Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: Os sinais da economia brasileira
Menu
2019-11-18T05:29:36-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

A Bula da Semana: Os sinais da economia

Varejo e serviços no Brasil crescem acima do esperado em setembro, sinalizando expansão mais forte do PIB no 3T19

18 de novembro de 2019
5:10 - atualizado às 5:29
sinaiseconomia
Varejo e serviços no Brasil crescem acima do esperado em setembro, sinalizando expansão mais forte do PIB no 3T19

Os dados domésticos sobre a atividade no setor de serviços e as vendas no varejo em setembro, conhecidos na semana passada, surpreenderam positivamente o mercado financeiro, levando economistas a revisarem para cima a previsão para o crescimento econômico do país neste ano. O relatório Focus do Banco Central, nesta segunda-feira, deve trazer estimativas mais positivas para o Produto Interno Bruto (PIB).

O fato é que a reação da economia brasileira está se tornando mais nítida e, embora ainda seja uma recuperação incipiente, não muito vigorosa, o processo de retomada da atividade parece seguir intacto - e saudável. Para especialistas, grande parte desse estímulo deve-se à liberação dos recursos de contas ativas e inativas do FGTS, além do ciclo de cortes da Selic iniciado em julho, apesar do recorde de informalidade no mercado de trabalho.

Por ora, os resultados de setembro são compatíveis com um crescimento econômico moderado no terceiro trimestre deste ano, com um avanço em torno de 0,5% em relação ao período anterior. Ou seja, para acelerar o ritmo de expansão é preciso assegurar uma recuperação mais expressiva à frente, com a iniciativa privada assumindo as rédeas do processo - tanto nos investimentos quanto nas contratações - já que a demanda do governo tende a ficar reprimida pelos próximos anos.

E o problema é que com a economia ganhando tração diminui-se a necessidade de cortes adicionais no juro básico em 2020. Com isso, voltou à mesa a discussão em torno do fim do ciclo de cortes na Selic ainda este ano, após a queda de mais meio ponto em dezembro, conforme indicado pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Nesse debate, a taxa terminal seria de 4,50%, permanecendo neste nível ao longo de todo o ano que vem.

Ainda mais após a forte valorização do dólar, que depois de encerrar outubro abaixo de R$ 4,00, ganhou força e encostou-se à faixa de R$ 4,20, nos maiores níveis da história. A moeda norte-americana vem sendo pressionada desde a frustração com o megaleilão do pré-sal, que evidenciou a falta de apetite de investidores estrangeiros por ativos brasileiros, e vem servindo de hedge [proteção] contra a turbulência na América Latina.

Com essa cotação do câmbio mais alta, é difícil falar em juros básicos mais baixos, mesmo com a inflação comportada. Porém, os riscos de oferta de proteínas entram no radar, diante da demanda chinesa por carnes, após o surto da febre suína. Aliás, a prévia da inflação ao consumidor brasileiro neste mês (IPCA-15) é o grande destaque da agenda econômica doméstica, que está mais fraca.

Sinais ambíguos

No exterior, o calendário econômico está igualmente fraco, tendo como destaque a divulgação da ata da reunião de outubro do Federal Reserve, além de indicadores preliminares de novembro sobre a atividade na zona do euro e nos Estados Unidos. Mas o foco dos mercados lá fora continua na guerra comercial, com os investidores tentando desembaçar o cenário, após sinais ambíguos vindos de Pequim e Washington.

A relutância dos EUA em remover as tarifas existentes e suspender as sobretaxas programadas para dezembro emperrou as negociações da fase um do acordo, que era pra ter sido assinado em meados de novembro. Por outro lado, a reticência da China em elevar as compras de produtos agrícolas também dificulta um acerto parcial. Ou seja, os dois lados apontam para dificuldades em se chegar a um termo mais concreto e estrutural.

Com isso, cresce a preocupação quanto à desaceleração adicional da economia global, ainda mais após os dados fracos sobre a atividade na indústria e no varejo chinês em outubro, conhecidos na semana passada, revertendo quase que totalmente a estabilização verificada em setembro e confirmando a tese de que a recuperação na China não é sustentável. Por ora, o mercado financeiro ainda parece pouco reativo a esses sinais.

Tanto que na sexta-feira passada bastaram declarações positivas do assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, de que EUA e China estão perto da fase um do acordo comercial para Wall Street ampliar o rali. Durante o feriado no Brasil, o índice Dow Jones fechou acima dos 28 mil pontos pela primeira vez na história, em uma sessão de novos recordes também para o S&P 500 e Nasdaq 100.

O desempenho ignorou a queda maior que a esperada da produção industrial dos EUA em outubro, e os sinais de que os consumidores norte-americanos frearam os gastos antes da temporada de festas. E, assim, enquanto alimentam esperanças de que as duas maiores economias do mundo estão caminhando em direção a um acordo, os investidores simplesmente vão ignorando a deterioração da atividade - que pode ficar mais latente.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com as tradicionais publicações do dia no Brasil, a saber, a Pesquisa Focus (8h25) e os dados semanais da balança comercial (15h). No exterior, o calendário econômico está esvaziado.

Terça-feira: O dia traz uma nova prévia do IGP-M neste mês e dados do setor imobiliário nos EUA e na zona do euro.

Quarta-feira: O feriado pelo Dia da Consciência Negra é celebrado em cerca de mil cidades em todo o país, incluindo São Paulo, o que mantém os negócios na B3 fechados hoje. Com isso, não haverá pregão na Bolsa brasileira nem no mercado de juros futuros. O dólar opera com menor liquidez. No exterior, destaque apenas para a ata do Fed, quando indicou interrupção no ciclo de cortes dos juros.

Quinta-feira: Novos indicadores do setor imobiliário nos EUA serão conhecidos, além da atividade industrial na Filadélfia.

Sexta-feira: A semana chega ao fim com dados preliminares de novembro sobre a confiança na indústria nacional e sobre a inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA-15). Já no exterior, saem números preliminares do índice dos gerentes de compras (PMI) sobre a atividade nos setores industrial e de serviços da zona do euro e dos EUA, além da leitura final da confiança do consumidor norte-americano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Militares nas ruas

Governo federal confirma prorrogação de GLO no Ceará até dia 6 de março

Prazo original também tinha duração de uma semana e venceria nesta sexta-feira, 28

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements