Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-07T19:03:31-03:00
Estadão Conteúdo
Nos ares

A Azul fechou o trimestre no vermelho, mas seu balanço também trouxe dados positivos

Contrariando a tendência recente, a Azul reportou um prejuízo líquido de R$ 438 milhões no terceiro trimestre deste ano, negativamente impactada pela variação cambial

7 de novembro de 2019
10:11 - atualizado às 19:03
Azul
Imagem: Divulgação

Ao abrir o balanço da Azul no terceiro trimestre deste ano, um número imediatamente chama a atenção: o prejuízo líquido de R$ 438 milhões, um salto em relação às perdas de R$ 47,8 milhões contabilizadas no mesmo período de 2018. Além disso, a companhia aérea vinha de dois trimestres com lucro — o que aconteceu?

Antes de cravar que os números da empresa foram decepcionantes, é preciso olhar com lupa cada uma das linhas do balanço. Em primeiro lugar, é preciso ressaltar que essa prejuízo se deve, em grande parte, às variações cambiais no trimestre — se esse efeito fosse desconsiderado, a Azul teria reportado um lucro líquido de R$ 441,4 milhões.

Mas, como o 'se' não tem espaço nos balanços financeiros e no mundo dos investimentos, é importante entender melhor os motivos que levaram a companhia a registrar perdas tão expressivas em função das oscilações do dólar — e se, de fato, o desempenho da Azul foi bom ou não, excluindo esse efeito.

Tomemos como referência o dólar à vista. Em primeiro de julho, a moeda americana aparecia na faixa de R$ 3,84, mas, em 30 de setembro, era cotada a R$ 4,15 — um salto de mais de 8%. E essa desvalorização do real impactou especialmente o resultado financeiro líquido da Azul.

A linha ficou negativa em R$ 1,028 bilhão entre julho e setembro, uma perda 88,7% maior que a reportada no mesmo período do ano passado — grande parte em função do aumento da dívida denominada em moeda estrangeira. Esse resultado não impacta o caixa e tem efeitos apenas contábeis, mas, mesmo assim, não deve ser desprezado.

Dito isso, vamos às demais informações financeiras da Azul. No terceiro trimestre, a companhia aérea reportou um crescimento de 25,5% em sua receita líquida, totalizando R$ 3,03 bilhões. Por outro lado, os custos e despesas operacionais também subiram num ritmo elevado: 24,2%, para R$ 2,47 bilhões.

Mas fato é que a receita ainda cresceu mais que os custos totais. Assim, o resultado operacional da Azul avançou 31,4% em um ano, chegando à cifra de R$ 559,3 milhões — a margem operacional subiu 0,8 ponto, para 18,5%. Tanto o resultado operacional quanto a margem são métricas muito acompanhadas pelos analistas do mercado aéreo, e a expansão mostrada no trimestre é um sinal de saúde da empresa.

E os dados operacionais?

Do ponto de vista das operações, a Azul reportou um crescimento de 26,1% na oferta de assentos no terceiro trimestre desse ano, enquanto a demanda cresceu 29,3%. Assim, a taxa de ocupação das aeronaves da companhia chegou a 84,3% entre julho e setembro — há um ano, estava em 83,7%.

A receita operacional por assento teve uma leve baixa de 0,5% em um ano, para 31,20 centavos, mas os custos por assento caíram num ritmo mais elevado, de 1,5%, para 25,44 centavos.

Dívida em alta

Do ponto de vista do endividamento, a Azul encerrou o mês de setembro com R$ 13,28 bilhões em dívida bruta, cifra 9,6% maior que a reportada ao fim de junho — desse montante, R$ 11,6 bilhões possuem vencimento apenas no longo prazo.

Considerando a posição de caixa atual da companhia aérea, de R$ 2,94 bilhões, a dívida líquida da empresa totalizava R$ 10,33 bilhões, um avanço de 11,1% na comparação com o trimestre anterior. A alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda nos últimos 12 meses, chegou a 3,3 vezes — em junho, era de 3,1 vezes.

Ações em leve baixa

Considerando tudo isso, as ações PN da Azul (AZUL4) não se afastaram muito da estabilidade durante a manhã desta quinta-feira (7), mas ganharam força ao longo da tarde. No fim da sessão, os papéis eram cotados a R$ 52,49, uma alta de 1,47%.

Assim, as ações da Azul acompanharam o Ibovespa: o índice terminou o dia em alta de 1,13%, aos 109.580,57 pontos — um novo recorde intradiário. Confira aqui nossa cobertura completa de mercados nesta quinta-feira.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies