Menu
2018-10-29T09:29:58-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Posição comprada de US$ 39 bilhões do estrangeiro será colocada à prova

Confirmadas as sinalizações da abertura do mercado, o dia deve ser de acentuados ajustes no mercado futuro de dólar e Ibovespa

29 de outubro de 2018
9:16 - atualizado às 9:29
dólares nota
Imagem: Shutterstock

Os investidores estrangeiros elevaram a posição comprada em moeda americana na sexta-feira e abrem a semana com uma “aposta” de alta do dólar de US$ 39,1 bilhões em contratos futuros e de cupom cambial (DDI – juro em dólar no mercado local). Maior posição do mês e entre as maiores já registradas.

O pregão tem contorno positivo com os investidores dando continuidade ao ajuste de posições em câmbio, dólar e juros com o fim da eleição e confirmação da vitória de Jair Bolsonaro. O dólar abre o pregão em firme queda, caindo mais de 1,6%, abaixo dos R$ 3,60.

Essa posição do não residente está dividida da seguinte maneira. São US$ 29,9 bilhões em cupom cambial e outros US$ 9,174 bilhões em dólar futuro.

Na ponta de venda, os fundos de investimento têm US$ 23 bilhões, sendo US$ 21,7 bilhões em cupom cambial e US$ 1,245 bilhão em dólar futuro. Os bancos tinham uma posição vendida de US$ 18,2 bilhões, mas com divisão mais equilibrada, sendo US$ 9,574 bilhões em cupom cambial e US$ 8,623 bilhões em dólar futuro.

Em tese, o comprado ganha com a alta do dólar e o vendido com a desvalorização da moeda americana. Sempre vale a ressalva de que a avaliação sobre possíveis perdas e ganhos com as posições é feita em tese, pois não sabemos a que preço a compra ou venda foi feita. Além disso, esses agentes podem ter posições em moeda estrangeira no mercado à vista e em derivativos de balcão. Bancos, por regra, não podem ter exposição cambial direcional.

Ibovespa futuro

No mercado de índice futuro do Ibovespa, principal índice de ações da B3, tínhamos no fechamento do pregão de sexta-feira os estrangeiros vendidos em 98.315 contratos. Os fundos de investimento estavam comprados em 87.859 contratos. Tais posições estão entre as maiores do ano.

Uma forma de ler as posições no Ibovespa futuro é como uma proteção (hedge) às oscilações no mercado à vista. Por exemplo. O investidor está comprado em bolsa no mercado à vista e vai proteger essa exposição no mercado futuro vendendo contratos de Ibovespa.

No entanto, o mercado também opera o Ibovespa futuro com um ativo em si, podendo montar apostas de alta (comprado) ou de queda (vendido) no Ibovespa.

Até o começo de outubro o estrangeiro vinha carregando posição comprada em Ibovespa, enquanto os fundos estavam vendidos. Eles trocaram de mão no meio do mês e estão acumulando novas posições desde então.

Leia mais sobre como você pode investir com a eleição de Bolsonaro:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements