Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: Decisão de Fed e Copom em destaque
Menu
2019-10-28T05:32:57-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula da Semana

A Bula da Semana: Semana de decisão de Fed e Copom

BCs brasileiro e dos EUA devem cortar os juros pela terceira vez seguida e dúvida fica com os próximos passos

28 de outubro de 2019
5:32
Mar
BCs do Brasil e dos EUA devem cortar os juros pela terceira vez seguida e dúvida fica com os próximos passos

Como tem acontecido desde junho, as reuniões de política monetária dos bancos centrais do Brasil (Copom) e dos Estados Unidos (Fed) acontecem nos mesmos dias, com as respectivas decisões sobre a taxa de juros sendo anunciadas na quarta-feira. Nos dois casos, espera-se manutenção do ritmo de cortes, com a Selic caindo mais meio ponto, a 5,0%, e a taxa dos Fed Funds cedendo ao intervalo de 1,50% a 1,75% - ambas na terceira queda seguida.

Apesar do largo consenso, Fed e Copom são o grande destaque da agenda econômica nesta semana, uma vez que o debate no mercado financeiro é sobre a duração do processo de afrouxamento monetário, com os investidores ponderando quanto mais estímulos devem ser dados por ambos os BCs. No caso da Selic, muitos falam em uma extensão do ciclo até a taxa alcançar 4% - ou menos - no início do ano que vem.

A expectativa, portanto, gira em torno do comunicado que acompanhará a decisão do Copom, que pode lançar luz para a reunião de dezembro e, quiçá, para 2020. Já o Federal Reserve pode condicionar à continuidade do processo aos indicadores econômicos, de modo a verificar se são necessárias novas ações preventivas neste e no próximo ano, como forma de atenuar o impacto da guerra comercial na atividade doméstica.

Com isso, a agenda desta semana merece atenção, uma vez que traz números sobre o emprego (payroll), inflação (PCE) e crescimento econômico (PIB) nos Estados Unidos. Dados de atividade também serão conhecidos no Brasil e em outras partes do exterior, com números sobre a indústria nacional e chinesa, além do desempenho do setor de serviços na China e do PIB na zona do euro.

Sangue Latino

O presidente argentino Mauricio Macri não conseguiu se reeleger e sofreu uma derrota acachapante nas eleições presidenciais realizadas ontem no país. Com 95% dos votos válidos apurados, a chapa que tem a ex-presidente Cristina Kirchner na vice-presidência conquistou 48% do eleitorado e venceu sem a necessidade de um segundo turno. O presidente eleito é Alberto Fernández, antigo chefe de gabinete de Cristina.

Em reação, o Banco Central argentino afirmou que vai ampliar os limites para a compra de dólares no país, para apenas US$ 200 mensais por pessoa, de US$ 10 mil no início do mês passado. Os bancos devem abrir normalmente hoje. Também merece atenção o peso chileno, dias após 1 milhão irem às ruas de Santiago, na maior manifestação no país desde a ditadura de Augusto Pinochet.

A vitória da esquerda peronista no pleito argentino fortalece a onda recente de manifestações na América Latina, com um recado claro de que os ventos reformistas inclinados à centro-direita incomodam a região. Muitos já chamam a turbulência popular vista em Equador, Peru, Bolívia, Chile e Argentina como “Primavera Latina”, em alusão aos protestos da “Primavera Árabe” em países do Oriente Médio e Norte da África no início da década.

Em cada um desses países houve um motivo específico que desencadeou o início dos distúrbios, mas, em todos eles, o estopim foi dado ou por causa da corrupção, da violência ou de questões econômicas - indo desde aumento de preços (combustíveis, transportes e energia elétrica) ao crescimento da pobreza/desigualdade social. Ainda assim, a Argentina é o primeiro país em que houve troca de presidente, por vias democráticas.

Após eleger, em 2015, um candidato pró-mercado, o veredicto dados pelos argentinos nas urnas é de que a experiência no país não deu certo. O sonho liberal-reformista que Macri prometeu aos empresários e investidores virou um pesadelo à população da Argentina, provocando uma reação através do voto. No Chile, a demanda de um milhão nas ruas era para “derrubar Piñera” e instalar um governo comprometido com a democracia popular, rechaçando o neoliberalismo econômico.

Há quem diga que o Brasil precisa ficar atento para não sofrer o “efeito Orloff”. A famosa expressão nos anos 80 baseava-se na premissa do “eu sou você amanhã”. Há, portanto, a mensagem de que os equilíbrios políticos na América Latina tendem a ser frágeis, com a derrota de Macri e a pressão sobre o presidente chileno Sebastian Piñera avisando ao presidente Jair Bolsonaro ele pode ser alvo do efeito Orloff.

Resta saber como os brasileiros entendem o passado e como querem avançar no futuro.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com apenas uma das tradicionais publicações do dia no Brasil, a Pesquisa Focus (8h25). Antes, sai o índice de confiança do setor da construção civil neste mês (8h). No exterior, destaque para os estoques no atacado norte-americano em setembro (9h30).

Terça-feira: Mais um índice de confiança, desta vez na indústria, será conhecido no Brasil. Na safra de balanços, sai o resultado trimestral a Cielo. Na agenda econômica norte-americana, saem dados do setor imobiliário e sobre a confiança do consumidor.

Quarta-feira: A “super quarta-feira” traz como destaque as decisões de juros do Fed, à tarde, e do Copom, à noite. Pela manhã, no Brasil, saem o IGP-M de outubro e a sondagem sobre a confiança no setor de serviços. Na temporada doméstica de resultados, destaques para os números de Santander, Lojas Americanas, Pão de Açúcar, B2W e Gerdau. Já no exterior, pela manhã, saem os dados da ADP sobre emprego no setor privado dos EUA, além dos números preliminares do PIB norte-americano no trimestre passado. No fim do dia, a China anuncia dados de atividade na indústria e no setor de serviços.

Quinta-feira: O dia começa com o anúncio de política monetária do BC do Japão (BoJ). Na zona do euro, merecem atenção os números da inflação ao consumidor (CPI) e da atividade econômica (PIB). Já nos EUA, destaque para os dados sobre a renda pessoal e os gastos com consumo, além do índice de preços PCE. No Brasil, saem os dados sobre o mercado de trabalho ao final do terceiro trimestre e os resultados financeiros de Bradesco e Gol.

Sexta-feira: Novembro começa trazendo como destaque o relatório sobre o mercado de trabalho nos EUA (payroll), com números sobre a geração de vagas, o rendimento médio por hora e a taxa de desemprego em outubro. No Brasil, a semana chega ao fim com os números da indústria em setembro e da balança comercial em outubro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Militares nas ruas

Governo federal confirma prorrogação de GLO no Ceará até dia 6 de março

Prazo original também tinha duração de uma semana e venceria nesta sexta-feira, 28

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements