Menu
2019-03-01T12:05:35-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado se protege na véspera do carnaval

Investidor retoma postura defensiva e busca proteção em ativos mais seguros, antes da pausa prolongada do carnaval

1 de março de 2019
5:35 - atualizado às 12:05
PROTECAOcarnaval
Declarações do presidente Bolsonaro, indicando possível enxugamento da reforma da Previdência, eleva cautela nos negócios

O novo mês começa com os investidores retomando a postura defensiva e buscando proteção em ativos mais seguros, antes da pausa prolongada do carnaval, até o início da tarde da próxima quarta-feira. Afinal, ninguém vai querer passar os dias de folia aqui no Brasil exposto ao risco, enquanto mundo continuará funcionando a pleno vapor.

Aliás, a ausência de notícias relevantes, principalmente em relação ao andamento da reforma da Previdência no Congresso, já havia reduzido o ritmo dos negócios locais nos últimos dias, com os investidores elevando a cautela. Hoje, o mercado deve retomar esse movimento lateral, ainda mais após as declarações do presidente Jair Bolsonaro.

Ontem, ele afirmou que está disposto a negociar alguns pontos da proposta do governo de novas regras para aposentadoria. Entre eles, a redução da idade mínima para as mulheres se aposentarem, de 62 anos para 60 anos. Bolsonaro também falou em flexibilizar a concessão do benefício a idosos em situação de carência (BCP) e na pensão por morte.

O problema é que apenas essa sinalização já pegou mal no mercado. Ao antecipar tais mudanças, o presidente comete um erro de estratégia, minando os esforços da equipe econômica de preservar a “essência” da proposta. Bolsonaro não deveria, de antemão, indicar um “enxugamento” que deve ocorrer durante as negociações com o Congresso.

E não foi só no mercado ficou que as declarações do presidente geraram polêmica. A afirmação de Bolsonaro dividiu opiniões entre os líderes partidários da Câmara. Parte deles considera positiva a manifestação, por facilitar a tramitação da proposta, enquanto outra parte vê a admissão como negativa. A proposta começa a tramitar após o carnaval.

China embala exterior

Uma vez que o noticiário recente não ajuda a sustentar o otimismo no mercado doméstico, os investidores não devem se empolgar muito com o sinal positivo vindo do negócios no exterior e passar os dias de folia “descoberto”. Lá fora, os mercados internacionais se animaram com as notícias sobre a China.

O índice dos gerentes de compras (PMI) calculado pelo Caixin recuperou-se e subiu ao maior nível em três meses em fevereiro, a 49,9, de 48,3 em janeiro, aproximando-se da linha divisória de 50, que separa contração e expansão da atividade. O dado se contrasta com a leitura do PIM oficial, na véspera, que caiu ao menor nível em três anos.

Em reação, as bolsas de Xangai e de Hong Kong tiveram altas firmes, de +1,8% e +0,7%, embaladas também pela decisão do MSCI, um fornecedor líder de índices acionários referenciais (benchmark), de quadruplicar o peso das ações chinesas no índice global, até novembro, e de incluir mais ações chinesas no índice de mercados emergentes.

A decisão tende a impulsionar o fluxo de recursos estrangeiros ao mercado acionário chinês, elevando a confiança dos investidores de que Pequim irá prover estímulos monetários e fiscal país. Já no Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York e as principais bolsas europeias pegam carona nos ganhos vindo da Ásia, confiantes também em um acordo comercial sino-americano.

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, devem assinar, em semanas, um acordo comercial, dando fim à guerra tarifária entre os dois países. O texto ainda estaria sendo preparando, com Washington avaliando se deve (ou não) fazer concessões a Pequim.

Nos demais mercados, o dólar tenta ganhar terreno em relação às moedas rivais, em meio ao avanço no rendimento (yield) dos bônus norte-americanos (Treasuries). O papel de 10 anos (T-note) volta a ter taxa acima de 2,70%. Nas commodities, o petróleo avança, em meio aos cortes na produção pelos países da Opep e à tração da economia dos EUA.

Mais dados de atividade

A semana chega ao fim com novos indicadores sobre a atividade, que devem confirmar a desaceleração da economia global. Logo cedo, a zona do euro anuncia a leitura final de fevereiro do índice dos gerentes de compras (PMI) no setor industrial. Também saem dados sobre o desemprego e a inflação ao consumidor (CPI) na região da moeda única.

Nos EUA, destaque para os dados sobre a renda pessoal e os gastos com consumo em dezembro, além do índice de preços ao consumidor PCE. Também serão conhecidos indicadores do setor imobiliário e sobre a atividade na indústria do país, além da versão revisão da confiança do consumidor norte-americano - todos às 12h.

Ao longo do dia, as fabricantes de automóveis divulgam as vendas de veículos em fevereiro. Já no Brasil, o calendário econômico e de balanços trimestrais está esvaziado, sem destaques.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies