Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-03-19T13:13:56-03:00
blog da angela

O DNA da bolsa brasileira: poder, risco e muita grana na instituição que segue os sinais da economia brasileira

Expectativas para a economia brasileira são formadas de várias maneiras – para o bem e para o mal –, mas é o mercado financeiro que melhor antecipa e demonstra essas expectativas.

19 de março de 2019
13:09 - atualizado às 13:13
Sede da B3, no centro de São Paulo
Sede da B3, no centro de São Paulo - Imagem: shutterstock

A Bolsa brasileira ensaia a consolidação de 100 mil pontos como o novo patamar para negociação do seu principal índice, o Ibovespa. A marca foi ultrapassada ontem no melhor momento do pregão. Nesta terça, já teve reprise. A alta dos preços das commodities no exterior embalou as ações da Petrobras e Vale na primeira esticada do Ibovespa. Informação divulgada hoje pelo jornal O Globo, de que o governo pretende pagar cerca de R$ 35 bilhões à Petrobras em renegociação do acordo sobre exploração de petróleo em blocos do pré-sal, é mais um fator de alta para a estatal.

Contudo, a mesma informação autoriza uma segunda interpretação: sem equacionar essa pendência com a Petrobras, o governo terá dificuldade em promover o leilão de áreas do pré-sal que pode render estimados R$ 100 bilhões este ano. E esse leilão importa porque parte desses R$ 100 bilhões ficarão no caixa do governo e ajudarão a fechar as contas públicas este ano.

A história parece enrolada e é mesmo! Ela traz à tona a real preocupação dos investidores, principalmente os estrangeiros, quanto às contas do governo brasileiro. E, nesse cenário, você sabe, a Previdência é a atriz principal.

Uma solução para a mega deficitária Previdência Social é importante, até vital, para a economia brasileira que não decola, apesar da inflação jogar a favor há muitos meses.

Expectativas para a economia brasileira são formadas de várias maneiras – para o bem e para o mal –, mas é o mercado financeiro que melhor antecipa e demonstra essas expectativas. Os mercados futuros de ativos financeiros, como juro, dólar e Ibovespa, são instrumentos que ajudam o governo e os investidores (claro!) a tomarem decisões, inclusive, as necessárias para colocar a economia em marcha.

Se engana quem pensa que contratos futuros, negociados no segmento da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), da B3, são um bicho de sete cabeças.

Uma dica: pense menos nos números e mais no que eles significam em tendência, volume, magnitude.

As operações ou negócios realizados na BM&F podem mostrar se, lá adiante, teremos uma inflação mais baixa ou mais alta, se o Banco Central poderá aumentar ou reduzir a taxa Selic ou, ainda, se os investidores estrangeiros estão animados com o Brasil e poderão trazer mais dinheiro para montar negócios, comprar empresas ou fazer turismo. Uma alternativa nada boa para o país é se, decepcionados ou frustrados com a reforma da Previdência, eles decidirem pegar seu dinheiro e levar para casa.

O Ibovespa Futuro, por exemplo, nos ajuda a perceber se as expectativas são melhores ou piores para as empresas. E, você sabe, empresas produzem e/ou vendem produtos e serviços e empregam trabalhadores. O desempenho das empresas pode indicar, por sua vez, se os consumidores estão com mais ou com menos dinheiro na mão. E até mesmo se o governo está se intrometendo no negócio delas.

Muito além dos números

O mercado futuro de juros ou de contratos de depósito interfinanceiro (DI) é o maior do país, mas a história da BM&F vai muito além e envolve gente, dinheiro, sonhos, muito trabalho e competição. Eu conto melhor a história dessa instituição e seus produtos neste texto.

Apesar da importância dos mercados futuros na história econômica recente do Brasil, não existe uma farta bibliografia disponível sobre esse assunto. A principal referência é o livro “BM&F, a história do mercado futuro no Brasil”, lançado, em 1996, pelos jornalistas Alcides Ferreira e Nilton Horita.

A BM&F foi criada em 1986 e acompanhei com real interesse o crescimento dos negócios ao longo dos anos. Primeiro, como repórter do jornal Gazeta Mercantil. Nos anos seguintes, como editora ou colunista na Agência Estado/Broadcast, no jornal O Estado de S.Paulo, na agência Reuters e no Valor Econômico. Em 2008, 2009 e início de 2010, quando trabalhei no Banco Central, segui com outros olhos a Bolsa e todo o esforço empreendido para manter a normalidade nos mercados, enquanto em vários países do mundo prevalecia o caos.

Foram muitos anos de aprendizado que hoje percebo ter grande utilidade para alertar você sobre alguns riscos que a economia oferece, dependendo de como ela anda.

Ao contrário do que muitos analistas supõem, não foi o crescimento dos mercados futuros de juros em grandes economias, nos anos 1980 e 1990, o principal estímulo para que um grupo de corretores brasileiros – liderados pelo então presidente da Bovespa Eduardo da Rocha Azevedo – encarasse o desafio de montar uma bolsa de futuros de ativos financeiros.

Na década de 1980, havia forte competição entre a Bovespa e a BVRJ (Bolsa de Valores do Rio de Janeiro), embora o mercado de ações fosse pequeno comparado ao que é hoje. A supremacia da Bolsa carioca em volume de negócios (graças à listagem das “blue chips” e contratos de opções) e o desafio que impunha à Bolsa de São Paulo foi decisiva para que corretores de valores mobiliários, empresários e banqueiros investissem tempo e dinheiro para “trazer volume” para a capital paulista.

“Essa competição entre as Bolsas de Valores brasileiras tornou estratégica a criação da BM&F, embora já existisse, no Rio, a Bolsa Brasileira de Futuros (BBF). Os estudos para a criação da BM&F começaram em 1982. E ninguém pensava, naquele momento, que o Brasil era o país do futuro ou que não se dispunha de meios adequados de contabilização de mercadorias. Nada disso. Havia, sim, muita disposição para tornar São Paulo o centro de negócios financeiros do país”, contou ao Seu Dinheiro o especialista em gestão de risco e “compliance” Verdi Rosa Monteiro.

O executivo, hoje consultor de grandes empresas, desempenhou várias funções na BM&F. Foi chefe do escritório no Rio, gerente técnico, diretor-adjunto de administração de risco, diretor de projetos, diretor de desenvolvimento e fomento e atuou diretamente, nos últimos anos, na Clearing de Câmbio, também um segmento da B3.

Verdi reconhece que aspectos macroeconômicos contribuíram para o desenvolvimento do projeto de criação da Bolsa de futuros. “A BM&F foi lançada em 1986 e a história econômica mostrou que o momento não poderia ter sido melhor. Haviam restrições para se obter crédito no exterior. O Brasil fazia parte do grupo de mercados emergentes. Nesse sentido, criar instrumentos domésticos para garantir recursos mostrou se oportuno e até necessário. A dívida interna do governo era gigantesca. E, nossa inflação, fora de série”, recorda Verdi.

Ele afirma que a BM&F estreou em um cenário de grande incerteza. “O primeiro pregão abriu em janeiro de 1986 e, em fevereiro, o governo Sarney lançou o Plano Cruzado que foi a primeira tentativa de estabilização econômica do Brasil. Nos anos seguintes, foram lançados o Plano Bresser em 1987, o Plano Verão em 1989, o Plano Collor I em 1990, o Plano Collor II em 1991 e o Plano Real em 1994.”

Verdi tem claro na memória o primeiro “corner” de dinheiro vivido pelo mercado brasileiro. Foi em 1990, quando o governo Collor decretou feriado bancário por três dias e mudou a denominação da moeda. Os contratos futuros da BM&F previam que a liquidação financeira das operações ocorreria no primeiro dia útil subsequente a eventuais feriados bancários.

“Às vésperas do Plano Collor, o mercado inteiro tinha se posicionado em contratos de opções de ouro, que faziam o papel de dólar naquele momento em que o dólar era negociado apenas no mercado paralelo, e não havia meios de se liquidar operações no pós-feriado, quando o preço do ouro caiu à metade. No Plano Collor II o episódio se repetiu em função do confisco da poupança. Frente a tudo isso, o Plano real, em 1994, foi muito tranquilo”, diz Verdi.

Ele lembra que, em 1994, o Plano Real previa uma unidade de pagamento intermediária entre a velha e a nova moeda, a URV, que evitou novos problemas.

“Convertemos todos os contratos da BM&F para URV e, depois, para o Real. Mas períodos ainda mais difíceis viriam com as crises do México, da Rússia e da Ásia. O Brasil passou a ser visto como um risco global assim como outras economias emergentes. Tivemos a maxidesvalorização em 1999 e arrancadas da taxa básica de juro, hoje a Selic. Imagine o esforço da BM&F para testar cenários de risco em que o mercado poderia quebrar. Esses testes foram acompanhados por especialistas de bancos estrangeiros e instituições bilaterais que precisavam ter certeza de que o mercado e o sistema bancário brasileiros eram consistentes, sólidos”, finaliza nosso entrevistado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Efeito reverso

Elon Musk fez piada sobre o Dogecoin na TV aberta — e as cotações desabaram

Elon Musk fez a aguardada participação no SNL no último sábado, fazendo piada sobre si mesmo e falando do Dogecoin — mas a cotação caiu forte

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies