Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-06T08:51:32-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Disputa aérea

Credores da Avianca aprovam plano de recuperação com separação em sete partes

O aval dos credores da companhia aérea à nova proposta coloca Gol e Latam na disputa e deve dar fim às pretensões da Azul de ficar com os ativos mais valiosos da Avianca

6 de abril de 2019
8:00 - atualizado às 8:51
Avianca Brasil
Plano de recuperação judicial foi aprovado por 80% dos credores - Imagem: shutterstock

Depois de uma longa assembleia que se arrastou até a noite de ontem (5), os credores da Avianca decidiram aprovar o plano de recuperação judicial da companhia aérea.

A proposta prevê a divisão dos ativos da Avianca em sete estruturas chamadas de Unidades Produtivas Isoladas (UPIs). Seis delas contêm os direitos de uso dos horários de pouso e decolagem nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont, os chamados "slots", e uma delas terá os ativos referentes ao sistema de milhagem da Avianca, o programa Amigo.

Ao todo, o plano teve a adesão de 80% dos credores da empresa. Em nota, a Avianca afirma que essas sete UPIs serão leiloadas em data ainda a ser marcada.

O aval à nova proposta deve dar fim às pretensões da Azul de ficar com os ativos mais valiosos da companhia, incluindo os horários de pouso e decolagem nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont.

Em março, a Azul havia oferecido US$ 105 milhões para ficar com os ativos da Avianca e estava sozinha no páreo. Mas, com a mudança no plano de recuperação acertada pelo fundo Elliot, um dos principais credores da companhia, a Gol e a Latam entraram na disputa e se comprometeram a dar um lance de pelo menos US$ 70 milhões por uma das unidades.

Em entrevista ao Seu Dinheiro, o presidente da Latam, Jerome Cadier, negou que tenha entrado na briga apenas para atrapalhar os planos da rival. Mas o presidente da Azul, John Rodgerson, disse que a intenção das concorrentes ao avançarem sobre a Avianca é impedir que a empresa cresça no aeroporto de Congonhas (SP).

Quem também se manifestou sobre a disputa pela empresa foi o Cade. Para o órgão, existem riscos à concorrência caso os ativos da Avianca sejam comprados por qualquer empresa que já atue no setor aéreo brasileiro. A preocupação é maior dos técnicos do Cade é se a compra for feita pela Gol ou pela Latam.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Polêmica

Reserva de emergência e aplicações de curto prazo: CDB 100% do CDI pode ser melhor que Tesouro Selic?

Com a Selic mais alta, vale a pena voltar a discutir qual a opção ideal para a reserva de emergência; e, nesse sentido, os CDBs que pagam 100% do CDI com liquidez diária podem sim ser uma boa pedida

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies