Menu
2019-04-04T14:01:09-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Eleições 2018

Nova pesquisa confirma que a vitória de Bolsonaro no 1º turno está muito distante

Números da CNI/Ibope mostram Candidato do PSL aparece com 27% das intenções de voto, enquanto o petista tem 21%

26 de setembro de 2018
14:31 - atualizado às 14:01
Jair Bolsonaro
Pesquisa CNI também mostrou estagnação do candidato do PSL - Imagem: Shutterstock

A CNI divulgou na tarde desta quarta-feira, 26, sua mais recente pesquisa eleitoral para presidente. Nesse levantamento, elaborado pelo Ibope, a tendência de estagnação de Jair Bolsonaro (PSL) observada nas pesquisas do BTG Pactual e do Ibope que saíram no começo da semana foi confirmada.

O candidato do PSL aparece com 27% das intenções de voto, seguido por Fernando Haddad (PT), com 21%. Ciro Gomes (PDT) tem 12% e Geraldo Alckmin (PSDB) 8%.

Veja todos os números:
Jair Bolsonaro (PSL) - 27%
Fernando Haddad (PT) - 21%
Ciro Gomes (PDT) - 12%
Geraldo Alckmin (PSDB) - 8%
Marina Silva (Rede) - 6%
João Amoêdo (Novo) - 3%
Henrique Meirelles (MDB) - 2%
Alvaro Dias (Podemos) - 2%
Guilherme Boulos (Psol) - 1%
Brancos/Nulos - 11%
Não sabe/não respondeu - 7%

Já na pesquisa espontânea, quando os eleitores podem citar qualquer nome, Bolsonaro aparece com 24%, Haddad 15%, Ciro 7% e Alckmin 3%.

Rejeição a Bolsonaro se mantém alta

A rejeição à candidatura de Bolsonaro no primeiro turno confirmou a tendência de alta dos últimos levantamentos e se mantém isolada como a mais alta entre os presidenciáveis. Entre os eleitores pesquisados, 44% afirmam que não votariam de jeito nenhum no candidato do PSL.

Na segunda colocação entre os mais rechaçados aparecem Marina e Haddad, empatados com 27% cada. A rejeição ao nome de Alckmin ficou em 19% e de Ciro 16%.

Candidato do PSL só ganha de Marina no 2º turno

A CNI também confirmou o enfraquecimento do nome de Bolsonaro nos possíveis cenários de segundo turno. Contra Fernando Haddad, ele perderia de 42% a 38%.

Já numa disputa de Ciro Gomes com Bolsonaro, o pedetista ganharia a disputa por 44% a 35% do deputado. Contra Alckmin, Bolsonaro perde de 40% a 38%.

O único cenário em que o deputado está à frente no segundo turno é contra Marina Silva. Nessa disputa ele venceria a candidata da Rede por 40% a 38%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies