Menu
2019-09-10T18:22:05-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Batalha árdua

A Amazon quer conquistar o Brasil. Mas, antes, terá que derrotar Magazine Luiza e B2W

A Amazon lançou hoje o serviço de assinatura Prime no Brasil, dando um passo importante para aumentar a presença no e-commerce do país. Mas a companhia criada por Jeff Bezos não terá caminho fácil: Magazine Luiza e B2W estão bem consolidadas nesse setor e serão páreo duro na disputa

10 de setembro de 2019
15:35 - atualizado às 18:22
Game of Thrones – B2W – Amazon – Mercado Livre – Magazine Luiza
A Amazon deu mais um passo para aumentar a presença no mercado brasileiro, batendo de frente com Magazine Luiza, B2W e Mercado LivreImagem: Montagem Andrei Morais / Youtube

No Game of Thrones do e-commerce no Brasil, três casas pareciam emergir como as mais fortes candidatas a ocupar o Trono de Ferro: o Magazine Luiza, a B2W e o Mercado Livre. Mas um antigo competidor, que parecia mais interessado em conquistar outros reinos, deu um sinal de vida: a Amazon quer dominar o mapa — e começou a mexer suas tropas.

O conglomerado comandado por Jeff Bezos já está no país há tempos: a empresa chegou ao mercado brasileiro em 2012, dedicando-se apenas à venda de livros eletrônicos. Mas, pouco a pouco, a companhia foi ganhando escala e, silenciosamente, adquirindo experiência.

Num segundo momento, a Amazon começou a comercializar também livros físicos, até que, em 2017, entrou de vez na briga pelo e-commerce, entrando nos demais segmentos do varejo. Mas, perto das demais dinastias do país, que já estavam batalhando há tempos pelo trono, a empresa americana era apenas coadjuvante na disputa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Só que, nesta terça-feira (10), o exército da Amazon mostrou que não pretende ficar neutro nesta batalha. A companhia lançou hoje seu serviço de assinatura Prime no Brasil — e o pacote oferecido pela gigante americana é bastante agressivo.

Por R$ 9,90 mensais (ou R$ 89 por ano), o novo serviço oferece frete grátis ilimitado em todo o país para milhares de produtos, além de prazo máximo de 48 horas para entrega em mais de 90 municípios. A assinatura ainda inclui acesso a filmes, músicas, livros e revistas digitais na plataforma da Amazon.

O anúncio provocou uma onda de choque em Westeros — quer dizer, no setor de varejo digital. As ações das principais empresas desse segmento operam em queda firme desde ontem, em meio à percepção de que o novo passo da Amazon representa uma ameaça à hegemonia das empresas brasileiras no e-commerce.

Magazine Luiza ON (MGLU3), por exemplo, fechou em baixa de 4,97%, enquanto B2W ON (BTOW3) caiu 4,83% e Via Varejo ON (VVAR3) recuou 3,28%, os três piores desempenhos do Ibovespa nesta terça-feira — confira aqui a cobertura completa dos mercados. No acumulado do mês, essas três ações já caem mais de 11%.

Por volta de 14h35 desta terça-feira, B2W ON (BTOW3) operava em baixa de 6,78%, Magazine Luiza ON (MGLU3) caía 6,29% e Via Varejo ON (VVAR3) recuava 4,56%, os três piores desempenhos do Ibovespa — confira aqui a cobertura completa dos mercados. No acumulado do mês, essas três ações já caem mais de 10%.

Mas as tropas de Bezos conseguirão dominar o e-commerce brasileiro com tanta facilidade assim? Bom, eu entrei em contato com alguns estrategistas de guerra — analistas e gestores que acompanham de perto o setor de varejo —, e eles me disseram que, embora a Amazon tenha artilharia pesada, a guerra está longe de terminar.

Batalha árdua

Um primeiro ponto levantado pelos especialistas é o preço bastante competitivo oferecido pela Amazon: um combo que inclui conteúdo digital e entrega grátis por R$ 9,90 por mês é muito atrativo — e pode ameaçar, inclusive, a Netflix, que oferece planos que começam em R$ 21,90 por mês.

"A ideia da Amazon é vir aos poucos, montando operações, testando e aprendendo. O consumidor brasileiro tem uma cultura diferente do americano, então eles estão optando por manter essa estratégia de pequenos passos e consolidação gradual", diz um analista de uma grande instituição financeira, que prefere não ser identificado.

É importante lembrar que a Amazon falhou ao tentar conquistar o enorme mercado chinês, sendo derrotada pelo Alibaba e outras empresas locais. Entre os diversos motivos que explicam o insucesso da companhia no gigante asiático, está a falta de adaptação às preferências dos consumidores locais, que nunca desenvolveram uma relação de fidelização com a marca americana.

Assim, a Amazon tem calculado cada passo no campo de guerra no Brasil, sem querer apressar os movimentos e correr o risco de ser novamente derrotada. E, embora o analista acredite que a entrada em peso da empresa americana represente um risco à Magazine Luiza e B2W, ele também pondera que essa estratégia mais lenta deu uma vantagem competitiva às companhias locais.

"Nos últimos anos, os players domésticos investiram muito em aumento de tráfego de clientes, na parte estrutural de serviços e no ganho de agilidade. São diversos pequenos fatores que, com o tempo, consolidaram cada vez mais a base de clientes, tornando-os fiéis. E essa é uma dificuldade que a Amazon pode encontrar aqui".

Em relatório, o BTG Pactual segue linha semelhante. Os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi lembram que a B2W já disponibiliza, desde 2015, um serviço semelhante ao Prime da Amazon — a companhia oferece frete grátis em mais de 2.500 cidades por um valor de R$ 79 ao mês.

Os especialistas do BTG ponderam que, apesar de não ser possível descartar a possibilidade de a estratégia da Amazon ter sucesso no Brasil, é importante ressaltar que os players locais — Magazine Luiza, B2W e Mercado Livre — são bastante competitivos.

"Essas empresas estiveram focadas em aumentar o tráfego e melhorar outros pontos em seus sites, ao mesmo tempo em que desenvolveram experiências premium aos usuários, criando um ciclo virtuoso no setor de e-commerce".

Ganhadores e perdedores

Um gestor de uma asset em São Paulo acredita que, entre as varejistas online com capital aberto no Brasil, o Magazine Luiza é a mais ameaçada com a movimentação da Amazon, uma vez que, entre as competidoras do e-commerce brasileiro, ela é a mais dependente do crescimento do mercado online.

No segundo trimestre deste ano, o Magzine Luiza reportou vendas totais de R$ 5,7 bilhões, um crescimento de 24,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Desse montante, o e-commerce responde por 41,5% — entre abril e junho de 2018, essa fatia era de apenas 33%.

O gestor pondera que, por esse critério, a B2W seria a segunda mais afetada, seguida por Lojas Americanas e, por último, a Via Varejo. O Mercado Livre não possui capital aberto no país, mas, nos Estados Unidos, as ações da companhia recuaram 3,85% hoje.

"A discussão é sempre em relação à magnitude do impacto real nas operações de cada empresa", diz o gestor. "O ponto de pressão é a competição em vendas".

Por outro lado, o sócio da gestora Alaska, Henrique Bredda, mostra-se cético quanto ao potencial de crescimento da Amazon neste momento. Via Twitter, ele analisou que as novidades anunciadas pela companhia americana não trazem grandes ameaças ao Magazine Luiza, classificando a reação das ações como "barulho".

E a Via Varejo? No momento, a empresa parece ter ficado para trás na competição pelo e-commerce brasileiro. "Ela ficou muitos anos estacionada. Magazine Luiza e B2W se consolidaram nos últimos anos e desenvolveram mais valor no omnichannel, mais focadas no e-commerce. A Via Varejo tem um 'lag' muito grande para recuperar".

Trono valioso

E por que o domínio do e-commerce no Brasil é tão disputado? A resposta é simples: somente no primeiro semestre deste ano, o varejo digital faturou R$ 26,4 bilhões, um crescimento de 12% em relação ao mesmo período de 2018, de acordo com dados da Nielsen.

A consultoria ainda destaca que, em meio à instabilidade econômica, ao crescimento ainda moderado do PIB e aos altos níveis de desemprego vistos nos primeiros seis meses de 2019, a expectativa é a de que a segunda metade deste ano seja melhor que a primeira.

De acordo com a Nielsen, o e-commerce do país deve fechar o ano com vendas de R$ 59,8 bilhões, cifra 12% maior que a contabilizada em 2018, de R$ 53,2 bilhões.

Por ora, é impossível dizer se a nova cartada da companhia de Jeff Bezos se reverterá num ganho relevante de mercado. No entanto, Magazine Luiza, B2W e Mercado Livre, as três principais competidoras pelo trono até agora, têm motivos para ficarem alerta.

Com o lançamento do serviço Prime, "Amazon is coming".

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

CONFIRMADA

Oi confirma venda de participação na angolana Unitel por R$ 1 bilhão

O montante corresponde a venda de 25% da participação que detém na angolana e engloba também os dividendos que a Oi tem o direito de receber, mas que estavam retidos até então

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements