Menu
2018-10-28T10:23:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Eleições 2018

Conheça a ativista que uniu Bolsonaro e Paulo Guedes

Bia Kicis, deputada federal eleita e ex-procuradora do Distrito Federal, tornou-se uma das apostas da bancada do capitão reformado para se contrapor ao PT e ao PSOL na Câmara

28 de outubro de 2018
9:56 - atualizado às 10:23
bia-kicis
Bia Kicis, deputada federal eleita e apoiadora de Bolsonaro - Imagem: Reprodução/Facebook

A aliança entre o candidato ao Palácio do Planalto pelo PSL, Jair Bolsonaro, e o seu eventual superministro da Economia, Paulo Guedes, foi costurada por uma ativista política nas redes sociais e no Congresso. A deputada federal eleita e ex-procuradora do Distrito Federal, Beatriz Kicis, 57 anos, despontou na esteira do movimento pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em vídeos na internet.

Bia Kicis chegou a criar o Instituto Resgata Brasil, tendo como pauta o voto impresso e a Escola sem Partido. Agora, tornou-se uma das apostas da bancada do capitão reformado para se contrapor ao PT e ao PSOL na Câmara.

Próxima de Bolsonaro desde 2014, Bia articulou com o empresário Winston Ling, do Grupo Ling, do Rio Grande do Sul, o primeiro encontro que mudaria o rumo da campanha do então pré-candidato, em novembro de 2017, no Rio de Janeiro. Bia, Ling e os filhos de Bolsonaro estiveram presentes.

Quinze dias depois, em um segundo encontro, dessa vez a sós, a dupla afinou a sintonia, relata a futura deputada. De maneira franca, Bolsonaro disse a Guedes que precisava de um conselheiro na economia, mas que conhecia bem a política e as negociações no Congresso para vetar ou chancelar propostas.

Na época, o economista deixou claro que já conversava com Luciano Huck, que tentava disputar a Presidência. O apresentador da TV Globo, no entanto, anunciou a desistência três meses depois, abrindo caminho para o "noivado" entre Bolsonaro e Guedes.

O parlamentar já era fenômeno nas redes sociais, mas os seus apoiadores estavam convencidos de que ele precisava de um economista liberal para impulsionar a candidatura e ganhar o apoio do mercado financeiro.

O sentimento de urgência veio após Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e um dos pais do Plano Real, ter integrado o time que montava o plano econômico de João Amoêdo, do Partido Novo. "O Bolsonaro precisava de um economista muito melhor", relata Bia.

Já no auge da campanha, o próprio Guedes esteve em Brasília para participar de dois eventos organizados por Bia Kicis para empresários, advogados, procuradores, juízes e servidores da cúpula do funcionalismo.

Foi para Bia que o economista deu uma das mais longas entrevistas, divulgada no canal de vídeo independente da futura deputada, em que ele expõe todo o seu pensamento e diretrizes a serem dadas, caso Bolsonaro ganhe as eleições.

Uma delas chama a atenção: a necessidade de descentralização federativa e fortalecimento dos Estados e municípios. Uma política que bate de frente com a burocracia de Brasília, unidade da Federação onde o funcionalismo tem grande influência eleitoral.

Para se eleger com 86,4 mil votos, Bia Kicis contou com apoio de grupos de servidores, mas não prometeu brigar por reajustes salariais e teve votos em todas as regiões periféricas do Distrito Federal, sobretudo aquelas sem ligação com serviço público.

Sobre a agenda econômica, a nova deputada defende prioridade na questão tributária com desoneração dos impostos para as empresas para facilitar o empreendedorismo.

"Quem gera emprego é o empresário", diz ela, que defende que Bolsonaro, se eleito, negocie a reforma da Previdência. "Reforma agora. Tem de ser", diz.

Na entrevista a Bia, Guedes afirmou que se gasta muito no Brasil com uma máquina de Estado que precisa sofrer uma reforma. "A máquina está apontada para o lado errado, cheio de funcionários em estatais, em vez de gente dos municípios e Estados fornecendo saúde, educação e saneamento", defendeu o futuro superministro em eventual governo PSL.

Feminina, não feminista

Numa bancada com eleitos especializados em postagens no Facebook, Bia Kicis traz para a base de Bolsonaro a retórica de procuradora do governo do Distrito Federal e a atenção ao Regimento da Casa. Cotada para integrar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Câmara, a deputada eleita pretende apresentar pautas de segurança, garantias jurídicas e "direitos de família".

Há expectativa que ela protagonize momentos de embates também no plenário. Já na campanha, ela foi vista como um contraponto de Erika Kokay (PT-DF). "A TV Câmara vai bater picos de audiência", brinca Bia.

Há também expectativa de seu "reencontro" com Jean Wyllys (PSOL-RJ), que chegou a tentar convocá-la para a CPI dos Crimes Cibernéticos, pelos vídeos publicados contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Quando uma pessoa é convocada por uma CPI, corre o risco de sair presa do Congresso, já que a comissão tem poder de polícia. Com a ajuda de Bolsonaro, ela conseguiu trocar a "convocação" por um "convite". "Jean Wyllys não vai poder mais tentar me tirar do plenário", diz. "Ele nunca conseguiu."

Ao longo da campanha de Bolsonaro, marcada por críticas a declarações do candidato sobre mulheres, Bia Kicis rejeitou aparecer como o lado feminista da equipe. Ela pretende defender pautas também de mulheres, mas sem o discurso das adversárias.

"Não sou feminista. Sou apenas feminina." Um dos conselheiros mais próximos do candidato do PSL, o general reformado Augusto Heleno Ribeiro avalia que a deputada será uma "mulher forte" e um "esteio" de Bolsonaro na Câmara. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

*Com Estadão Conteúdo

Leia também:

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

nos bastidores

Em meio a crise, Hamilton Mourão ganha apoio de militares

Vice foi o único dos generais quatro estrelas que despacham no palácio a se dissociar, em público, do discurso do presidente pelo fim da quarentena

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements