Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-28T10:23:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Eleições 2018

Conheça a ativista que uniu Bolsonaro e Paulo Guedes

Bia Kicis, deputada federal eleita e ex-procuradora do Distrito Federal, tornou-se uma das apostas da bancada do capitão reformado para se contrapor ao PT e ao PSOL na Câmara

28 de outubro de 2018
9:56 - atualizado às 10:23
bia-kicis
Bia Kicis, deputada federal eleita e apoiadora de Bolsonaro - Imagem: Reprodução/Facebook

A aliança entre o candidato ao Palácio do Planalto pelo PSL, Jair Bolsonaro, e o seu eventual superministro da Economia, Paulo Guedes, foi costurada por uma ativista política nas redes sociais e no Congresso. A deputada federal eleita e ex-procuradora do Distrito Federal, Beatriz Kicis, 57 anos, despontou na esteira do movimento pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em vídeos na internet.

Bia Kicis chegou a criar o Instituto Resgata Brasil, tendo como pauta o voto impresso e a Escola sem Partido. Agora, tornou-se uma das apostas da bancada do capitão reformado para se contrapor ao PT e ao PSOL na Câmara.

Próxima de Bolsonaro desde 2014, Bia articulou com o empresário Winston Ling, do Grupo Ling, do Rio Grande do Sul, o primeiro encontro que mudaria o rumo da campanha do então pré-candidato, em novembro de 2017, no Rio de Janeiro. Bia, Ling e os filhos de Bolsonaro estiveram presentes.

Quinze dias depois, em um segundo encontro, dessa vez a sós, a dupla afinou a sintonia, relata a futura deputada. De maneira franca, Bolsonaro disse a Guedes que precisava de um conselheiro na economia, mas que conhecia bem a política e as negociações no Congresso para vetar ou chancelar propostas.

Na época, o economista deixou claro que já conversava com Luciano Huck, que tentava disputar a Presidência. O apresentador da TV Globo, no entanto, anunciou a desistência três meses depois, abrindo caminho para o "noivado" entre Bolsonaro e Guedes.

O parlamentar já era fenômeno nas redes sociais, mas os seus apoiadores estavam convencidos de que ele precisava de um economista liberal para impulsionar a candidatura e ganhar o apoio do mercado financeiro.

O sentimento de urgência veio após Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e um dos pais do Plano Real, ter integrado o time que montava o plano econômico de João Amoêdo, do Partido Novo. "O Bolsonaro precisava de um economista muito melhor", relata Bia.

Já no auge da campanha, o próprio Guedes esteve em Brasília para participar de dois eventos organizados por Bia Kicis para empresários, advogados, procuradores, juízes e servidores da cúpula do funcionalismo.

Foi para Bia que o economista deu uma das mais longas entrevistas, divulgada no canal de vídeo independente da futura deputada, em que ele expõe todo o seu pensamento e diretrizes a serem dadas, caso Bolsonaro ganhe as eleições.

Uma delas chama a atenção: a necessidade de descentralização federativa e fortalecimento dos Estados e municípios. Uma política que bate de frente com a burocracia de Brasília, unidade da Federação onde o funcionalismo tem grande influência eleitoral.

Para se eleger com 86,4 mil votos, Bia Kicis contou com apoio de grupos de servidores, mas não prometeu brigar por reajustes salariais e teve votos em todas as regiões periféricas do Distrito Federal, sobretudo aquelas sem ligação com serviço público.

Sobre a agenda econômica, a nova deputada defende prioridade na questão tributária com desoneração dos impostos para as empresas para facilitar o empreendedorismo.

"Quem gera emprego é o empresário", diz ela, que defende que Bolsonaro, se eleito, negocie a reforma da Previdência. "Reforma agora. Tem de ser", diz.

Na entrevista a Bia, Guedes afirmou que se gasta muito no Brasil com uma máquina de Estado que precisa sofrer uma reforma. "A máquina está apontada para o lado errado, cheio de funcionários em estatais, em vez de gente dos municípios e Estados fornecendo saúde, educação e saneamento", defendeu o futuro superministro em eventual governo PSL.

Feminina, não feminista

Numa bancada com eleitos especializados em postagens no Facebook, Bia Kicis traz para a base de Bolsonaro a retórica de procuradora do governo do Distrito Federal e a atenção ao Regimento da Casa. Cotada para integrar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Câmara, a deputada eleita pretende apresentar pautas de segurança, garantias jurídicas e "direitos de família".

Há expectativa que ela protagonize momentos de embates também no plenário. Já na campanha, ela foi vista como um contraponto de Erika Kokay (PT-DF). "A TV Câmara vai bater picos de audiência", brinca Bia.

Há também expectativa de seu "reencontro" com Jean Wyllys (PSOL-RJ), que chegou a tentar convocá-la para a CPI dos Crimes Cibernéticos, pelos vídeos publicados contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Quando uma pessoa é convocada por uma CPI, corre o risco de sair presa do Congresso, já que a comissão tem poder de polícia. Com a ajuda de Bolsonaro, ela conseguiu trocar a "convocação" por um "convite". "Jean Wyllys não vai poder mais tentar me tirar do plenário", diz. "Ele nunca conseguiu."

Ao longo da campanha de Bolsonaro, marcada por críticas a declarações do candidato sobre mulheres, Bia Kicis rejeitou aparecer como o lado feminista da equipe. Ela pretende defender pautas também de mulheres, mas sem o discurso das adversárias.

"Não sou feminista. Sou apenas feminina." Um dos conselheiros mais próximos do candidato do PSL, o general reformado Augusto Heleno Ribeiro avalia que a deputada será uma "mulher forte" e um "esteio" de Bolsonaro na Câmara. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

*Com Estadão Conteúdo

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia morno com exterior negativo, mas termina semana com ganho de 1,88%; dólar fecha em alta, mas acumula queda de 1,05% no período

Bolsa terminou o dia em baixa, com dólar e juros em alta, com piora no exterior e preocupações fiscais

CASOS DE FAMÍLIA

Elon Musk pega pesa pesado com o Twitter após integração de NFTs; veja o que o bilionário falou

Rede social passou a permitir que usuários do iOS, sistema da Apple, utilizassem os chamados tokens não fungíveis como fotos de seus perfis

Renda fixa

Nubank lança fundo para reserva de emergência que busca retorno entre 100% e 105% do CDI – mas tem uma pimentinha

Nu Reserva Imediata é o primeiro fundo de renda fixa da família Nu Reserva; embora seja de baixo risco, ele tem opção de investir em títulos privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies