Menu
2019-12-26T17:18:33-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa sobe mais de 1% e chega aos 117 mil pontos; dólar cai a R$ 4,06

Na volta aos negócios depois de dois dias fechada, a bolsa aproveita o clima relativamente tranquilo no exterior para buscar novos recordes. O dólar à vista teve mais um dia de alívio

26 de dezembro de 2019
10:12 - atualizado às 17:18
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Na volta aos negócios depois de dois dias fechada, o Ibovespa aproveita o clima relativamente tranquilo no exterior para continuar avançando. Os investidores até ensaiaram embolsar parte dos lucros recentes, mas, após uma abertura em queda nesta quinta-feira (26), o índice rapidamente voltou ao campo positivo.

Por volta das 17h10, o Ibovespa avançava 1,07%, aos 117.107,52 pontos — é a primeira vez que o índice rompe a marca dos 117 mil pontos. Lá fora, o Dow Jones (+0,16%), o S&P 500 (+0,30%) e o Nasdaq (+0,59%) também sobem.

A calmaria também foi vista no mercado de câmbio: o dólar à vista fechou em queda de 0,49%, a R$ 4,0615; no exterior, a moeda americana perdeu terreno em escala global, tanto em relação às divisas fortes quanto as de países emergentes.

Todo esse otimismo na reta final do ano tem como pano de fundo o alívio no front da guerra comercial. Como é sabido, EUA e China fecharam a primeira fase de um acordo mais amplo, mas ainda não há uma previsão oficial para a assinatura dos termos.

Só que as sinalizações recentes de ambas as partes dão a entender que a conclusão dos trâmites será rápida. O presidente americano, Donald Trump, disse que o acerto já está pronto, e que ele e o presidente chinês, Xi Jinping, farão uma cerimônia oficial para a assinatura do acordo — evento projetado para a primeira metade de janeiro.

Nesse cenário, os agentes financeiros continuam mostrando-se bastante confortáveis para assumir riscos — o que dá forças tanto ao Ibovespa quanto às bolsas americanas, que também estão perto das máximas históricas. Vale ressaltar, no entanto, que o pregão de hoje tem um baixo volume de negociações, o que pode trazer instabilidade às operações.

Aqui no Brasil, os dados da confiança do comércio divulgados hoje pela Fundação Getulio Vargas (FGV) confirmam a expectativa de recuperação da economia, ainda que a percepção de cautela continue. Em dezembro, indicador subiu 0,3 ponto, para 98,1 pontos.

"Apesar da melhora da percepção dos empresários sobre o ritmo de vendas no momento presente, empresários se mostram cautelosos com a sustentabilidade da recuperação do setor nos próximos meses", informou em nota a FGV.

Alívio no dólar e nos juros

Esse pano de fundo mais otimista em relação à guerra comercial resulta numa mudança de postura no mercado de câmbio: com a perspectiva de menores atritos entre Washington e Pequim, os investidores saem da segurança do dólar e se expõem a ativos mais arriscados, como as moedas de países emergentes.

Considerando essa lógica, divisas como o peso mexicano, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno se valorizam ante o dólar, fazendo companhia ao real — no grupo dos ativos emergentes, apenas o rublo russo perde terreno.

A baixa do dólar à vista nesta quinta-feira acabou influenciando o mercado de juros futuros: as curvas terminaram em queda, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,62% para 4,58%;
  • Janeiro/2023: de 5,92% para 5,86%;
  • Janeiro/2025: de 6,57% para 6,51%;
  • Janeiro/2027: de 6,90% para 6,85%.

Commodities em alta

No exterior, o dia também foi de ganhos no mercado de commodities: o petróleo Brent subiu 0,91% e o WTI avançou 0,93% — o que, consequentemente, dá forças aos papéis da Petrobras: as ações ON (PETR3) têm ganho de 0,80% e as PNs (PETR4) valorizam 1,38%.

A perspectiva de aquecimento da economia chinesa a partir do acerto comercial com os EUA ajuda os papéis de empresas exportadoras de commodities, como siderúrgicas, mineradoras e papeleiras.

É o caso de Vale ON (VALE3), em alta de 0,51% e Gerdau PN (GGBR4), com valorização de 1,49%. No setor de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) avança 1,80%.

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa:

  • Qualicorp ON (QUAL3): +4,26%
  • Cogna ON (COGN3): +3,84%
  • Localiza ON (RENT3): +3,50%
  • Multiplan ON (MULT3): +3,30%
  • Marfrig ON (MRFG3): +3,09%

Confira também as maiores quedas do índice:

  • Eletrobras ON (ELET3): -1,84%
  • Natura ON (NTCO3): -0,80%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): -0,63%
  • B3 ON (B3SA3): -0,32%
  • Yduqs ON (YDUQ3): -0,16%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

socorro emergencial a estados

Tesouro regulamenta securitização de dívidas garantidas pela União

A Secretaria do Tesouro Nacional publicou no Diário Oficial da União (DOU) os requisitos que Estados, Distrito Federal e municípios devem atender para a reestruturação de dívidas garantidas pela União para fins de securitização

mas houve queda na base anual

Mercado de capitais registra melhora em julho e captações somam R$ 34 bilhões

Mas na comparação com junho de 2019, quando a Anbima havia registrado R$ 60 bilhões em captações no mercado de capitais, a queda ainda é de 43%

ideias do paletta

O rugido do leão: Aaai, meus dividendos…

Possível taxação sobre proventos possui pontos positivos e negativos: veja agora como ela te impacta

Uma pra lá, outra pra cá

Rede de farmácias D1000 estreia com tombo de 7% na B3; Quero-Quero sobe

Ambas as empresas foram listadas no Novo Mercado, segmento com os mais elevados padrões de governança corporativa da B3; IPOs movimentaram mais de R$ 2 bilhões

reduzindo custos

Na crise, empresas migram para galpões

Pequenos lojistas de shopping center e distribuidores de produtos de moda, por exemplo, encontraram uma forma mais barata e prática para economizar nesse momento difícil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements