Menu
2019-04-04T13:55:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Road Show

Paulo Guedes cancela viagem à Europa

Por recomendação médica, futuro ministro da Economia não participará de eventos com investidores

3 de dezembro de 2018
14:59 - atualizado às 13:55
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou sua participação no evento “Grandes desafios da América Ibérica", organizado em Madri pela Fundación Internacional para la Libertad, presidida pelo escritor Mário Vargas Llosa.

Segundo a assessoria de imprensa, Guedes está com febre alta, resultante de uma infecção viral nas vias respiratórias. Assim, a recomendação médica foi de repouso absoluto e desaconselhou viagens de avião nesta semana. O que pode deixar o ministro também longe do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde acontecem as reuniões do governo de transição neste semana.

"Portanto, será adiada a série de eventos, previstos para ocorrerem nesta semana na Europa, com o objetivo de apresentar a agenda econômica do próximo governo para grandes investidores interessados no Brasil e mídia especializada", diz nota da assessoria de Guedes.

Em Madri, Guedes participaria, ao lado do futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, de um painel intitulado "Brasil, principais alinhamentos do novo governo", mediado por Vargas Llosa.

Em matéria no começo de novembro falamos da importância de um “road show” nos mercados internacionais ou mesmo conversas com investidores estrangeiros aqui mesmo no Brasil para passar de forma mais clara os pontos da agenda econômica e melhorar a imagem do governo Jair Bolsonaro, que recebeu duras críticas de parte da imprensa internacional durante e depois do processo eleitoral.

Apesar das expectativas positivas com uma agenda de viés mais liberal e menor intervenção do governo na economia, o fluxo de investimento estrangeiro ainda não deslanchou. Na B3, por exemplo, o saldo do estrangeiro estava negativo em R$ 3,6 bilhões no mês de novembro até o dia 29.

Por outro lado, a consultoria EPFR Global mostrou uma recuperação no ingresso de dinheiro via fundos estrangeiros que aplicam em Brasil na última semana de novembro. Mas como notou o BTG Pactual em relatório à clientes, a exposição continua baixa em termos históricos.

Em outubro, diz o BTG, com base em dados da EPFR, a exposição a Brasil dos fundos "Global Emerging Markets" (GEM), estava em 8%, contra 11,7% em outubro de 2014, antes da eleição de Dilma Rousseff. Dentro da categoria de fundos Globais, a exposição é de 0,51%, contra 1,41% em outubro de 2014.

Pelas estimativas do banco, uma retomada dessa exposição para os patamares de 2014 poderia resultado em ingresso de cerca de R$ 193 bilhões para o mercado de ações.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies