Menu
2018-10-29T09:29:58-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Posição comprada de US$ 39 bilhões do estrangeiro será colocada à prova

Confirmadas as sinalizações da abertura do mercado, o dia deve ser de acentuados ajustes no mercado futuro de dólar e Ibovespa

29 de outubro de 2018
9:16 - atualizado às 9:29
dólares nota
Imagem: Shutterstock

Os investidores estrangeiros elevaram a posição comprada em moeda americana na sexta-feira e abrem a semana com uma “aposta” de alta do dólar de US$ 39,1 bilhões em contratos futuros e de cupom cambial (DDI – juro em dólar no mercado local). Maior posição do mês e entre as maiores já registradas.

O pregão tem contorno positivo com os investidores dando continuidade ao ajuste de posições em câmbio, dólar e juros com o fim da eleição e confirmação da vitória de Jair Bolsonaro. O dólar abre o pregão em firme queda, caindo mais de 1,6%, abaixo dos R$ 3,60.

Essa posição do não residente está dividida da seguinte maneira. São US$ 29,9 bilhões em cupom cambial e outros US$ 9,174 bilhões em dólar futuro.

Na ponta de venda, os fundos de investimento têm US$ 23 bilhões, sendo US$ 21,7 bilhões em cupom cambial e US$ 1,245 bilhão em dólar futuro. Os bancos tinham uma posição vendida de US$ 18,2 bilhões, mas com divisão mais equilibrada, sendo US$ 9,574 bilhões em cupom cambial e US$ 8,623 bilhões em dólar futuro.

Em tese, o comprado ganha com a alta do dólar e o vendido com a desvalorização da moeda americana. Sempre vale a ressalva de que a avaliação sobre possíveis perdas e ganhos com as posições é feita em tese, pois não sabemos a que preço a compra ou venda foi feita. Além disso, esses agentes podem ter posições em moeda estrangeira no mercado à vista e em derivativos de balcão. Bancos, por regra, não podem ter exposição cambial direcional.

Ibovespa futuro

No mercado de índice futuro do Ibovespa, principal índice de ações da B3, tínhamos no fechamento do pregão de sexta-feira os estrangeiros vendidos em 98.315 contratos. Os fundos de investimento estavam comprados em 87.859 contratos. Tais posições estão entre as maiores do ano.

Uma forma de ler as posições no Ibovespa futuro é como uma proteção (hedge) às oscilações no mercado à vista. Por exemplo. O investidor está comprado em bolsa no mercado à vista e vai proteger essa exposição no mercado futuro vendendo contratos de Ibovespa.

No entanto, o mercado também opera o Ibovespa futuro com um ativo em si, podendo montar apostas de alta (comprado) ou de queda (vendido) no Ibovespa.

Até o começo de outubro o estrangeiro vinha carregando posição comprada em Ibovespa, enquanto os fundos estavam vendidos. Eles trocaram de mão no meio do mês e estão acumulando novas posições desde então.

Leia mais sobre como você pode investir com a eleição de Bolsonaro:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

APOSTAS

XP aposta em ações defensivas e BTG recomenda exposição a construção e e-commerce para outubro

Banco e corretora divulgam carteiras recomendadas após volatilidade de setembro, quando Ibovespa acumulou queda de 4,80%

Impostos e contribuições

Receita: Arrecadação em agosto soma R$124,5 bilhões, acima do teto das projeções

O valor arrecadado no mês passado foi o maior para meses de agosto desde 2014, quando a arrecadação no oitavo mês do ano foi de R$ 127,405 bilhões.

Recuperação acelerada

PMI industrial brasileiro acelera 64,9 em setembro e atinge máxima histórica

É a terceira vez consecutiva que o indicador quebra seu recorde histórico de alta, após julho (58,2) e agosto (64,7)

MERCADO DE TRABALHO

EUA: Pedidos de auxílio-desemprego caem 36 mil, a 837 mil

Resultado ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal

DIVULGAÇÃO ATRASADA

CVC cai mais de 4% após ter prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre

Pandemia derruba receita e provoca despesas não recorrentes no período

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements