistas de que há progresso entre as duas maiores economias do mundo para assinar um acordo comercial parcial neste mês.

Em reação a essas notícias, as principais bolsas asiáticas encerraram a sessão em alta, pegando carona no avanço ao redor de 1% em Wall Street na última sexta-feira, quando o S&P 500 renovou a máxima histórica. Xangai subiu 0,6% e Hong Kong avançou 1,4%, beneficiadas ainda por um acordo de livre comércio entre a China e 16 países do sudeste asiático. Tóquio, por sua vez, permaneceu fechado devido a um feriado no Japão.

O sinal positivo também prevalece nos índices futuros das bolsas de Nova York, o que embala a abertura do pregão europeu, apesar do Velho Continente estar se preparando para um Brexit no fim de janeiro, com ou sem acordo. Nos demais mercados, o dólar está mais fraco, perdendo terreno para as moedas de países desenvolvidos, como o euro e a libra, e emergentes, como o rand sul-africano. O petróleo cai.

Além disso, a temporada de balanços continua agitando os negócios no exterior, bem como o anúncio da oferta pública inicial de ações (IPO) da Saudi Aramco. A gigante petrolífera deve levantar até US$ 2 trilhões com a tão esperada operação, prometida pelo príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman desde 2016. Os papéis da estatal devem estrear na Bolsa de Riad no mês que vem.

Itaú é o destaque do dia

No Brasil, o setor petroleiro também será destaque nesta semana, já que está previsto para quarta-feira o megaleilão da cessão onerosa. Grandes petrolíferas estrangeiras e a Petrobras devem disputar a reserva excedente, estimada em até 15 bilhões de barris em campos do pré-sal, o que pode levantar, pelo menos, US$ 50 bilhões.

Portanto, a licitação deve atrair um ingresso maciço de dólares ao país, diante da expectativa de ágios elevados para algumas áreas ofertadas. Com isso, o dólar tende a seguir em queda neste início de mês, após encerrar a semana passada abaixo de R$ 4,00. Já o Ibovespa pode ser impulsionado pela volta do apetite dos “gringos”.

Porém, caso haja menor interesse por parte das empresas estrangeiras, a entrada de fluxo externo pode ser frustrada, afetando o comportamento da moeda norte-americana e respingando nos demais ativos domésticos. No mês passado, o Ibovespa renovou o recorde de pontuação durante seis pregões, encerrando a sexta-feira com nova máxima intraday.

Hoje, o destaque da agenda doméstica fica com os números trimestrais do Itaú, após o fechamento dos negócios locais. Aliás, o pregão na Bolsa brasileira ganha uma hora a mais a partir de hoje, com o fim do horário de verão nos EUA ontem. Com isso, o horário de divulgação dos indicadores econômicos também passa a ser uma hora mais tarde.

Entre os indicadores econômicos, no exterior, saem as encomendas às fábricas nos EUA em setembro (12h) e dados sobre a atividade (PMI) na indústria da zona do euro em outubro, logo cedo. Por aqui, a semana começa com apenas uma das tradicionais publicações do dia, a Pesquisa Focus (8h25).

Nos próximos dias, o calendário doméstico traz como destaque a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom) e o resultado de outubro da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA). Essas divulgações devem esquentar o debate sobre se a última queda da Selic será em dezembro ou se cabem ajustes adicionais em 2020.

Já no exterior, a agenda estará esvaziada. Com isso, o foco dos ativos domésticos deve ficar concentrado na cena local, com a atenção dos investidores divididas entre a pauta política e os eventos econômicos, capazes de agitar o mercado brasileiro - quiçá, descolando-o do comportamento lá fora e dando ritmo próprio aos negócios por aqui. A conferir.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

REVIRAVOLTA

Ibovespa recua 3% e dólar vai a R$ 5,78 após STF anular condenações de Lula na Lava Jato

Diante de um cenário já negativo, a decisão aumenta o nível de incertezas domésticas, segundo analistas

Ajuda na crise

Guedes revela o valor do novo auxílio emergencial e diz que governo pode gastar mais se necessário

Os valores da nova rodada de auxílio emergencial irão de R$ 175 a R$ 375, sendo R$ 250 em média, de acordo com o ministro

apetite chinês

O ano do boi será o ano dos frigoríficos, e o Credit Suisse aponta melhor ação para aproveitar o momento

Peste suína africana nos rebanhos de suínos chineses e demanda por alimentos devem resultar em importação recorde de carne pela China

prepara o bolso

Mais um? Petrobras anuncia novo aumento nos preços do diesel e da gasolina

Diesel vai subir R$ 0,15 por litro e a gasolina será de R$ 0,23 por litro a partir de amanhã nas refinarias da empresa, diz Abicom

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies