Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-07T14:49:10-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Casamento

Banco do Brasil e UBS dizem que união formará negócio maior que soma das partes

Como não podia ser diferente, o objetivo dos bancos é alcançar a liderança nas operações realizadas no mercado de capitais no mercado brasileiro

7 de novembro de 2019
14:49
Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, e Sylvia Coutinho, responsável pelo UBS no país
Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, e Sylvia Coutinho, responsável pelo UBS no país - Imagem: Vinícius Pinheiro/Seu Dinheiro

A combinação das operações do Banco do Brasil com o suíço UBS nas áreas de banco de investimentos e corretora de valores formará um negócio maior do que a soma de cada uma das partes individualmente.

A promessa foi feita por executivos dos dois bancos, que comentaram a associação em uma entrevista coletiva realizada na manhã de hoje.

Para fazer essa conta na qual 1 + 1 será maior do que 2 fechar, os bancos apostam na união da força do Banco do Brasil no mercado brasileiro com a experiência global do UBS.

Como não podia ser diferente, o objetivo dos bancos é alcançar a liderança nas operações realizadas no mercado de capitais, como a coordenação de ofertas de ações e títulos de dívida, como debêntures e bônus no exterior, além de negócios de fusões e aquisições.

"Essa combinação é única no mercado brasileiro e traz uma proposta de valor bastante diferenciada", afirmou Sylvia Coutinho, responsável pelas operações do banco suíço no Brasil.

Até a aprovação do casamento pelos órgãos reguladores, que deve levar de seis a nove meses, as instituições seguem operando de forma independente, mas devem avançar no que for possível para agilizar a combinação, segundo a executiva.

"Existe uma complementaridade óbvia entre as nossas aptidões e as do UBS", disse Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil.

O BB já conta com atuação no mercado de capitais, inclusive com uma participação maior do que o UBS – exceto em negócios de fusões e aquisições.

Eu diria até que a associação seria de pouca serventia para o banco brasileiro, não fosse o ganho de agilidade ao levar um negócio altamente competitivo como o de banco de investimentos para fora das amarras de uma empresa pública.

"Essa parceria é um movimento muito claro no caminho da privatização", disse Novaes, cuja posição favorável à venda da participação da União no BB à iniciativa privada é conhecida.

Os executivos não falaram em projeções de receita da joint venture, cujo nome ainda não foi definido. Eu pedi para os bancos me enviarem as comissões geradas nos nove primeiros meses deste ano, para ter uma ideia do tamanho que esse negócio teria hoje. Assim que recebê-las eu atualizo este texto.

O potencial do mercado, porém, é inegável. As captações de recursos pelas empresas brasileiras no mercado de capitais doméstico e externo atingiram R$ 335,1 bilhões nos nove primeiros meses de 2019, alta de 42% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Anbima.

Varejo fora

Junto com os negócios de banco de investimento e pesquisa, a corretora do UBS entrará no negócio com o BB. A associação, porém, terá como foco apenas os clientes institucionais. Ou seja, não resolve um velho problema do Banco do Brasil, que é a falta de uma corretora própria para atuar com os clientes de varejo.

Mas o vice-presidente de negócios de atacado do BB, Márcio Hamilton, disse que o atual modelo de atuação do banco, que conta com um "pool" de corretoras em seu home broker, atende bem os clientes e deve continuar assim.

As operações de gestão de fundos de investimento e fortunas também ficaram de fora da associação.

O Banco do Brasil tem planos de selar um casamento na área de fundos com outro parceiro estrangeiro, que tenha uma atuação complementar à do banco e escala internacional, segundo o presidente do BB. O negócio, porém, só deve sair no ano que vem.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies