Menu
2019-11-22T16:06:20-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Fundo sustentável

Este robô de investimentos investe em Tesla, Beyond Meat e outras empresas “verdes” para você

Gestora Warren, que monta carteiras de investimento para pessoas físicas com base em inteligência artificial, acaba de lançar fundo de investimento em ações de empresas sustentáveis no Brasil e no exterior

22 de novembro de 2019
13:01 - atualizado às 16:06
Hambúrguer vegano da Beyond Meat
Beyond Meat, uma das empresas do portfólio do fundo, fabrica alimentos de base vegetal que procuram se aproximar do sabor e consistência da carne. Imagem: Shutterstock

O robô de investimentos Warren lançou um novo fundo de ações que vai agradar aos investidores preocupados em não apenas rentabilizar suas economias como também incentivar empresas social e ambientalmente responsáveis.

Trata-se do fundo Warren Green, que investe em ações de empresas que implementam boas práticas sociais, ambientais e de governança, além de ETFs (fundos de índices de mercado) que replicam o desempenho de índices de ações de empresas consideradas sustentáveis, como o Vegan Climate ET.

Vinte por cento do patrimônio do fundo é investido em ações e ETF no exterior, como a fabricante de carros elétricos Tesla, a fabricante de "carne" feita de vegetais Beyond Meat, além de Johnson & Johnson, Microsoft e a varejista on-line Etsy, que comercializa produtos feitos à mão, itens usados e material para artesanato.

Outros 10% são alocados em BDRs (Brazilian Depositary Receipts) recibos de ações estrangeiras negociados na bolsa brasileira. O investimento direto em certos BDRs é restrito a investidores qualificados (com mais de R$ 1 milhão para investir).

O restante (70% do patrimônio) é alocado em ações brasileiras, como Natura, Cielo, TIM, Lojas Renner e Lojas Americanas.

Critérios de seleção dos ativos

Para comporem o portfólio do Warren Green, as ações brasileiras devem compor os índices de sustentabilidade da B3 - Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), Índice de Governança Corporativa (IGC) e Índice Carbono Eficiente (ICO2) - e da própria plataforma, o Índice Warren Green.

Já os ativos estrangeiros precisam ser ETFs sustentáveis ou ações com alta pontuação em Environmental, Social and Governance (ESG) da Reuters.

Como investir no Warren Green

O fundo Warren Green, assim como todos os fundos da Warren, é exclusivo para os clientes da gestora, especializada em montar carteiras diversificadas com fundos próprios de baixo custo para clientes pessoas físicas, com base em inteligência artificial.

Qualquer pessoa pode ser cliente da Warren. Um fundo como esse, portanto, é uma boa oportunidade para investidores pessoas físicas de qualquer porte investirem no exterior com gestão profissional, sem restrições ao tamanho de patrimônio.

Para que o cliente tenha acesso ao Warren Green, é preciso que seu perfil de investidor e objetivo comportem o investimento em fundos de ações com liquidez superior a 17 dias. Em caso positivo, o fundo é incluído automaticamente na sua carteira de renda variável assim que o investidor fizer um novo aporte.

O valor mínimo de aplicação é de R$ 100, e o pagamento do resgate ocorre em 12 dias úteis após a solicitação (D+12). Assim como todos os demais fundos da Warren, o Warren Green não cobra taxa de administração.

Os clientes do robô de investimentos pagam uma taxa única pela gestão dos ativos de 0,5% ao ano, independentemente da quantidade e perfil dos fundos que compõem sua carteira.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements