Menu
2018-12-14T17:29:53-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cash is king

Mais de US$ 115 bilhões deixaram os mercados globais de ações e dívida em uma semana

Dados da EPFR Global evidenciam a postura cautelosa dos investidores. Na contramão, fundos voltados ao Brasil captaram US$ 100 milhões

14 de dezembro de 2018
16:38 - atualizado às 17:29
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

Tem uma expressão de mercado que diz “cash is king” ou “o dinheiro é rei”, que serve para diversas situações, entre elas momentos de incerteza, como o atual. Essa expressão casa bem com os dados da EPFR Global, que mostraram uma acentuada saída de recursos dos mercados de ações e títulos e uma captação recorde de mais de US$ 115 bilhões pelos “Money Market Funds”, fundos de curto prazo e baixo risco vistos como "porto seguro", na semana encerrada dia 12 de dezembro.

Segundo a consultoria, que acompanha mais de 100 mil fundos ao redor do mundo, com cerca de US$ 34 trilhões em ativos, os investidores saíram dos demais ativos, como ações e dívida soberana e corporativa, antes dos feriados de fim de ano.

Ainda de acordo com EPFR Global, motivos não faltam para essa postura mais defensiva. Os mercados continuam oscilando entre otimismo e pessimismo sobre as relações comerciais entre China e Estados Unidos, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou que vai começar a reduzir seu programa de compra de ativos, e no dia 19, o Federal Reserve (Fed), banco central americano, deve confirmar mais um aperto de 25 ponto-base na taxa de juros dos EUA.

No cômputo geral do período, todos os fundos de ações acompanhados tiveram um saque líquido de US$ 38,9 bilhões e outros US$ 13 bilhões saíram dos fundos de dívida.

Mercados Emergentes

Entre os emergentes, a China continuou como destaque na categoria Fundos de Ações de Mercados Emergentes. Mas na avaliação da consultoria, os investidores estão cortando agressivamente a sua exposição aos mercados onde enxergam maiores riscos políticos e políticas econômicas inconsistentes.

Mesmo assim, a crença nas agendas reformistas segue atraindo dinheiro para os fundos de ações do Brasil e do México. Os fundos que investem em ações do Brasil captaram US$ 100 milhões no período, quarto resultado positivo das últimas sete semanas.

O gráfico abaixo mostra o fluxo para os fundos dos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) mais Coreia do Sul de 2008 até hoje. Destaque para a Índia que segue com resultado positivo, mesmo depois do forte saque visto na semana, depois que o presidente do Banco Central deixou o cargo de forma inesperada.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

ESTRADA DO FUTURO

O que rola nos bastidores de uma startup de sucesso: uma conversa com Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi.

Receita Federal dos EUA

Binance é investigada por manter contas suspeitas de lavagem de dinheiro nos EUA

Desde 2019, a Binance não oferece mais serviços de trading de criptomoedas para quem mora nos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies