🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2019-07-30T11:16:45-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Carne fresca

O hambúrguer vegano da Beyond Meat vendeu como nunca no trimestre. Mas o mercado queria mais

Produtora de hambúrgueres de origem vegetal que simulam carne bovina ou suína, a Beyond Meat viu sua receita quase quadruplicar no trimestre. Mas a empresa segue dando prejuízo

29 de julho de 2019
20:02 - atualizado às 11:16
Hambúrguer vegano da Beyond Meat
Hambúrgueres veganos da Beyond Meat são vendidos em supermercados e já fazem parte do menu de restaurantes nos Estados UnidosImagem: Shutterstock

A Beyond Meat chegou aos mercados fazendo um estardalhaço — e, ao falar em mercados, eu me refiro tanto às redes de supermercados e restaurantes quanto às mesas de operação em Wall Street. Afinal, em ambos os casos, o hambúrguer vegano (sim, isso mesmo) da empresa tem feito um enorme sucesso.

A premissa da companhia é simples, porém ousada: produzir carne de origem vegetal, mas que possua sabor e textura semelhantes às da carne bovina ou suína — e que, inclusive, "sangrem" caso você prefira uma refeição mal passada. Uma ideia que soaria como insanidade há alguns anos, mas que tem feito sucesso na dieta dos agentes financeiros.

Para quem tem dúvidas, basta ver o desempenho das ações da empresa (BYND): os papéis começaram a ser negociados em Nova York no dia 2 de maio, ao preço inicial de US$ 25. Nesta segunda-feira (29), os ativos da Beyond Meat já valiam US$ 222,13 — uma valorização de 788% em pouco menos de três meses.

Todo esse otimismo se deve à percepção de que os produtos da Beyond Meat possuem um enorme potencial de ganho de mercado, uma vez que, ao tentar simular o gosto da carne bovina ou suína, a empresa pode conquistar consumidores que não necessariamente são veganos.

Em meio à forte valorização dos papéis da empresa e à demanda crescente pelo hambúrguer da companhia — recentemente, as redes de fast food Carl's Jr. e Dunkin' fecharam acordos para usar a carne da Beyond Meat em alguns lanches —, o mercado aguardava ansiosamente pelo balanço trimestral da empresa.

Os números referentes ao período entre abril e junho deste ano foram divulgados no início da noite desta segunda-feira (29). E quem apostava num banquete de carne vegetal, se deu bem: a empresa viu sua receita líquida quase quadruplicar em um ano. Mas, apesar disso, os agentes financeiros não saíram totalmente satisfeitos do jantar.

Tanto é que, nesta terça-feira (30), as ações da companhia operavam em forte baixa de 13,65% por volta de 10h55 (horário de Brasília), negociadas a US$ 191,94. Mesmo com a queda expressiva, os ativos da Beyond Meat ainda acumulam ganhos de 667% desde o IPO.

Desempenho das ações da Beyond Meat desde o IPO
Desempenho das ações da Beyond Meat desde o IPO - Imagem: Seu Dinheiro

Menu degustação

Quem entrou na fila da inauguração dessa nova unidade da Beyond Meat — foi o primeiro balanço trimestral desde que a companhia abriu seu capital —, pode escolher diversas opções para comer. Alguns agradaram o paladar dos agentes financeiros, mas outras tiveram gosto de carne queimada.

Um dos combos que fez mais sucesso foi o da receita líquida: a empresa encerrou o trimestre com vendas de US$ 67,3 milhões, uma alta de 287,2% em relação aos US$ 17,4 milhões contabilizados há um ano. O resultado ficou acima da média das estimativas de analistas ouvidos pela Bloomberg, que apontava para receita de US$ 52,7 milhões.

Os acompanhamentos desse lanche também foram elogiados pelo mercado: as vendas dos hambúrgueres e outros produtos veganos da Beyond Meat deram um salto tanto nos supermercados e lojas de varejo (US$ 34,1 milhões, ganho de 192% na base anual) quanto nos restaurantes (US$ 33,1 milhões, avanço de 483%).

O combo número dois também esteve entre os preferidos do mercado. Tendo em vista o crescimento forte das receitas, a Beyond Meat elevou suas projeções para o ano de 2019. A companhia agora prevê receitas de US$ 240 milhões neste ano — a estimativa anterior era de US$ 210 milhões. No primeiro semestre, as vendas da empresa somaram US$ 107,5 milhões.

Caso confirmada, a receita projetada de US$ 240 milhões para o ano representa um crescimento de 170% em relação ao resultado apurado em 2018.

Indigestão

Já o combo número três, o do resultado líquido, não foi tão bem avaliado. Apesar do salto nas receitas, a Beyond Meat segue no vermelho: o prejuízo entre abril e junho desse ano chegou a US$ 9,4 milhões, acima das perdas de US$ 7,4 milhões vistas no mesmo período de 2018.

Com esse resultado, a empresa teve um prejuízo por ação de US$ 0,24 no trimestre — bem menor que a perda de US$ 1,22 contabilizada há um ano, uma vez que, de lá para cá, a Beyond Meat abriu se capital e emitiu papéis, o que dilui essa métrica.

É claro que a companhia ainda está em fase de crescimento e, assim, prejuízos não são de todo inesperados. Mas o ponto é que os analistas esperavam por uma perda menor: a média das estimativas da Bloomberg indicava um prejuízo por ação de US$ 0,09.

O que explica esse prejuízo ainda acima do esperado pelo mercado? Bom, apesar de a receita líquida ter crescido de maneira expressiva, os custos da Beyond Meat também deram um salto, e em magnitude ligeiramente maior que as vendas. Assim, a linha final do balanço continuou sangrando — como carne real.

Por fim, o combo número quatro também caiu mal no estômago dos mercados. Junto do balanço, a empresa informou que irá fazer uma oferta subsequente de 3,25 milhões de papéis — alguns dos acionistas que participaram do IPO, em maio, irão se desfazer seus papéis em bolsa e aproveitar os ganhos contabilizados desde então.

Ao todo, 3 milhões de ações serão vendidas por acionistas-chave, enquanto outros 250 mil papéis serão ofertados pela própria companhia — o preço ainda não foi definido. Segundo a Beyond Meat, os recursos a serem obtidos com a operação serão utilizados para continuar a aumentar a capacidade de produção e fornecimento da empresa, entre outros pontos.

Vai um hambúrguer?

Com essa impressionante valorização das ações desde o IPO, é inevitável fazer a pergunta: ainda dá tempo de comprar as ações da Beyond Meat? Ainda há espaço para as ações continuarem subindo?

Os analistas mostram-se cautelosos quanto às perspectivas para os papéis. Com a disparada tão intensa e num período de tempo tão curto, as ações da Beyond Meat não possuem nenhuma recomendação de compra — seis analistas atribuem classificação neutra aos ativos, e apenas um diz que é hora de vender, de acordo com a Bloomberg.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Conteúdo Empiricus

Enquanto varejistas famosas como MGLU3 caem 30% no ano, ‘ação da Gisele Bündchen’ sobe 10% e pode valorizar mais 50%

28 de setembro de 2022 - 10:05

Varejista é a maior da América Latina dentro do seu segmento

UM GANCHO DE ESQUERDA

Com Bancos Centrais de olho no bitcoin (BTC), maior criptomoeda do mundo cai 6% antes de falas de Jerome Powell hoje; entenda

28 de setembro de 2022 - 9:53

Entenda por que você deveria acompanhar as falas de Jerome Powell, Christine Lagarde e outros presidentes de BCs do mundo

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: O terror sem fim das bolsas internacionais

28 de setembro de 2022 - 9:32

Bolsas globais caem para o patamar mais baixo em dois anos, refletindo as taxas de juros mais elevadas, que intensificaram os temores de uma recessão global

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa fica instável e descola de Nova York; dólar cai

28 de setembro de 2022 - 9:04

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam em tom negativo nesta quarta-feira (28). Os investidores seguem com maior cautela com a expectativa de recessão global no radar. Nos EUA, os discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed), dentre eles o do presidente Jerome Powell, devem continuar influenciando as bolsas americanas. Com a agenda esvaziada no […]

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O efeito do abraço de urso: a volta dos IPOs na B3, dividendos milionários, inverno cripto e outras notícias que mexem com seus investimentos

28 de setembro de 2022 - 8:17

A sucessão de baixas dos ativos de risco nos mercados financeiros levou os investidores a uma caça às pechinchas — e cada vez mais analistas consideram que é hora de ir às compras nas bolsas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies