Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-05T18:18:11-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa bate novo recorde e fecha acima dos 104 mil pontos; alta foi de 3,09% na semana

Ainda embalada pelo avanço da reforma da Previdência no Congresso, bolsa fecha em alta, na contramão do exterior; dólar, no entanto, também subiu, com expectativa de queda de juros menor nos EUA

5 de julho de 2019
10:56 - atualizado às 18:18
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Lá fora, bolsas caíram com dados fortes de emprego nos Estados Unidos. - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa bateu um novo recorde de fechamento nesta sexta-feira (05), contrariando os mercados internacionais. O índice terminou o pregão com alta de 0,44%, aos 104.089 pontos, depois de ter chegado aos 104.175 pontos na máxima do dia, novo recorde intradia. Com isso, o índice termina a primeira semana de junho com valorização de nada menos de 3,09%.

Pela manhã, parecia até que a massa polar que chegou a São Paulo havia esfriado o clima na bolsa. O Ibovespa começou o dia em queda, com a realização de lucros depois do forte ganho de ontem e as quedas nas bolsas internacionais.

Mas o sinal virou na parte da tarde. Apesar da falta de novidades no noticiário local e da persistência do clima negativo lá fora, os investidores continuaram surfando a onda de animação com a aprovação da reforma da Previdência na Comissão Especial na tarde de ontem.

A afirmação do presidente da Câmara Rodrigo Maia há pouco, de que começaria a trabalhar amanhã para aprovar a reforma no Plenário da Câmara na semana que vem, animou os mercados.

Segundo Maia, para não haver risco de derrota, é preciso haver ao menos entre 495 e 500 deputados na votação. A reforma precisa ser aprovada por 308 deles. O presidente da Câmara disse ainda que o abrandamento da regra de aposentadoria para policiais da União é a que tem mais chance de causar polêmica na votação e também desidratação da proposta.

Dólar se fortaleceu com dados fortes de emprego nos EUA

O dólar teve uma valorização global nesta sexta, em reação aos dados do mercado de trabalho americano (payroll) de junho, que mostraram a geração de mais vagas de emprego do que o esperado. O dólar à vista fechou em alta de 0,49%, a R$ 3,8181, mas acumula queda na semana de 0,58%.

O payroll indicou a criação de 224 mil empregos em junho. O resultado veio bem acima da mediana da previsão de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, de geração de 160 mil vagas, o que deu ao mercado a percepção de que a economia americana segue forte e pode não precisar de tantos estímulos.

Com isso, o mercado espera um fluxo menor de recursos para países emergentes e reduziu as apostas num corte de juros de 0,5 ponto percentual pelo Fed, o banco central americano. As apostas num corte mais brando, de 0,25 ponto percentual já na próxima reunião, aumentaram. Também reapareceram as expectativas de uma possível manutenção dos juros.

O payroll, no entanto, também trouxe alguns dados ruins, como a alta da taxa de desemprego de 3,6% para 3,7% em junho (contrariando a previsão de manutenção da taxa), a revisão para baixo dos resultados anteriores e a desaceleração, pelo sexto mês seguido, do salário médio por hora.

Os juros futuros de longo prazo acompanharam o avanço mundial do dólar e fecharam em alta. O DI para janeiro de 2023 ficou estável em 6,48%, enquanto o DI para janeiro de 2025 subiu de 6,98% para 7,03%.

Já os juros curtos fecharam em queda, em meio ao aumento nas apostas de queda da Selic a partir de julho. O DI com vencimento em janeiro de 2020 caiu de 5,871% para 5,835%, enquanto o DI com vencimento em janeiro de 2021 recuou de 5,718% para 5,670%.

Ainda em reação ao payroll, as bolsas americanas fecharam em baixa, com a redução da perspectiva de cortes mais fortes nos juros, enquanto as taxas dos títulos do Tesouro americano subiram. O Dow Jones terminou o dia em queda de 0,15%, aos 26.924 pontos; o S&P500 caiu 0,18%, aos 2.990 pontos; e o Nasdaq recuou 0,10%, aos 8.161 pontos.

As bolsas europeias fecharam em queda, em virtude de dados industriais negativos na Alemanha, que vieram abaixo do esperado pelos analistas consultados pelo "The Wall Street Journal", e também das expectativas de cortes menores nos juros americanos.

Decolando

As ações da Gol (GOLL4) tiveram a maior alta do Ibovespa nesta sexta, apesar da alta do dólar, que tende a prejudicar as companhias aéreas. Os papéis valorizaram 6,23% no pregão de hoje, acumulando alta de 24% na semana. As ações da Azul (AZUL4) tiveram a terceira maior alta, fechando com ganho de 3,64%.

Ambas as companhias divulgaram dados operacionais positivos e se beneficiam da redução da oferta total no setor aéreo por parte da Avianca.

Na última quarta-feira (3), um relatório publicado pelo Goldman Sachs apontou que a Gol tende a ser a maior beneficiada com o encerramento das operações da Avianca Brasil e, com isso, elevou a recomendação para os papéis da empresa para compra.

Outra que também está entre as maiores altas é a JBS (JBSS3), que ganhou 3,45% nesta sexta. Segundo analistas, a companhia é uma das mais bem posicionadas para se beneficiar da venda de carne suína para a China, que sofre com a peste suína africana.

De olho no minério de ferro

As maiores perdas do dia estiveram do lado das mineradoras. Os papéis da Bradespar (BRAP4) - importante acionista da Vale - e da própria Vale (VALE3) registraram as maiores baixas do Ibovespa, com desvalorização de 2,74% e 2,54%, respectivamente. As ações da CSN (CSNA3) também estiveram entre as maiores perdas, com queda de 1,30%.

A razão é que o maior grupo siderúrgico da China foi até o governo local para pedir que ele controlasse o preço do minério de ferro depois de os custos alcançarem o maior nível em cinco anos por conta de uma redução na oferta, segundo informações da Bloomberg.

De acordo com o serviço de notícias, a China Iron and Steel Association (CISA, na sigla em inglês) está "relatando problemas na indústria para os ministérios do governo e reguladores, pedindo uma investigação e supervisão mais rigorosa para manter a ordem normal do mercado de minério de ferro", conforme disse o vice-presidente da associação, Qu Xiuli.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, na China recuou 5,92% nesta sexta-feira, cotado a US$ 114,81 a tonelada.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Rumo ao topo

Após compra da Extrafarma, veja as armas da Pague Menos (PGMN3) na luta pela liderança do varejo farmacêutico

Além dos planos de inaugurar 200 lojas entre 2020 e 2021, a empresa quer aumentar a sua fatia nas vendas online e por telefone

FECHAMENTO DA SEMANA

Desaceleração chinesa preocupa, alta do IOF desagrada e o Ibovespa acumula queda de 2,5% na semana; dólar avança

Decisão de aumentar o IOF de forma temporária não agradou o mercado e o Ibovespa voltou a operar em queda firme

Mercado desaprovou

Allied Tecnologia (ALLD3) desaba mais de 10% após revelar que estuda oferta restrita de ações

Vale lembrar que a empresa estreou na B3 em abril deste ano, após um IPO que movimentou cerca de R$ 190 milhões

MAU HUMOR DÁ O TOM

5 razões por que o Ibovespa não para de cair

Problemas fiscais e tensão internacional geram incertezas e refletem em um Ibovespa cada vez mais próximo dos 100 mil pontos

Petróleo digital

Petrobras (PETR4) inaugura centro de computação em nuvem; tecnologia vai acelerar digitalização da estatal

A adoção gradativa da computação em nuvem também será realizada com a parceria das empresas Amazon e Microsoft

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies