Menu
2019-04-06T08:51:32-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Disputa aérea

Credores da Avianca aprovam plano de recuperação com separação em sete partes

O aval dos credores da companhia aérea à nova proposta coloca Gol e Latam na disputa e deve dar fim às pretensões da Azul de ficar com os ativos mais valiosos da Avianca

6 de abril de 2019
8:00 - atualizado às 8:51
Avianca Brasil
Plano de recuperação judicial foi aprovado por 80% dos credores - Imagem: shutterstock

Depois de uma longa assembleia que se arrastou até a noite de ontem (5), os credores da Avianca decidiram aprovar o plano de recuperação judicial da companhia aérea.

A proposta prevê a divisão dos ativos da Avianca em sete estruturas chamadas de Unidades Produtivas Isoladas (UPIs). Seis delas contêm os direitos de uso dos horários de pouso e decolagem nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont, os chamados "slots", e uma delas terá os ativos referentes ao sistema de milhagem da Avianca, o programa Amigo.

Ao todo, o plano teve a adesão de 80% dos credores da empresa. Em nota, a Avianca afirma que essas sete UPIs serão leiloadas em data ainda a ser marcada.

O aval à nova proposta deve dar fim às pretensões da Azul de ficar com os ativos mais valiosos da companhia, incluindo os horários de pouso e decolagem nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont.

Em março, a Azul havia oferecido US$ 105 milhões para ficar com os ativos da Avianca e estava sozinha no páreo. Mas, com a mudança no plano de recuperação acertada pelo fundo Elliot, um dos principais credores da companhia, a Gol e a Latam entraram na disputa e se comprometeram a dar um lance de pelo menos US$ 70 milhões por uma das unidades.

Em entrevista ao Seu Dinheiro, o presidente da Latam, Jerome Cadier, negou que tenha entrado na briga apenas para atrapalhar os planos da rival. Mas o presidente da Azul, John Rodgerson, disse que a intenção das concorrentes ao avançarem sobre a Avianca é impedir que a empresa cresça no aeroporto de Congonhas (SP).

Quem também se manifestou sobre a disputa pela empresa foi o Cade. Para o órgão, existem riscos à concorrência caso os ativos da Avianca sejam comprados por qualquer empresa que já atue no setor aéreo brasileiro. A preocupação é maior dos técnicos do Cade é se a compra for feita pela Gol ou pela Latam.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Reflexos da pandemia

Com coronavírus, lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º tri, para R$ 12,5 milhões

Operadora de shopping centers viu queda nas vendas, na receita líquida e no Ebitda com fechamento da maioria das lojas no fim de março por conta da pandemia

Atualização do Ministério da Saúde

Brasil tem 391.222 casos confirmados e 24.512 mortes pelo coronavírus

Segundo Ministério da Saúde, 158.593 pacientes foram recuperados

Projeto de ajuda a Estados

Bolsonaro diz não poder mais socorrer Estados e insiste na reabertura da economia

“Nós não podemos continuar socorrendo Estados e municípios que devem no meu entender de forma racional começar a abrir o mercado”, afirmou

seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão. Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma […]

Condição para socorro financeiro

MP que concede reajuste salarial a policiais e bombeiros no DF é publicada

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve sancionar o projeto de socorro a Estados e municípios até amanhã; edição de medida provisória era uma das condições para a sanção

Energia elétrica

Aneel retira de pauta reajuste da Cemig e prorroga vigência de tarifas atuais

Com isso, as tarifas atuais serão prorrogadas até 30 de junho

Pessimismo aumenta

IIF passa a prever que PIB do Brasil terá contração de 6,9% em 2020

Em relatório divulgado nesta terça-feira, 26, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o País

Mais alívio no câmbio

R$ 5,35: com uma ajuda do exterior, o dólar zerou os ganhos no mês e virou para queda

O clima tranquilo visto nos mercados globais abriu espaço para mais uma queda no dólar à vista — a sexta nas últimas sete sessões. Com isso, a moeda americana voltou aos níveis do fim de abril, afastando-se cada vez mais do patamar dos R$ 6,00

Títulos públicos

Tesouro Direto tem emissão líquida recorde de R$ 1,57 bilhão em abril

Com a emissão recorde, o estoque do programa fechou abril em R$ 60,24 bilhões, um aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões)

Em meio à pandemia

56,6 milhões de brasileiros já receberam auxílio emergencial, diz Caixa

Todos receberam o pagamento da primeira parcela do benefício, no valor total de R$ 39,9 bilhões, enquanto 44,2 milhões de brasileiros também já receberam a segunda parcela, em um total de R$ 30,9 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements