Menu
2019-04-19T13:01:54-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Por que a política tem tanta influência na bolsa brasileira?

Nas últimas semanas, canetadas presidenciais mexeram com o Ibovespa. Entenda por que quem investe em ações no Brasil tem que ficar mais de olho na política do que o normal

19 de abril de 2019
8:00 - atualizado às 13:01

Quem investe na bolsa brasileira sabe que é bom manter sempre um olho na política de Brasília. Nas últimas semanas, por exemplo, os acionistas da Petrobras tiveram a sua parte na estatal diretamente afetada pelas canetadas presidenciais. Depois que Bolsonaro interveio na questão do reajuste dos preços do diesel, as ações despencaram e a companhia perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado em apenas um dia.

Tal tipo de acontecimento não é estrangeira aos investidores brasileiros. A política tem grande influência na nossa bolsa, e não apenas da maneira mais óbvia. No vídeo a seguir, eu explico por quê:

Veja o texto na íntegra do vídeo sobre por que a política afeta tanto a bolsa brasileira

Quem investe no mercado de ações brasileiro costuma estar sempre com um olho em Brasília. Os acontecimentos políticos têm muita influência na bolsa, pelo menos no curto prazo. Mas isso não acontece só pelas razões mais óbvias. Política e mercado de ações: e eu com isso?

A política talvez não seja o fator de maior peso no desempenho das empresas brasileiras e das ações negociadas em bolsa. Mas você já deve ter percebido que Brasília e alguns governos estaduais têm grande influência nos preços das ações e no desempenho do Ibovespa, ao menos no curto prazo.

Em época de eleição isso fica mais evidente. Os altos e baixos do mercado se tornam mais fortes às vésperas de um pleito presidencial, principalmente dos mais indefinidos, o que tende a aumentar a incerteza acerca do destino da economia.

A política afeta a bolsa não só pelos motivos mais óbvios, como a tomada de decisões que afetam a economia e as empresas de um setor ou outro. No caso da bolsa brasileira, tem mais um fator: a presença de muitas estatais federais e estaduais, além de empresas altamente expostas ao cenário político.

Algumas delas, inclusive, têm grande peso no Ibovespa, como Petrobras e Banco do Brasil. Também é o caso dos grandes bancos privados, muito suscetíveis ao que acontece no mundo da política. A postura do governo federal tende a afetar o desempenho das ações dessas companhias e, consequentemente, do Ibovespa como um todo. O mesmo vale pras ações das estatais ligadas a governos estaduais.

Se desconsiderarmos outros fatores que mexem com os preços das ações, governos percebidos como mais intervencionistas e estatizantes tendem a pesar negativamente pras ações dessas empresas, enquanto que governos mais liberais e afeitos a privatizações tendem a beneficiá-las. Isso porque o mercado entende que em cenários de menor intervenção, essas empresas vão poder buscar o lucro com mais afinco.

Gostou do vídeo? Então não deixa de assinar o canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho pra receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias pra outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantém um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação com ativos tradicionais, os analistas disseram que elas não podem servir como hedge (proteção) por conta de restrições de liquidez e dificuldades transacionais de uso

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Ministro minimiza

Bolsonaro ‘não seria maluco’ de atacar o Congresso, afirma Ramos

Ministro da Secretaria de Governo, o general Luiz Eduardo Ramos minimizou o envio, pelo presidente Jair Bolsonaro, de vídeo convocando para manifestações que criticam Congresso

Alerta para a mineradora

Navio carregado de minério de ferro da Vale corre risco de naufrágio no MA

Volume de carga transportado não foi divulgado pela mineradora

Crise política

Ministro do STF, Celso de Mello diz que “o presidente da República, embora possa muito, não pode tudo”

O decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello, afirmou em nota que considera “gravíssima” a convocação de manifestações contra o Congresso Nacional e afirmou que caso revela a “face sombria de um presidente que desconhece o valor da ordem constitucional” e que não está “à altura do altíssimo cargo que exerce’. O decano […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Azul, Gol, Vale e Petrobras: os destaques (negativos) da bolsa nesta quarta-feira

As ações da Azul e da Gol despencam mais de 10% e têm os piores desempenhos do Ibovespa, em meio às incertezas quanto aos impactos do coronavírus ao setor aéreo e à disparada do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements