Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-14T08:21:01-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Mercados: preço do petróleo preocupa

Com o preço do barril caindo e dólar subindo, Petrobras é prejudicada e companhias exportadoras se beneficiam

14 de novembro de 2018
7:17 - atualizado às 8:21
Selo esquenta mercados
Brent já recuou 25% desde que tocou sua máxima em quatro anos (US$ 85,8) no início de outubro - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor!! Véspera de feriado da Proclamação da República!

E a preocupação do dia é preço do petróleo.

O valor do petróleo despencou ontem, terça -feira (13), prejudicando ações como a Petrobras e empresas relacionadas ao setor. O dólar subiu, elevando o valor de companhias exportadoras,como Vale e Suzano. Isso pode se repetir hoje.

O tipo Brent, negociado em Londres, caiu 6,6%, para US$ 65,47 (R$ 251) por barril, depois de divulgação dos os relatórios mensais da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e Agência Internacional de Energia (AIE) dando conta de um desequilíbrio: o consumo está caindo e a demanda, subindo. Isso, basicamente por conta da decisão dos EUA de amolecer as sanções ao Irã, poupando oito países.

O Brent já recuou 25% desde que tocou sua máxima em quatro anos (US$ 85,8) no início de outubro. Agora, registra o menor valor desde março. Esse movimento de queda também acende sinal de alerta para estados e municípios dependentes da receita petrolífera.

Em Brasília, dois encontros importantes do presidente eleito Jair Bolsonaro, com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), pela manhã, quando tentará recompor a relação com o Congresso e evitar novas pautas‐bomba. O futuro presidente também se encontra e com governadores eleitos, que vão expor a crise dos Estados. Novos ministros podem ser anunciados.

Os fundamentos apontam preços ainda mais baixos, disse a Capital Economics, que vê chance de o Brent tocar US$ 60 so de fim de 2019. E ainda tem o presidente americano Donald Trump, com seus tuítes, cobrando da Opep para não cortar a oferta.

Neste cenário, o estrago foi grande, com quedas das bolsas, corrida aos Treasuries e dólar em alta frente aos mercados emergentes, enquanto as ações de Petrobras sucumbiram, com perdas de mais de 4%.

À queda do petróleo somam‐se o fluxo de saída de investimentos estrangeiros, operações de hedge cambial e as indefinições sobre a reforma da Previdência entre os motivos para explicar a pressão do dólar, que na máxima bateu R$ 3,83.

Novos Ministros

Podem sair hoje os nomes para o Meio Ambiente e Relações Exteriores. Luís Fernando de Andrade Serra, embaixador do Brasil na Coreia do Sul até a metade do ano, promete ser o novo chanceler. Ele visitou ontem o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, onde funciona o gabinete de transição.

Sobre o Meio Ambiente, Bolsonaro disse estar entre dois nomes, "mas poderia haver um terceiro". Esta semana, circularam especulações na imprensa de que a atriz Maitê Proença poderia ser convidada para assumir a pasta.

Citado por Bolsonaro como possível nome para a Saúde, Luiz Henrique Mandetta foi acusado de autorizar pagamentos indevidos por serviços não executados por empresas de mídia e tecnologia. “Mas está cotado sim.”

Ainda não se sabe qual ministério será ocupado por Gustavo Bebianno, presidente do PSL durante a campanha.

O suspense sobre o BC se mantém. Paulo Guedes se reuniu ontem com o diretor do Santander Roberto Campos Neto, sondado para a vaga. Mas ainda não se descarta Ilan Goldfajn, atual presidente do Banco Central do Brasil. A autonomia do BC é decisiva para ficar no cargo.

Na Petrobras, o general Mourão teria afirmado, em conversa com investidores no exterior que Ivan Monteiro continuaria na presidência. Mas chegaram a ser ventilados boatos no mercado de que ele assumiria o Banco do Brasil.

Mourão

Vice de Bolsonaro já faz sucesso entre os investidores, porque sabe dizer o que o mercado quer ouvir. Em teleconferência, ontem, promovida pelo Bradesco BBI em NY, defendeu as reformas da Previdência e tributária, o mercado livre, as privatizações e a disciplina na administração de recursos públicos. “Temos 150 estatais e posso dizer que 140 serão privatizadas”, e puxou a ação da BR Distribuidora ao afirmar que esta poderá ser umas das primeiras a entrar na dança. O papel chegou a subir quase 8%; fechou com +5%.

Agenda

Em mais um sinal de inflação ancorada, mesmo que o IGP‐10 de novembro (8h30) venha no teto das apostas de pesquisa Broadcast (+0,01%), ainda exibirá forte desaceleração contra a alta de 1,43% em outubro. O piso é negativo (‐0,28%) e a mediana das expectativas aponta para uma queda de 0,14%.

Ainda hoje, saem a pesquisa mensal do IBGE do setor de serviços em setembro (9h), com mediana positiva em 1% (intervalo das projeções varia de ‐3,10% a +2,30%), além dos dados semanais do fluxo cambial (12h30).

À tarde (14h), Lula presta depoimento à Justiça sobre processo do sítio de A
baia (SP).

Efeito combinado

A derrubada em série do petróleo, caindo há 12 dias, para os recordes de baixa, sabotou a Petrobras, induziu a Bolsa a perder os 85 mil pontos e disparou o dólar a R$ 3,82. Mas o barril não foi o único vilão.

Por trás do gatilho de pessimismo, que já leva o Ibovespa a acumular perda de quase 6% contra o pico histórico da semana passada e projeta o dólar ao nível pré‐eleição, o que também está pegando é o novo governo.

O “coração mole” de Bolsonaro sobre a reforma da Previdência, que quer olhar “o social e não os números de uma forma fria”, aciona o sinal de alerta, de que o texto poderá passar muito longe do que sonha o investidor.

Análises gráficas indicam os pontos de risco. O Itaú BBA vê a manutenção de níveis entre 84 mil e 83.800 mil como fator importante para manter a tendência de alta. Abaixo disso, tem suporte em 82.600 mil e 81.800 mil.

No Valor, players mais otimistas dizem que, apesar de ter se distanciado dos 90 mil pontos, o Ibovespa subiu muito rapidamente, as quedas não assustam e tampouco anulam tudo o que a bolsa ainda pode andar.

O tombo de ontem teria sido pior, não fosse a Vale (ON, +2,59%, a R$ 56,27) para segurar a onda. Por ser exportadora, a companhia faturou a firme valorização do dólar. Já a Petrobras serviu de porta de saída.

 *Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br
O link é: https://www.bomdiamercado.com.br/

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

parecer do relator da reforma

Dividendos recebidos por fundos de investimento; veja novas mudanças em 4 pontos

Relator da reforma do Imposto de Renda inseriu em seu parecer a previsão de que os lucros e dividendos recebidos por fundos de investimento serão tributados em 5,88%

seu dinheiro na sua noite

Com alta da Petrobras, Ibovespa fecha terça no azul; veja os destaques

Dia teve tanto o Ibovespa quanto o dólar em uma verdadeira montanha-russa, mas altas de Vale e Petrobras garantiram fechamento no azul

FECHAMENTO DO DIA

Vale puxa o Ibovespa e garante alta do dia, mas dólar avança com temores fiscais na véspera do Copom

Em Nova York, a volatilidade foi mais comedida. No Brasil, o conturbado cenário interno trouxe dor de cabeça e tensão para o Ibovespa e o câmbio

Chama o Max!

Como ter renda extra através de ações? Max Bohm explica os diferentes tipos de proventos!

Já pensou viver de renda? É o sonho de muitos brasileiros. Max Bohm, analista da Empiricus, explica quais são os diferentes tipos de proventos recebidos por um acionista. Confira agora!

Com preço no piso da faixa indicativa, Raízen movimenta R$ 6,9 bilhões no IPO; veja o que vem a seguir para esta ação

Ação da produtora de açúcar e álcool e dona dos postos Shell é precificada a R$ 7,40 e começará a ser negociada no próximo dia 5

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies