Menu
2019-04-04T13:52:31-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Crescimento revisado pela S&P

O PIB brasileiro em 2018 está cada vez mais perto de se consagrar como mais um “PIBinho”

Agência de classificação de risco S&P fez uma nova revisão para o crescimento da economia brasileira neste ano

1 de outubro de 2018
16:57 - atualizado às 13:52
brasil-crise
Incertezas eleitorais e dificuldades em aprovar reformas puxam o PIB brasileiro para baixo - Imagem: Shutterstock

Para os otimistas de plantão, que lá em fevereiro projetavam crescimento de 3% do PIB brasileiro neste ano, 2018 vai acabar deixando um sentimento de decepção. Isso porque a agência de classificação de risco S&P voltou a revisar para baixo a projeção de crescimento da nossa economia - de 1,8% para 1,4%.

Segundo relatório da S&P divulgado nesta segunda-feira, 1º, o cenário econômico não é nada positivo nem para o Brasil nem para os nossos vizinhos latinos. O dólar segue nas alturas, os juros dos Estados Unidos estão subindo e alguns países (como nós) vivem incertezas políticas.

"Acreditamos que, em geral, a situação macroeconômica se tornou mais desafiadora para a América Latina desde a nossa atualização trimestral anterior", S&P

No documento, a agência comenta que essas condições restringem os financiamentos externos e reduzem a confiança dos investidores. No caso do Brasil, esse problema é potencializado por dois agravantes chamados eleições e agenda de reformas.

Não estamos sozinhos

A S&P não citou apenas o Brasil como país afetado diretamente pelas dificuldades de promover mudanças fiscais em suas economias. A Argentina de Maurício Macri, com a taxa básica de juros a 65% ao ano, também teve sua capacidade de mudança colocada em xeque. A projeção do PIB dos hermanos em 2018 passou de expansão de 1,0% para contração de 2,0%.

Já em relação aos outros países latino-americanos, a S&P prevê que o México apresentará um crescimento real de mais de 2,0% neste ano e no próximo, além de acreditar que Chile, Colômbia e Peru apresentem um crescimento mais acelerado em relação ao ano passado.

Nem tudo está perdido (para a gente)

Mesmo patinando no crescimento, a estrutura de dívida e o risco de crédito do Brasil estão bem na fita. Pelo menos é o que indicou a agência de classificação de risco Moody's em outro relatório também divulgado nesta segunda-feira.

A agência cita Brasil e Chile entre os países da América Latina menos expostos às condições mais adversas de financiamento internacional, quando considerados a necessidade de financiamento bruto, o perfil de vencimento da dívida e a presença de colchões fiscais, mitigadores de riscos de crédito. O relatório, que avalia a estrutura de dívida de cada país, também menciona Argentina, República Dominicana, Honduras e Paraguai entre os países mais expostos a esses riscos, se desconsiderado qualquer fator atenuante.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies