Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: Crise política testa agenda econômica
Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-21T05:01:49-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula da Semana

A Bula da Semana: Crise política testa agenda econômica

Briga interna no PSL eleva tensão política e pode respingar na agenda econômica, em semana de conclusão da votação da reforma da Previdência

21 de outubro de 2019
5:01
crisepolitica

Depois de quase quatro anos no centro das atenções, a reforma da Previdência deve, enfim, ser aprovada nesta semana no Congresso, com os parlamentares eleitos em 2018 avalizando as novas regras para aposentadoria propostas pela equipe econômica de Paulo Guedes. Mas a tramitação da proposta no Senado será um teste de fogo para o presidente Jair Bolsonaro, que está em crise com o seu partido.

Durante o fim de semana, teve uma trégua o racha interno entre bolsonaristas e bivaristas (ala que defende o presidente do PSL, Luciano Bivar) por causa da disputa pelo controle das verbas milionárias dos fundos eleitoral e partidário. Mas a briga ficou feia nos últimos dias, fazendo cair por terra o discurso de “nova política” que o presidente e seus aliados vinham mantendo com a base eleitoral. Para estancar a crise e evitar prejuízos, Bolsonaro pode ser ter de acenar para outros partidos além do MDB, se reaproximando do DEM.

E o mercado financeiro, que ignora toda a confusão, pode acabar sucumbindo a mais essa crise criada pelo Palácio do Planalto, caso ela contamine o andamento da agenda econômica e a aprovação de projetos. Por ora, os líderes do governo na Câmara e no Senado - os dois agora do MDB - tentam blindar os trabalhos legislativos da crise no PSL. Mas o partido rachado pode afetar a articulação do governo no Congresso, que pode mudar pela terceira vez em dez meses.

Nos bastidores, já se fala que, discutidos Previdência e Orçamento, o restante da pauta fica para 2020. Ou seja, reformas tributária e administrativa nem um novo texto para a regra de ouro seriam colocados em debate ainda neste ano. Já o ministro da Economia tenta manter as expectativas dos investidores elevadas, fechando questão com os presidentes Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre para continuar com a agenda econômica assim que a proposta da Previdência for votada. A sessão no Senado está marcada para amanhã.

Empenhados em blindar a pauta econômica dos ruídos políticos, Guedes, Maia e Alcolumbre devem se reunir hoje para discutir os detalhes dos textos das próximas reformas. A previsão é de que tudo possa tramitar em conjunto, sem prioridade nos projetos e dividindo os trabalhos entre as duas Casas, para acelerar o ritmo. Mas alguns devem andar mais rápido. Afinal, a reforma administrativa, que altera as regras do serviço público, tem mais consenso entre os parlamentares do que a reforma tributária.

A aposta é de que a agenda positiva irá ampliar a confiança dos agentes econômicos no país. O problema é que quanto mais o ambiente em Brasília gerar incerteza, mais apreensivo o investidor estrangeiro tende a ficar, com as saídas de recursos externos no Brasil continuando a superar as entradas. Essa falta de apetite dos “gringos” tende a dificultar uma retomada econômica mais consistente, com a agenda de privatizações e o megaleilão da cessão onerosa do pré-sal podendo ser “envenenados” pela cena política.

Mais economia, menos política

Mas o mercado doméstico quer continuar acompanhando à distância a briga interna do PSL, torcendo para que a crise não ganhe mais proporção e que o presidente Bolsonaro não se envolve mais diretamente no assunto. A expectativa é de que a agenda de reformas avance, abrindo espaço para o Banco Central acelerar o ritmo de cortes na taxa básica de juros nas duas últimas reuniões deste ano.

Os investidores estão empolgados com a possibilidade de a Selic cair a 4% ou menos até o próximo ano. Para tanto, o Comitê de Política Monetária (Copom) teria de aumentar a dose, reduzindo o juro básico em 0,75 ponto neste mês e em dezembro, e promovendo uma queda residual, de 0,25 ponto ou quiçá meio ponto, no início de 2020. Essa expectativa pode até levar a Bolsa brasileira rumo a novos topos, mas sustenta o dólar acima de R$ 4,00.

Aliás, a moeda norte-americana vem sendo negociada nessa faixa desde meados de agosto, em uma sequência recorde, refletindo a saída de quase US$ 40 bilhões do Brasil em recursos externos nos últimos 12 meses. Ou seja, desde as eleições presidenciais do ano passado. Diversas razões explicam tal movimento, entre elas, a menor atratividade pelo diferencial dos juros no país em relação ao praticado no exterior.

Por isso, o debate sobre o rumo da Selic tem ganhado força nas mesas de operações. Aliás, o relatório de mercado Focus, hoje, pode trazer novas mudanças nas previsões para as principais variáveis macroeconômicas, ao passo que a prévia da inflação oficial de preços ao consumidor (IPCA-15), amanhã, tende a calibrar as apostas sobre o rumo do juro básico, influenciando na cotação do câmbio no curto prazo.

O indicador é o grande destaque da agenda doméstica nesta semana, que traz ainda o início da temporada doméstica de balanços. Os peso-pesado Vale e Petrobras divulgam seus resultados trimestrais na quinta-feira, depois do fechamento do pregão. Na manhã do dia seguinte, merecem atenção os demonstrativos contábeis da Ambev.

Já no exterior, o calendário econômico também está mais fraco, trazendo como destaque a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira. Trata-se da última reunião sob o comando de Mario Draghi, com a ex-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Christine Lagarde assumindo o lugar dele em novembro.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com a agenda econômica esvaziada, trazendo apenas as tradicionais publicações do dia no Brasil, a saber, Pesquisa Focus (8h25) e balança comercial semanal (15h).

Terça-feira: A prévia da inflação de outubro, medida pelo IPCA-15, e a conclusão da votação da reforma da Previdência no Senado, são os grandes destaques do dia no Brasil. Também será conhecido a leitura preliminar do índice de confiança na indústria brasileira. Nos EUA, saem dados do setor imobiliário, enquanto é feriado no Japão.

Quarta-feira: O calendário econômico fraco do dia traz apenas os dados semanais sobre o fluxo cambial no Brasil e novos indicadores do setor imobiliário nos EUA. Já o cartel de países produtores e exportadores de petróleo (Opep) reúne-se.

Quinta-feira: A decisão do BCE e última coletiva de imprensa de Mario Draghi à frente da autoridade monetária são o destaque do dia. Além disso, dados preliminares de atividade na zona do euro e nos EUA em outubro recheiam a agenda, que traz também a sondagem da FGV sobre a confiança do consumidor e a nota de setor externo do BC.

Sexta-feira: A semana chega ao fim com mais uma sondagem da FGV, desta vez, sobre a confiança no comércio, e também com outra nota do BC, sobre as operações de crédito. Também será conhecida a leitura final da confiança do consumidor norte-americano em outubro.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies