Menu
2019-10-14T14:30:46-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Notas de otimismo

Com as vendas de vinho em alta, a Concha y Toro agradou o paladar dos mercados

A Concha y Toro reportou crescimento no lucro e na receita no segundo trimestre deste ano. Mas os mercados gostaram mesmo do aumento no volume de vendas de vinho no período

2 de setembro de 2019
16:46 - atualizado às 14:30
Taça de vinho
A Concha y Toro, maior produtora de vinho do Chile, surpreendeu o mercado no segundo trimestre - Imagem: Shutterstock

Nas últimas décadas, o Chile entrou de vez no mapa dos apreciadores de um bom vinho. Hoje, os chilenos são uma força consolidada nesse mundo — e uma das responsáveis por esse sucesso é a Concha y Toro, a maior produtora e exportadora do país.

Só que, num passado recente, a companhia vinha mostrando alguma dificuldade para continuar se expandindo — o volume de vendas de vinho diminuía trimestre a trimestre, o que levantava dúvidas quando à estratégia de longo prazo da gigante chilena. E era nesse cenário preocupante que o mercado aguardava o balanço da empresa.

Mas, ao ver os números consolidados da Concha y Toro no segundo trimestre deste ano, os agentes financeiros tiraram as taças do armário, escolheram um bom vinho do Chile e fizeram um brinde. Afinal, a companhia reportou uma expansão firme em seus resultados, tanto financeiros quanto operacionais.

Entre abril e junho de 2019, a empresa sediada em Santiago obteve uma receita líquida de 165,5 bilhões de pesos chilenos, um crescimento de 9,5% na base anual. O lucro líquido avançou 3,3% na mesma base de comparação, chegando a 13,985 bilhões de pesos.

Já o Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — da Concha y Toro totalizou 27,52 bilhões de pesos chilenos, cifra 35,1% maior que a reportada há um ano. Com isso, a margem Ebitda saltou de 13,5% no segundo trimestre do ano passado para 16,6% entre abril e junho de 2019.

Essas métricas financeiras, por si só, já seriam motivo para comemoração. No entanto, o desempenho operacional da empresa chilena, reportando crescimento no volume de vendas de vinho, foi um motivo a mais para que o mercado tirasse os saca-rolhas das gavetas.

Garrafas e mais garrafas

Ao todo, a Concha y Toro vendeu 81,9 milhões de litros de vinho no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 2% em relação ao mesmo intervalo do ano passado — o volume de vendas da companhia do Chile não aumentava há dois anos. E boa parte dessa retomada se deve ao bom desempenho das exportações e do mercado americano.

As exportações de vinhos para os mercados da Europa, Brasil, México e Cingapura cresceram 3,3% na base anual, chegando a 49,26 milhões de litros, enquanto a comercialização da bebida no território chileno totalizou 18,3 milhões de litros, um aumento de 3% na mesma base de comparação.

Além disso, as vendas no mercado doméstico dos Estados Unidos — que não são contabilizadas entre as exportações, já que a Concha y Toro produz vinho em território americano — chegaram a 9,32 milhões de litros, um avanço de 12,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Por outro lado, o desempenho na Argentina foi mais fraco: no mercado doméstico portenho, as vendas caíram 7,6% em um ano, para 1,16 milhão de litros, enquanto as exportações a partir do território argentino caíram 4,9%, para 963 mil litros.

Além disso, a Concha y Toro ressalta que o mix de vendas no trimestre foi mais favorável, o que ajudou a impulsionar a receita líquida da companhia. "Em linha com nossa nova estratégia comercial, o volume de vendas da nossa marca principal, Casillero del Diablo, aumentou 10,3%", diz a empresa.

Um brinde

Analistas do mercado receberam bem os números da Concha y Toro no trimestre. Em relatório, o BTG Pactual destaca o bom desempenho da companhia nas regiões mais importantes, destacando a expansão sólida no mercado americano.

"Os custos menores e o mix mais favorável geraram uma recuperação importante das margens no trimestre, mas acreditamos que ainda há espaço para evolução no lado das despesas, o que deve gerar ganhos de margem ainda maiores no curto prazo", escrevem os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin.

Também em relatório, o Itaú BBA destaca que a margem Ebitda da gigante do setor de vinhos do Chile ficou 2,9 pontos percentuais acima do projetado pela instituição. "A companhia finalmente começa a cumprir as expectativas quanto à virada nas operações, aguardada pelo mercado desde o fim de 2017", escreve Barbara Angerstein.

O BTG possui recomendação de compra para as ações da empresa, com preço-alvo de 1.800 pesos chilenos, enquanto o Itaú BBA tem classificação market perform (em linha com o mercado) e preço-alvo de 1.490 pesos.

Os papéis da Concha y Toro fecharam em alta de 1,19% na bolsa de Santiago nesta segunda-feira, cotados a 1.413,70 pesos chilenos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Para dirigentes de instituições

CMN estende restrição de dividendos até dezembro de 2020

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu estender até dezembro de 2020 a regra que proíbe o aumento na remuneração de dirigentes de instituições financeiras e a distribuição de dividendos acima do mínimo obrigatório

Campos Neto fala

Para BC, é possível que efeitos do isolamento persistam até metade de 2021

Para Campos Neto, o medo que as pessoas sentem de serem contaminadas fará com que muitos mantenham hábitos adquiridos durante o período de quarentena

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements