Menu
2019-11-15T07:52:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

15 de novembro de 2019
7:42 - atualizado às 7:52
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Alex Silva

As ações PNA da Braskem (BRKM5) atravessam um momento delicado na bolsa. Desde o início do ano, os ativos acumulam perdas de 37,48% — o pior desempenho da carteira do Ibovespa. E o balanço da petroquímica no terceiro trimestre não deve ajudar em nada a situação dos papéis.

Afinal, a Braskem reportou um prejuízo líquido de R$ 888 milhões entre julho e setembro deste ano, revertendo o lucro de R$ 1,344 bilhão reportado no mesmo intervalo de 2018. É verdade que boa parte dessas perdas se deve a um efeito não-caixa, com um resultado financeiro bastante negativo no trimestre, mas há outros fatores de preocupação.

Veja, por exemplo, o que aconteceu com a receita líquida: alinha recuou 18% na base anual, somando R$ 13,4 bilhões no trimestre — um indicativo de que as atividades da Braskem se contraíram nessa base de comparação. E essa percepção é confirmada pela queda de 9% nos custos dos produtos vendidos, para R$ 11,6 bilhões.

De fato, a receita líquida da Braskem diminuiu em seus três principais pólos: Brasil, Estados Unidos/Europa e México. Aqui no país — o maior centro da petroquímica —, a diminuição foi de 17%; nos territórios americano e europeu, a baixa foi ainda maior, de 24%; no México, o recuo chegou a 29% em um ano.

E o que explica essa contração na atividade? Segundo a Braskem, a indústria petroquímica no Brasil está num ciclo de baixa, o que afeta diretamente as atividades da empresa e gera uma menor taxa de utilização de suas centrais.

"Por outro lado, o resultado das operações do Brasil foi impactado positivamente pela sazonalidade do período sobre a demanda de resinas no mercado brasileiro", escreve a companhia, em seu relatório de resultados trimestrais.

Quanto ao resultado das operações americanas e europeias, a Braskem diz que paradas não programadas nas plantas de polipropileno dos Estados Unidos afetaram os números do trimestre. Por outro lado, a empresa diz que as operações foram positivamente influenciadas pela retomada no fornecimento de propeno na Europa.

E no México? Nessa região, a Braskem limitou-se a dizer que as atividades foram influenciadas "pela estratégia comercial de direcionamento de produto para regiões com maior rentabilidade e pela manutenção de fornecimento de etano em patamares similares aos trimestres anteriores".

Dito tudo isso, o Ebitda — isto é, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — da petroquímica também foi fraco: R$ 1,55 bilhão no terceiro trimestre deste ano, uma queda de 57% em relação ao mesmo intervalo de 2018.

Ah, sim: conforme dito lá em cima, o resultado financeiro líquido da Braskem foi bastante ruim, ficando negativo em R$ 2,03 bilhões entre julho e setembro — mais que o dobro das perdas contabilizadas há um ano, de R$ 931 milhões.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies