Menu
2019-07-11T20:17:51-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Maior recuperação judicial da história

Justiça libera ações da Braskem dadas a credores da gigante Odebrecht

Com isso, será permitido que os bancos credores da gigante Odebrecht tomem posse dos papéis da petroquímica, que tinham sido dadas como garantia por conta de empréstimos feitos pelo grupo

11 de julho de 2019
20:16 - atualizado às 20:17
odebrecht
Odebrecht - Imagem: Shutterstock

Depois de muita polêmica envolvendo a maior recuperação judicial da história, a Justiça de São Paulo deferiu, hoje (11), um pedido liminar feito pelo Itaú sobre as ações da petroquímica Braskem. Com isso, será permitido que os bancos credores da gigante Odebrecht tomem posse dos papéis da petroquímica, que tinham sido dados como garantia por conta de empréstimos feitos pelo grupo.

Em sua decisão, o desembargador Alexandre Lazzarini da 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial de São Paulo, suspendeu a proibição da excussão - ato de executar judicialmente os bens de um devedor principal de ações dadas em garantia pela Odebrecht a uma instituição bancária.

Ao deferir a liminar, o desembargador afirmou que “as relações contratuais dessa magnitude não são realizadas por empresários inexperientes; pelo contrário, a situação envolve negociações empresariais e bancárias de grande porte, fora dos parâmetros da ‘pessoa comum’, como se diz nas relações entre pessoas naturais. São contratos realizados com consultorias e assessorias altamente qualificadas”.

Entre os bancos privados, Bradesco e Itaú, possuem o maior montante segurado com os papéis da petroquímica. No ano passado, o valor foi elevado porque ambos fizeram novo aporte de R$ 2,6 bilhões no grupo.

Entenda o processo...

Em seu pedido de recuperação, a Odebrecht tinha colocado que a Braskem era fonte essencial de recursos ao grupo. As suas ações foram oferecidas como garantia dos empréstimos dados ao grupo, que somam R$ 13 bilhões.

No processo, as ações da petroquímica e as participações na Atvos e Ocyan estavam legalmente fora da recuperação judicial, porque eram garantias dadas em empréstimos bancários tomados pelo grupo.

Isso ocorreu porque pela lei de recuperação e falências, as dívidas de bancos não entram entre os créditos sujeitos à proteção da Justiça.

Antes da decisão, a Odebrecht estava tentando convencer os bancos, que já são donos das ações da petroquímica, que seria mais fácil vender a participação no ambiente da recuperação judicial. O motivo é que a participação ficaria blindada de credores do grupo, o que facilitaria a venda e ajudaria a maximizar o valor da participação.

Até o mês passado, a Odebrecht negociava sua participação de 51% na Braskem para o grupo holandês LyondellBasell.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies