Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-28T13:23:39-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Juros tabelados

Lucro dos bancos pode cair até R$ 6 bilhões com mudança no cheque especial; Santander cobra maior taxa

Número parece grande, mas impacto é menor do que parece, segundo os analistas do Credit Suisse, que fizeram os cálculos sobre as potenciais perdas para os bancos

28 de novembro de 2019
12:42 - atualizado às 13:23
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O lucro dos bancos pode cair até R$ 6 bilhões com a decisão do governo de estabelecer o limite de até 8% ao mês para os juros cobrados nas linhas do cheque especial. Os cálculos são do Credit Suisse.

Considerando apenas os quatro grandes bancos listados em bolsa – Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil – o impacto pode chegar a R$ 3,4 bilhões no pior cenário. Esse valor representaria uma queda de 3,6% no lucro de 2020.

As ações dos bancos, que já vêm com um desempenho ruim nas últimas semanas, reagem em queda à medida anunciada ontem à noite pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Por volta das 12h10, os papéis do Itaú (ITUB4) recuavam 0,95% e os do Bradesco (BBDC4) eram negociados em baixa de 1,31%. As ações do Banco do Brasil (BBAS3) caíam 0,36% e as do Santander, 0,91%.

O número de até R$ 6 bilhões pode assustar à primeira vista, mas para o Credit Suisse o impacto é bem menor do que parece. "A redução nas receitas pode ser parcialmente compensada pela possibilidade de os bancos agora cobrarem tarifas nos limites pré-aprovados", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

Em um cenário em que os bancos venham a cobrar tarifas dos clientes com limite acima de R$ 500, a redução no lucro dos bancos seria de "apenas" R$ 2,1 bilhões, e a conta dos quatro grandes ficaria em R$ 1,2 bilhão.

Mesmo que não consigam cobrar pelo limite do cheque especial, os bancos ainda podem diminuir a alocação de capital para compensar a perda da receita com a limitação dos juros. Nesse caso, a queda no lucro ficaria em pouco mais de 1,4 bilhão para Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander, segundo o Credit Suisse.

"Acreditamos que a nova regulação é mais justa, porque reduz a carga para os clientes de baixa renda, ao mesmo tempo em que permite aos bancos cobrarem taxas de clientes com limites de crédito aprovados mais altos, o que também é mais alinhado às práticas internacionais", afirmaram os analistas.

Santander cobra mais caro

Os cinco maiores bancos brasileiros cobram hoje taxas de juros nas linhas de cheque especial acima do limite de 8% ao mês estabelecido pelo CMN. Em alguns casos bem acima.

Considerando apenas os cinco grandes, o Santander é o líder desse ranking nem um pouco honroso, com uma taxa de 14,82% ao mês, equivalente a 425,03% ao ano, de acordo com dados do Banco Central.

O Bradesco aparece em segundo, com 12,63% ao mês (316,75% ao ano), seguido pelo Itaú, cuja taxa é de 12,47% ao mês e 309,88% ao ano.

As taxas das três instituições ficam acima da praticada pela média do sistema financeiro em outubro, de 12,4% ao mês (306,9% ao ano), também segundo o BC.

Os bancos públicos se saem um pouco melhor. O Banco do Brasil cobra juros de 12,11% ao mês (294,15% ao ano) no cheque especial.

Antes da decisão do governo de limitar as taxas, a Caixa decidiu cortar os juros no cheque especial a 4,99% ao mês. Mas os dados do BC – que se referem ao período de 7 a 13 de novembro – ainda não captaram esse movimento e apontam que a taxa cobrada pelo banco está em 9,39% ao mês (193,59% ao ano).

Vale lembrar que o efeito nos resultados vai depender não só da taxa de juros como do volume de recursos na linha nos balanços. Os bancos não abrem especificamente o saldo de financiamentos concedidos no cheque especial.

Eu procurei os bancos e a Febraban, mas nenhum deles se pronunciou até o momento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies