Menu
2019-08-06T18:25:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Acelerando

Ações da Marcopolo sobem forte após balanço mostrar recuperação no mercado doméstico

A evolução na produção e nas vendas de carrocerias no mercado interno deu força ao balanço da Marcopolo no segundo trimestre. Os analistas aprovaram o balanço — e as ações avançam

6 de agosto de 2019
14:49 - atualizado às 18:25
Ônibus com carroceria Marcopolo
Ônibus com carroceria fabricada pela Marcopolo - Imagem: Shutterstock

Marcopolo faz aniversário nesta terça-feira (6): a tradicional companhia sediada em Caxias do Sul está completando exatos 70 anos de vida. E o mercado preparou um presente caprichado: as ações PN da empresa (POMO4) operam em forte alta desde o início do dia, em resposta ao balanço trimestral da fabricante de carrocerias de ônibus.

Em linhas gerais, a Marcopolo entregou um conjunto de resultados que surpreendeu positivamente os analistas. Tanto a receita quanto o lucro líquido superaram as estimativas do mercado, e tudo isso graças ao desempenho bastante forte da empresa no mercado doméstico, especialmente nos segmentos rodoviário e de micro-ônibus.

A força demonstrada pela companhia entre abril e junho deste ano deu sustentação aos papéis da empresa: as ações PN fecharam em alta de 6,56%, a R$ 3,90, após chegarem a avançar 7,65% na máxima, a R$ 3,94; menos líquidos, os ativos ON (POMO3) subiram 2,25%, a R$ 3,63.

Preparando a festa

O convite para os festejos foi entregue no início da noite de segunda-feira (5). O balanço mostrou uma receita líquida de R$ 1,14 bilhão no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 4,6% na base anual. O lucro líquido deu um salto na mesma base de comparação, saindo de R$ 23,3 milhões para R$ 90,9 milhões.

Essa melhoria nos números está diretamente relacionada à recuperação do mercado doméstico. Ao todo, a Marcopolo produziu 4.047 unidades no trimestre, um resultado praticamente estável na comparação anual. Mas, desse total, 2.838 carrocerias foram vendidas no Brasil — um salto de 11,9% em um ano.

A evolução nas atividades locais compensou a queda nas exportações: as vendas ao exterior somaram 607 unidades (-40,9%). Por fim, outras 602 carrocerias foram produzidas e vendidas em outros países, um aumento de 24,9% em um ano.

Considerando tudo isso, o mercado doméstico foi responsável por gerar R$ 625,4 milhões de receita líquida à Marcopolo, um crescimento de 80,5% em relação ao segundo trimestre do ano passado. O mercado externo, por sua vez, respondeu por R$ 516,4 milhões, uma baixa de 30,7% em um ano.

Quanto ao salto visto no lucro líquido, é importante ressaltar que boa parte dos R$ 90,9 milhões contabilizados se deve à evolução no resultado financeiro da empresa: entre abril e junho deste ano, essa linha ficou positiva em R$ 8,9 milhões, enquanto no mesmo intervalo de 2018 foi contabilizada uma baixa de R$ 70,3 milhões.

Essa diferença se explica pelas oscilações do câmbio entre os dois períodos: em relação ao nível visto no segundo trimestre de 2018, o real se valorizou frente o dólar, o que ajudou o resultado da empresa.

Produzindo os enfeites

A produção da Marcopolo também ganhou força no mercado doméstico: foram fabricadas 3.748 carrocerias em território brasileiro no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 5,8% na base anual. Lá fora, contudo, a produção caiu 1,6%, totalizando 554 carrocerias.

Ainda dentro da produção de carrocerias, dois segmentos se destacaram: a divisão de ônibus rodoviários totalizou 1.224 unidades (+29,9%), enquanto a de micro-ônibus respondeu por 726 carrocerias: (+33,7%). Por outro lado, o segmento de ônibus urbanos registrou queda de 20,2% na mesma base de comparação, somando 1.583 unidades.

Com isso, a participação de mercado da Marcopolo na produção de carrocerias para ônibus no Brasil chegou a 52,2% no segundo trimestre deste ano, acima dos 46,3% vistos nos três primeiros meses de 2019, mas abaixo dos 57,5% registrados entre abril e junho de 2018.

O market share no segmento rodoviário saiu de 62,6% nos três primeiros meses do ano para 71,8% no segundo trimestre de 2019; na divisão de micro-ônibus, o salto foi de 57,8% para 67,6%. Já no segmento de ônibus urbano, a participação da Marcopolo caiu de 37% para 36,3%.

Recebendo os convidados

Os analistas que acompanham a Marcopolo reagiram bem ao balanço. Em relatório, o Bradesco BBI destaca que a receita líquida de R$ 1,14 bilhão superou as projeções. A instituição destaca que os preços das carrocerias de ônibus rodoviários e micro-ônibus subiram 25% e 29%, respectivamente — o que, combinado com o aumento na produção, ajudou a impulsionar o resultado da empresa.

"Por outro lado, os preços de ônibus urbanos caíram em 2%, com o market share da Marcopolo recuando no período", escreve o analista Victor Mizuaki, ressaltando que a empresa pode enfrentar competição mais firme da Caio e da Induscar nos segmentos urbano e rodoviário nos próximos trimestres.

O BTG Pactual foi outra casa a elogiar os números da Marcopolo. Os analistas Reato Mimica e Lucas Marquiori também destacaram a retomada das vendas ao mercado doméstico, mas ressaltaram as boas perspectivas com o programa governamental "Caminhos da Escola", que tem como objetivo modernizar e padronizar a frota de veículos escolares no país.

Em mensagem aos acionistas, a Marcopolo afirmou que 826 unidades foram entregues no trimestre no âmbito do "Caminhos da Escola", sendo 31 micro-ônibus. "Uma nova licitação para aquisição de 6.200 unidades
do programa foi confirmada para o próximo dia 12 de agosto", diz a empresa.

Assim, com a expectativa de que o programa continue impulsionando os resultados da empresa, o BTG mostra-se otimista. "Apesar de o terceiro trimestre também sofrer com comparações duras, permanecemos confiantes em nossa tese de recuperação", escrevem Mimica e Marquiori.

Por fim, o Itaú BBA assumiu uma postura menos animada em relação ao balanço. A instituição mostrou-se preocupada com a contração na margem Ebitda, de 9,9% no segundo trimestre do ano passado para 9,2% entre abril e junho deste ano, "principalmente por causa da menor contribuição das exportações".

Apesar disso, as analistas renata Faber, Thais Cascello e Julia Hupperich ainda têm uma visão construtiva para as ações da empresa: elas mantiveram recomendação 'outperform' (acima da média do mercado) para os papéis da Marcopolo e reiteraram o preço-alvo de R$ 5,00 para os papéis.

O BTG e o Bradesco também permaneceram inalterados em suas posturas: o primeiro segue com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 5,50, enquanto o segundo tem classificação neutra para os ativos da Marcopolo, com preço-alvo de R$ 5,00.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies