Menu
2019-11-01T17:21:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sinais vindos de fora

Superávit da balança comercial em outubro é o menor para o mês desde 2014

Saldo positivo de US$ 1,206 bilhão é 79,2% menor do que o registrado em outubro do ano passado

1 de novembro de 2019
16:01 - atualizado às 17:21
porto-santos
Imagem: Shutterstock

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,206 bilhão em outubro , de acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia. O valor é 79,2% menor do que o registrado em outubro do ano passado e é o menor valor registrado para meses de outubro desde 2014.

No mês passado, as exportações somaram US$ 18,231 bilhões, uma queda de 20,4% ante outubro de 2018. Já as importações chegaram a US$ 17,025 bilhões, uma alta de 1,1% na mesma comparação.

De janeiro a outubro, o superávit comercial soma US$ 34,823 bilhões, saldo 26,7% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Na quarta semana de outubro (21 a 27), o saldo comercial foi de um superávit de US$ 585 milhões. Já na quinta semana (28 a 31), o resultado foi positivo em R$ 193 milhões.

No mês, houve uma queda nas vendas de produtos manufaturados (-26,5%), semimanufaturados (-20,6%) e básicos (-15,3%). Entre os manufaturados, houve queda principalmente nas exportações de máquinas e aparelhos para terraplanagem (-48%), automóveis de passageiros (-41,8%), polímeros plásticos (-32,1%) e suco de laranja não congelado (29,8%).

Pelo lado das importações, houve alta nas compras de bens intermediários (9,3%), de capital (7,5%), enquanto caíram as importações de combustíveis e lubrificantes (- 29,2%) e bens de consumo (-8,9%).

Petróleo bruto puxa queda

A queda de 20% nas exportações em outubro foi motivada principalmente pelo recuo nas vendas de petróleo bruto, aço semimanufaturado, soja em grão, automóveis de passageiros e minério de ferro. Juntos, esses cinco produtos responderam por mais de 55% do recuo.

Houve redução de US$ 1,6 bilhão nas vendas de petróleo em bruto, reflexo das cotações internacionais e baixo crescimento da produção brasileira. Houve recuou ainda de US$ 449 milhões em aço semimanufaturado e de US$ 294 milhões em soja em grão.

No caso dos automóveis, o recuo foi de US$ 139 milhões, causado pela crise da Argentina, onde a economia deve encolher 3% neste ano.

Por outro lado, houve crescimento nas exportações de produtos como milho, carne bovina, algodão e carne suína no mês de outubro.

Apesar do recuo nas exportações e do pior saldo comercial em cinco anos registrado em outubro, o subsecretário de Inteligência e Estatísticas da Secretaria de Comércio Exterior, Herlon Brandão, disse que o mês de outubro veio em linha com as previsões do órgão.

No ano, a expectativa é de um recuo de 7,1% nas exportações e de um saldo de R$ 41,8 bilhões.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

um viral que vale US$ 90 bi

Confira os 5 fatos que estão fazendo o Dogecoin subir (de novo) e passar a valer mais que a Petrobras

Valendo US$ 0,68 por unidade, o DOGE ficou próximo dos US$ 90 bilhões em valor de mercado

depois do gpa

Ações de Assaí ganham novo impulso após lucro da empresa dobrar; veja o que dizem os analistas

Lucro foi de R$ 240 milhões no primeiro trimestre, um pouco acima do esperado; mercado fala que há espaço para papéis subirem mais até o final do ano

Contribuintes atentos

Economia pede a Bolsonaro que vete o adiamento de prazo do Imposto de Renda para julho

A pasta argumenta que o novo adiamento impactaria a arrecadação da União e dos governos federais e poderia impedir até mesmo o pagamento de programas sociais de combate à pandemia

RADIO CASH

‘O centrão vai fazer o Bolsonaro sangrar e a esquerda trabalhar para ele. Isso é diabólico’, diz o economista Eduardo Giannetti

Em entrevista exclusiva ao podcast RadioCash, o economista opina sobre a conjuntura da CPI da Covid, eleições de 2022 e o impacto da política monetária global, confira:

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies