Menu
2019-07-18T18:22:44-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

18 de julho de 2019
16:19 - atualizado às 18:22
Prédios em construção
Imagem: Shutterstock

Depois de ver os seus ativos dispararem no começo deste mês, as ações da Tecnisa (TCSA3) sofreram um revés e terminaram o pregão desta quinta-feira (18), com queda de mais de 9%.

A razão é porque ontem (17) foi anunciado que o preço por ação ficou em R$1,10 na oferta subsequente (follow-on) de distribuição primária que a empresa fará.

O ponto é que como os papéis estavam sendo negociados na bolsa por volta de R$ 1,43, o mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações.

Em outras palavras, pelo fato do preço atual estar acima do valor estabelecido no follow-on isso pode ter gerado um movimento vendedor.

Follow-on

Como explicou o Victor Aguiar, a Tecnisa passa por uma situação incômoda. Ao fim do primeiro trimestre deste ano, por exemplo, a construtora tinha apenas R$ 102 milhões em caixa — cifra inferior ao total de dívidas com vencimento até o fim de 2019, de R$ 113 milhões.

A ideia de fazer uma oferta subsequente de ações de distribuição primária era parte do plano para reforçar o caixa e trazer alívio às suas métricas de endividamento.

De acordo com as informações divulgadas ontem (17), serão emitidas 405 milhões de novas ações ordinárias (ON). Com isso, a empresa arrecadou R$445,5 milhões e o capital social da companhia passará a ser de R$ 1.868.315.630,00, dividido em 736.192.307 ações ordinárias.

Oferta para um "clubinho"

Mas a oferta não será para qualquer tipo de investidor. Segundo a Instrução CVM 476, as empresas podem realizar ofertas com esforços restritos.

Nesse caso, apenas um grupo de, no máximo, 50 investidores profissionais poderá subscrever ou comprar os novos ativos.

Geralmente, a preferência por esse tipo de emissão está relacionada ao custo mais baixo e agilidade, já que não é preciso fazer prospecto (documento que deve conter todas as informações sobre o investimento, como o risco, perspectivas da empresa etc) e não exige registro na CVM.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

na agenda

Questões sobre MP da privatização da Eletrobras serão decididas nesta quarta, diz Pacheco

Senado deve discutir inclusive os requerimentos de impugnação de jabutis – como são chamados as emendas com temas estranhos à proposta original

seu dinheiro na sua noite

De carona no trem das commodities

Quando falamos em ações que se beneficiam da reabertura da economia pós-covid, logo se destacam os papéis de empresas ligadas à produção de commodities. Quem vem apostando nesses ativos neste ano está se dando bem. Mas é bem verdade que a “tese da reabertura” já está em andamento. Para quem perdeu esse trem, ainda dá […]

aquisição via controlada

Ambipar compra 100% da Ecológica Nordeste

Negócio está em linha com seu plano estratégico de crescimento, com captura de sinergias e potencial maximização das margens e retorno, diz a empresa

denúncia da fup

Médicos da Petrobras receitam remédio sem eficácia a funcionários com covid-19

A estatal segue o comportamento do governo federal, que liderado pelo presidente Jair Bolsonaro, defende o tratamento precoce do covid-19 via medicamentos não aceitos pela OMS

fique de olho

Tesouro divulga cronograma dos leilões de títulos do 3º trimestre

No caso das Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F), a instituição deixará de ofertar o papel com prazo de referência de oito anos (1/1/2029)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies