Menu
2019-09-13T17:57:06-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho nos papéis

Como o novo serviço da Apple pode impactar negativamente as receitas da companhia, na visão do Goldman Sachs

Para os analistas do banco, o motivo é que o preço médio de venda dos iPhones poderia diminuir, por conta da oferta de um ano grátis da Apple TV+ anunciada na última terça-feira (10)

13 de setembro de 2019
17:38 - atualizado às 17:57
apple iphone

Apesar de uma boa parte dos assinantes de streaming de vídeos ter gostado das novidades apresentadas pela Apple (código APPL), nem todo mundo ficou muito feliz com algumas notícias.

Na opinião dos analistas do banco Goldman Sachs, a opção de oferecer um ano grátis da Apple TV+ a quem comprar o iPhone pode custar caro para a companhia.

Em relatório divulgado hoje (13), os especialistas do banco optaram por abaixar o preço-alvo das ações em 26%, de US$ 187 para US$ 165. As informações são do site Business Insider.

Para os analistas do banco, o motivo é que o preço médio de venda dos iPhones poderia diminuir, por conta da oferta de um ano grátis da Apple TV+ anunciada nesta terça-feira (10). O serviço custaria US$ 4,99 por mês, ou seja, por volta de US$ 60 dólares por ano.

Por exemplo, como o preço de venda do iPhone 11 Pro é US$ 1,000, com o desconto do novo serviço da Apple de US$ 60, o preço para o consumidor seria em torno de US$ 943 e o pacote da Apple TV+ sairia por volta de US$ 56.

Impacto nas margens e receita

De acordo com os analistas, isso poderia impactar bastante as margens futuras do iPhone nos próximos trimestres. Isso ocorreria especialmente porque a queda nos preços do produto não seria acompanhada por uma diminuição nos custos de produção.

Apesar de uma provável contribuição de 25% que os serviços de TV acrescentariam à margem bruta da empresa, os especialistas estimam que a queda na receita no segmento de produto deve resultar "num impacto negativo no resultado por ação de 16%". Isso durante o primeiro trimestre fiscal de 2020.

Ainda que o banco tenha mantido a recomendação neutra para os papéis da companhia, as ações foram impactadas durante o dia.

No fechamento do pregão de hoje (13) na Nasdaq, os papéis terminaram o dia com queda de 1,94%, em US$ 218,75.

Números da companhia

Mesmo depois de passar por tempos difíceis marcados pelo acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, os papéis da Apple (código AAPL) apresentam valorização de 39,70% no ano.

E, ao contrário do que apontavam as projeções para o balanço da Apple, a empresa capitaneada por Tim Cook reportou um conjunto de números relativamente sólido no segundo trimestre. 

Na ocasião, a queda nas vendas de iPhones foi compensada por um aumento nas receitas geradas com iPads, iMacs e serviços, e as perdas na China não foram tão grandes quanto o imaginado.

A receita líquida da Apple chegou a US$ 53,8 bilhões no trimestre encerrado em junho, cifra 1% maior que a contabilizada no mesmo período de 2018, de US$ 53,3 bilhões. O resultado ficou ligeiramente acima da média das estimativas de analistas consultados pela Bloomberg, que apontava para receita de US$ 53,35 bilhões.

Por outro lado, o lucro líquido da empresa da maçã caiu 12,8% na mesma base de comparação, para US$ 10,04 bilhões. O lucro por ação, métrica que é acompanhada mais de perto pelos analistas lá de fora, ficou em US$ 2,18 — abaixo dos US$ 2,34 vistos há um ano.

Mas, apesar da queda na comparação anual, o lucro por ação ainda ficou acima das projeções dos analistas, que esperavam um ganho de US$ 2,10, também de acordo com a média calculada pela Bloomberg.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

NOVIDADES À VISTA

Guedes diz que Brasil vai liberar compras de governo a estrangeiros

“O Brasil está querendo entrar para primeira liga, para primeira divisão de melhores práticas. Isso realmente é um ataque frontal à corrupção”, argumentou

BNDES NO RADAR

Bolsonaro diz que ‘caixa-preta’ do BNDES já foi aberta e evita comentar auditoria

“A caixa-preta já foi aberta, bilhões gastos em outros países”, disse o presidente. Em seguida, encerrou a coletiva de imprensa sem responder outras perguntas

DE OLHO NA LIBERDADE FINANCEIRA

Você pode ser rico em 2030

Eu adoro fazer planos e traçar cenários futuros. Gosto de ler teses sobre como serão profissões, cidades e tecnologias nos próximos dez anos.  Eu também gosto de “brincar” com uma calculadora HP 12c e simular quanto o meu dinheiro (e o dos outros) pode render no futuro nos diferentes cenários. O mais legal dessas simulações […]

mas por enquanto sem detalhes

Para OMC, mecanismo de disputa vai ter que mudar para lidar com novas condições

Diretor-geral da instituição defendeu a importância do livre-comércio em detrimento do protecionismo, e negou que esse sistema provoque desigualdades sociais

números do setor

Vendas e compras de aço da rede de distribuição sobem em dezembro, diz Inda

Levantamento inclui os dados de seus associados e incluem chapas grossas, laminados a quente, laminados a frio, chapas zincadas, chapas eletro-galvanizadas, chapas pré-pintadas e galvalume

direito de Abu Dabi

De olho em entretenimento, fundo Mubadala vai disputar Ibirapuera

Fundo avalia participar, por meio de sua empresa IMM, da licitação de investimento que não deve sair por menos de US$ 100 milhões

vale a pena?

O potencial das ações de Tim, Vivo e Oi, segundo este banco suíço

Em relatório, analistas do Credit Suisse comentam suas perspectivas para as empresas, que passam por situações distintas

Exile on Wall Street

De médico, louco e economista, todo mundo tem um pouco

No mercado, não tem muito segredo nem maldade, só um pragmatismo que às vezes assusta mesmo: em linhas gerais, quem quer aplicar (poupar) empresta dinheiro a quem quer empreender

tema de campanha

BNDES gasta R$ 48 milhões para abrir caixa-preta, mas não acha irregularidades

A “caixa-preta” foi um dos temas dominantes na campanha de Bolsonaro. Para muitos apoiadores do presidente, a sua abertura teria potencial para apontar malfeitos maiores do que os descobertos pela Operação Lava Jato na Petrobras

Em Davos

Secretário do Tesouro americano diz que economia mundial não foi comprometida por guerra comercial

Segundo Mnuchin, as projeções para o avanço do PIB dos Estados Unidos em 2020 são “muito baixas” e os recentes acordos comerciais fechados pelo país devem ajudar a impulsionar o crescimento econômico

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements