Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:22:28-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A bula do mercado

Trégua na guerra comercial traz alívio aos mercados

EUA adiam imposição de sobretaxa e negociações com a China devem ser retomadas em breve

1 de julho de 2019
6:45 - atualizado às 14:22
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Uma bem-vinda trégua na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China traz alívio aos mercados financeiros internacionais neste início de julho. No sábado, os presidentes Donald Trump e Xi Jinping reuniram-se amistosamente às margens da reunião de cúpula do G-20 em Osaka.

Como resultado, o governo norte-americano anunciou o adiamento da imposição de uma tarifa de 25% sobre US$ 300 bilhões em produtos chineses que ainda não estão sobretaxados. Washington também autorizou a venda de componentes à gigante tecnológica chinesa Huawei.

As sobretaxas já em vigor, no entanto, seguem no lugar. Mesmo assim, a trégua entre Washington e Pequim alimenta agora a expectativa de que as negociações comerciais entre as duas maiores potências da atualidade sejam retomadas em breve e um acordo seja buscado.

O otimismo refletiu-se nos mercados de ações asiáticos. Com exceção da Bolsa de Valores de Seul, que fechou em queda de 0,04%, os principais índices acionários da região subiram. A Bolsa de Tóquio fechou em alta de 2,1%, enquanto Xangai avançou 2,2%. E enquanto na Europa os índices de ações abriram em alta, puxados pelo setor de tecnologia, os índices futuros de Nova York sinalizam que a semana - a ser abreviada pelo Dia da Independência dos Estados Unidos, em 4 de julho - começará no azul.

Ainda que o fato de não ter havido uma escalada na guerra comercial traga alívio aos investidores, o comportamento muitas vezes errático de Trump na condução das disputas contra a China é motivo de sobra para que os investidores não percam de vista a cautela à espera de avanços palpáveis.

Afinal, os Estados Unidos terão eleições presidenciais em 2020, a campanha se avizinha e o endurecimento do discurso contra a China é considerado um bom catalisador de votos para Trump.

Além disso, os sinais de desaceleração da economia global não param de pipocar. Desta vez, o chamado “tankan”, sondagem realizada pelo Banco Central do Japão, registrou o segundo trimestre consecutivo da queda na confiança entre os executivos das grandes indústrias do país. Na China, o índice dos gerentes de compra do setor manufatureiro encerrou junho estável, mas ainda em território contracionista.

Previdência entra em fase decisiva

O alívio vindo de fora permite aos investidores do mercado financeiro local concentrar o foco no andamento da reforma da previdência. A segunda-feira deve ser de atenção ao noticiário, uma vez que a leitura do parecer sobre as novas regras para aposentadoria é esperada para amanhã na comissão especial da Câmara dos Deputados. Caso a leitura do parecer ocorra conforme o previsto, a votação deve ocorrer no dia seguinte.

O avanço da reforma ainda depende de um consenso entre deputados e governadores em relação à inclusão de servidores públicos estaduais e municipais no projeto de lei da reforma. O prazo para um acordo é a terça-feira, o que não deve prejudicar eventuais ajustes no parecer a ser lido pelo relator.

Os esforços parlamentares pela aprovação da reforma da previdência levam em consideração o recesso no Congresso Nacional. Tanto o governo quanto os deputados favoráveis à reforma acreditam na possibilidade de o texto, depois de passar pela comissão especial, possa ser aprovado em dois turnos no plenário da Câmara até 18 de julho.

Se a reforma da previdência passar antes do recesso, será um ponto de partida para o avanço de outros projetos considerados importantes, como a reforma tributária, bem como para a retomada do ciclo de cortes de juros pelo Banco Central.

Entre os atores dos mercados financeiros, a expectativa é de que os atos realizados ontem em mais de 80 cidades brasileiras sirva para “estimular” um acordo político em favor da reforma.

Apesar do calendário apertado, o otimismo prevalece. O índice Ibovespa registrou leve alta de 0,24% na sexta-feira, com os investidores praticamente ignorando o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul depois de duas décadas de negociações.

Hoje, o Ibovespa tende a abrir em alta, acompanhando o avanço dos índices de ações estrangeiros com o alívio na guerra comercial, sem nada que indique uma iminente perda do nível de 100 mil pontos. Para o dólar, em contrapartida, o apetite por risco tende a fomentar a valorização do real. Enquanto isso, as taxas dos contratos futuros de juros seguem cortando gordura em meio à percepção de que um corte na taxa Selic pelo Banco Central é apenas uma questão de tempo.

Hoje, antes da abertura do mercado financeiro brasileiro, o Banco Central divulgará a pesquisa Focus em meio à expectativa de novas revisões nas estimativas do mercado, especialmente em relação às projeções referentes ao PIB, à inflação e aos juros diante da persistente ausência de sinais de recuperação da economia do País.

Em Viena, a reunião da Opep tem início em meio a sinais de que o cartel de produtores de petróleo e a Rússia estenderão por mais nove meses o acordo para limitar a produção da commodity.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies