Menu
2019-04-04T13:58:09-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Mudanças fiscais

Aliados de Bolsonaro divulgam novas pistas sobre a reforma da Previdência em um eventual governo do capitão

Eleitos deputados federal e estadual, general Roberto Sebastião Peternelli Júnior e capitão reformado do Exército Castelo Branco falaram sobre a questão dos militares

17 de outubro de 2018
14:27 - atualizado às 13:58
Jair Bolsonaro
Deputados eleitos e aliados de Bolsonaro disseram que as especificidades dos militares devem ser respeitadas em uma reforma da Previdência - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jair Bolsonaro já deixou claro que, se for eleito, não vai levar a proposta de reforma da Previdência do governo Temer para frente. O candidato do PSL defende uma reforma própria, que ele mesmo chama de "mais realista e fácil de passar pelo Congresso".

A questão é que a grande névoa que rodeia as propostas econômicas dele e de seu futuro ministro da Economia (uma fusão de Fazenda e Planejamento), Paulo Guedes, coloca dúvidas e ansiedade em muita gente do mercado sobre como seria essa nova Previdência.

Mas aos poucos novidades vão aparecendo e as coisas vão ficando claras. Nesta quarta-feira, 17, por exemplo, o general Roberto Sebastião Peternelli Júnior, deputado federal eleito pelo PSL, e o capitão reformado do Exército Castelo Branco, eleito deputado estadual pelo partido em São Paulo, deixaram escapar que uma reforma da Previdência em um futuro governo Bolsonaro deve "preservar as especificidade das carreiras militares" e "combater privilégios".

"Os militares têm características completamente distintas de outras profissões. Há de se manter essas especificidades", Castelo Branco, capitão reformado do Exército.

Vale dizer que, semana passada, o Castelo Branco se encontrou com o economista Paulo Tafner para ouvir cenários para a reforma e ouviu de Tafner que existem três cenários possíveis, mas que os três inevitavelmente atingirão todas as camadas da sociedade serão afetadas.

"É preciso um estudo adequado se o desembargador vai entrar, o governador vai entrar, o deputado vai entrar, não há porque os militares não entrarem", disse Peternelli. "De formas diferentes, respeitando suas especificidades", completou Castelo Branco.

Sobre o combate a privilégios, nenhum dos dois deputados eleitos especificaram quais seriam.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Vieram fortes

Commodities e dólar em alta turbinam lucros de exportadoras no 1º trimestre

Expectativa é de efeito positivo sobre o PIB, mas comportamento desigual das empresas de capital aberto preocupa analistas

Indústria em expansão

Brasil vive ‘boom’ de gestoras de recursos

De janeiro a março, Anbima registrou 27 novas gestoras

Pandemia

Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Restrição vale também para Reino Unido, Irlanda do Norte e África do Sul

Imposto de renda

Cerca de 12 milhões de pessoas ainda não enviaram declaração

Balanço foi divulgado pela Receita Federal na sexta-feira; prazo termina em 31 de maio

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies