Menu
2019-07-22T14:36:43-03:00
Estadão Conteúdo
Novidades à vista

Bunge e BP criam joint venture de açúcar e bioenergia no Brasil

Bunge receberá US$ 775 milhões pela operação, dos quais US$ 700 milhões “relativos à dívida sem recurso da Bunge a ser assumida pela joint venture no fechamento da operação” e US$ 75 milhões da BP

22 de julho de 2019
14:36
shutterstock_1083651095
Imagem: Shutterstock

A Bunge e a BP PLC anunciaram nesta segunda-feira, 22, que chegaram a um acordo para criar uma joint venture de açúcar e bioenergia no Brasil com 50% de participação de cada empresa. A joint venture será chamada de BP Bunge Bioenergia, e vai operar 11 usinas com capacidade de moagem combinada de 32 milhões de toneladas por ano. "A joint venture terá a flexibilidade de produzir um mix de etanol e açúcar", diz o comunicado. Também será possível gerar energia renovável do bagaço de cana-de-açúcar.

A sede da nova companhia deve ser em São Paulo. O CEO será Geovane Consul, da Bunge, e Mario Lindenhayn, da BP, será o "executive chairman". Ambas as companhias terão representação igual no Conselho de Administração.

De acordo com a nota divulgada pela manhã, a Bunge receberá US$ 775 milhões pela operação, dos quais US$ 700 milhões "relativos à dívida sem recurso da Bunge a ser assumida pela joint venture no fechamento da operação" e US$ 75 milhões da BP. Além disso, a Bunge não vai mais consolidar suas operações de açúcar e bioenergia no Brasil em demonstrações financeiras consolidadas.

"Essa parceria com a BP representa um marco importante no processo de otimização de portfólio da Bunge, o qual nos permitirá reduzir nossa atual exposição ao negócio de açúcar e bioenergia, fortalecer nosso balanço patrimonial e focar em nossas principais atividades. Temos na BP um parceiro forte e comprometido, assim como flexibilidade no médio e longo prazos para monetização futura, com potencial de saída total via oferta pública inicial (IPO) ou outra rota estratégica", disse o CEO da Bunge, Gregory Heckman, em nota.

O chefe da BP Alternative Energy, Dev Sanyal, afirmou no comunicado: "biocombustíveis desempenham um papel fundamental na transição energética, e o Brasil é líder no desenvolvimento desse setor em escala. Este importante passo permitirá à BP aumentar significativamente a escala, a eficiência e a flexibilidade de nosso negócio em um dos mercados de biocombustíveis que mais crescem no mundo".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Via rápida

BBM Logística pega um atalho na estrada do IPO e pode captar até R$ 1,6 bilhão

Empresa parananse optou por fazer uma oferta restrita, uma via mais rápida porque dispensa o pedido de registro prévio na CVM

Reforma administrativa

Lira diz ser possível Câmara aprovar reforma administrativa até setembro

Para Lira, o tema deve gerar “discussões acaloradas” porque faz parte da bandeira de alguns partidos da Câmara

Mais empresas

Total de empresas no País subiu 6,1% no pré-pandemia, após 3 anos de fechamento

O total de empresas em atividade subiu a 5,239 milhões, um avanço de 6,1% em relação a 2018, o equivalente a 301.388 negócios a mais

Exile on Wall Street

Rodolfo Amstalden: habilidade emocional e investimentos

Os alunos de medicina da classe de 1992 não aguentavam mais estudar, desde o cursinho, desde que tiveram o azar de nascer em suas tradicionais famílias de doutores. Passaram os primeiros 18 meses da faculdade babando em cima de livros de capa dura. Madrugadas inteiras em modo zumbi, decorando nomes de partes que pareciam não […]

Mercados hoje

Ibovespa opera em alta, mas inflação global segue nos holofotes; dólar recua

Influenciada pelo bom humor internacional, a bolsa brasileira deve acompanhar o ritmo positivo enquanto digere os dados do Relatório Trimestral de Inflação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies