🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Hakuna Matata

Os críticos não gostaram muito do novo Rei Leão. Mas, para os mercados, a Disney segue com cinco estrelas

Com O Rei Leão, a Disney emplacou um sexto sucesso de bilheteria somente em 2019, apesar das críticas mornas ao novo filme. E o mercado mostra-se cada vez mais confiante em relação à empresa

Victor Aguiar
Victor Aguiar
22 de julho de 2019
16:42 - atualizado às 18:47
Cena de O Rei Leão (2019)
Cena de O Rei Leão (2019) - Imagem: Divulgação/Disney

Os acionistas da Disney começaram a segunda-feira (22) cantarolando uma antiga canção:

Os seus problemas você deve esquecer!

Isso é viver, é aprender!

Hakuna Matata!

Afinal, a nova versão de O Rei Leão chegou a quase todos os cinemas do mundo neste fim de semana. E, apesar da recepção morna dos críticos, o filme foi um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de US$ 500 milhões em termos globais — desse montante, US$ 185 milhões foram obtidos somente nos Estados Unidos e no Canadá.

Mas as boas notícias para a casa do Mickey não terminam por aí. Também neste fim de semana, Vingadores: Ultimato — outro arrasa-quarteirão lançado pela Disney  em 2019 — chegou à liderança do ranking dos filmes com a maior bilheteria global na história, ultrapassando Avatar, de 2009.

Após 13 semanas em exibição, a conclusão da saga da Marvel já arrecadou quase US$ 2,8 bilhões no mundo todo, sendo mais de US$ 850 milhões apenas nos cinemas americanos e canadenses. E, como resultado de mais uma semana de dominação das bilheterias, as ações da companhia fecharam em alta nesta segunda.

Ao fim do dia, os papéis da Disney (DIS) subiram 0,71% em Nova York, cotados a US$ 140,84 — não muito distantes da máxima histórica, a US$ 145,13. Com o desempenho do momento, os papéis já acumulam ganhos de cerca de 29% em 2019.

Ações da Disney em 2019
Ações da Disney em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro

Tudo que o sol toca é o nosso reino

O ano tem sido especialmente marcante para a divisão de cinema da Disney e suas subsidiárias — um grupo que inclui Marvel, Pixar, LucasFilm e 21st Century Fox, apenas para citar algumas. Duvida? Basta ver o ranking das maiores bilheterias no ano.

Segundo o site Box Office Mojo, os seis filmes de maior arrecadação nos cinemas dos Estados Unidos e do Canadá em 2019 pertencem à Disney. A lista, encabeçada por Vingadores: Ultimato, ainda inclui Capitã Marvel, Toy Story 4, Aladdin, Homem-Aranha: Longe de Casa e O Rei Leão, nesta ordem.

Somadas, as bilheterias desses seis longas-metragem nesse mercado já soma US$ 2,5 bilhões — ou 38% da arrecadação de todos os filmes que estiveram em cartaz neste ano.

Top 10 de bilheteria nos EUA e Canadá
Top 10 de bilheteria nos EUA e Canadá - Imagem: Seu Dinheiro / Box Office Mojo

Os principais longas-metragem da Disney parecem não ser impactados pela crítica especializada. O site Rotten Tomatoes, um compilador de avaliações, atribui nota 53% à nova versão de O Rei Leão — ou seja: dos mais de 300 textos analisando a película, quase a metade não gostou do resultado.

Outro sucesso de bilheteria da companhia, a refilmagem de Aladdin, também está longe de ser unanimidade — das 340 críticas cadastradas no Rotten Tomatoes, apenas 56% avaliaram positivamente o remake da história. No entanto, nem todos os sucessos da Disney são fracassos de crítica. Vingadores: Ultimato possui 94% de aprovação, enquanto Toy Story 4 tem 98% de avaliações positivas.

E quem pensa que a Disney já gastou todos os seus cartuchos em 2019 está enganado: ainda em 2019, a empresa pretende lançar ao menos mais dois arrasa-quarteirões: a sequência de Frozen e Star Wars: A Ascensão Skywalker, nono episódio da franquia Guerra nas Estrelas.

Para quem é fã dos filmes de super-herói, a Marvel já possui um cronograma de lançamentos até 2021. Nos próximos anos, chegarão às telas os longas-metragem próprios da Viúva Negra e do Gavião Arqueiro, além de novas entradas nas séries Thor, Capitão América e Doutor Estranho.

O que eu quero mais é ser rei

O novo sucesso obtido com O Rei Leão, somado aos planos ambiciosos da empresa para os próximos anos, cria ainda mais expectativa em relação à Disney+, projeto on-demand que será lançado ainda em 2019 pela companhia. O objetivo da casa do Mickey é simples: destronar a Netflix na arena dos serviços de streaming digital.

Ao longo da última década, a Disney criou um impressionante conglomerado de entretenimento. Incluindo seus próprios conteúdos e os produzidos por suas subsidiárias, o serviço de streaming contará com um leque de opções que vai de Star Wars ao Pato Donald; do Homem de Ferro a Pequena Sereia; de Monstros S.A. ao Planeta dos Macacos.

A percepção de que a Disney vem com tudo para estender seu domínio das telas de cinema aos serviços de streaming tem sido um importante fator de valorização para as suas ações. Afinal, a empresa mostra-se focada em cumprir seu plano — e tem dado passos para garantir a sustentabilidade de seu modelo no longo prazo.

E a sombra gerada pela Disney já começa a ser sentida pela Netflix: a empresa reportou na semana passada seus resultados trimestrais — e viu sua base de assinantes crescer bem menos que o projetado no período. Com isso, as ações da Netflix (NFLX) acumulam três sessões em queda e já aparecem abaixo perto do nível de US$ 310 — patamar que não era visto desde janeiro.

Para os concorrentes da Disney, tempos difíceis parecem estar por vir. Mas, para os acionistas da casa do Mickey, há apenas duas palavras: Hakuna Matata.

Ações da Netflix em 2019
Ações da Netflix em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar