Menu
2019-10-14T14:10:50-03:00
Estadão Conteúdo
Ampliando o negócio

Amazon estuda abrir novos centros de distribuição no Brasil

Diretoria da empresa no Brasil diz que a experiência obtida com o CD de Cajamar já mostrou necessidade de ampliação da capacidade

29 de agosto de 2019
16:04 - atualizado às 14:10
Placa de loja da Amazon
Imagem: Shutterstock

Após inaugurar um Centro de Distribuição de 47 mil metros quadrados em Cajamar, na Grande São Paulo, em janeiro, a Amazon já estuda expandir o espaço ou até abrir novos pontos em outras cidades do País. De acordo com o diretor de Varejo da Amazon no Brasil, Daniel Mazini, a experiência obtida com o CD de Cajamar já mostrou necessidade de ampliação da capacidade.

"Foi a capacidade que a gente achou que era suficiente para esse primeiro momento. A gente está aprendendo desde já que talvez essa capacidade não seja suficiente. Temos a opção de ampliar o próprio CD ou ir para outros. Estamos analisando", disse Mazini em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Os dados obtidos com os primeiros meses de operação do CD de Cajamar possibilitaram à Amazon analisar onde o cliente está e, com isso, definir com mais assertividade os locais de abertura de CDs futuros. Mazini não revelou quais cidades estão sendo cogitadas.

Até o momento, já são mais de 200 mil produtos vendidos e entregues pela Amazon Brasil distribuídos em mais de 20 categorias, entre livros, esportes e casa e jardim.

A expansão da operação no Brasil também atraiu revendedores, os chamados "sellers", que utilizam o marketplace da Amazon para fazer negócio. Sem citar um número exato, Mazini contabiliza dezenas de milhares de fornecedores e empresas na plataforma da americana no Brasil. O número mundial chega a 2 milhões.

"Tem dois tipos: as grandes empresas, como Mobly, e os menores. Desde que a gente anunciou nossa expansão em varejo, em janeiro, o crescimento dos sellers aumentou demais. Estamos muito animados", afirmou Mazini.

A título de comparação, entre as concorrentes da Amazon com capital aberto no Brasil, a B2W possui mais de 30 mil revendedores em seu marketplace. Já o Magazine Luiza anunciou em seu último balanço trimestral que ultrapassou 8 mil revendedores, enquanto a Via Varejo chegou a 4,5 mil.

Correios

Questionado sobre possível interesse da empresa nos Correios diante do anúncio de intenção do governo federal de privatizar a empresa estatal, Mazini disse apenas que não comenta rumores. O executivo afirmou que os Correios são parceiros da Amazon e que a empresa também tem contratos com outras oito transportadoras no Brasil. "Não temos nada para anunciar", afirmou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

privatizações na agenda

Guedes diz que é preciso privatizar os Correios ‘antes que o ativo se deteriore’

Ministro classificou como importante a rede de entregas da estatal; ele justificou demora em desestatizações e reiterou que auxílio emergencial acaba no final do ano

Tudo normal?

Maioria das empresas está otimista para vendas na Black Friday, diz Boa Vista

Cerca de 66% das empresas acreditam que as vendas da Black Friday em 2020 serão iguais ou superiores às de 2019.

DINHEIRO NO BOLSO

BB Investimentos muda carteira de dividendos após resultados do 3º trimestre

Analistas avaliam que retomada da economia fomenta a expectativa de melhores resultados, resultando no maior pagamento de proventos

homem negro espancado

Carrefour tomba 6% e lidera quedas do Ibovespa após protestos e pedidos de boicote pela morte de João Alberto de Freitas

Homem negro foi assassinado por dois seguranças de um estabelecimento da rede de supermercados em Porto Alegre. Ato gerou pedidos de boicotes por artistas e usuários de redes sociais, além de manifestações em frente e dentro de lojas do Carrefour

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies