Menu
2019-04-04T12:11:25-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nova gestão

Em relatório, nova gestão da Gafisa destaca corte de custos e procura de nova sede

Empresa destacou corte de funcionários para corte de gastos e que sua sede deve permanecer em São Paulo

28 de dezembro de 2018
7:07 - atualizado às 12:11
Gafisa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Buscando transparência em meio a escândalos da nova gestão Mu Hak You, a Gafisa divulgou um relatório nessa quinta-feira, 27, com as decisões tomadas no período desde outubro.

O destaque vem pelas iniciativas para redução de custos, e a mudança de sede, que está em fase final de negociação.

A companhia vai encerrar o ano com 354 funcionários, ante 375 ao final de novembro, o que deve gerar uma economia adicional de R$ 8,3 milhões por ano.

A empresa também cancelou temporariamente inscrições em algumas entidades de classe, com economia anual de R$ 1,3 milhão.

No que diz respeito à nova sede, a Gafisa afirma que permanecerá em São Paulo, e que a diminuição no número de funcionários permitirá que a companhia se situe em um escritório menor e mais barato.

Segundo a companhia, a redução de gastos com locação, condomínio e IPTU será de aproximadamente R$ 4 milhões por ano. Na semana passada, a companhia recebeu um pedido de despejo da sua sede por estar inadimplente com o aluguel e o condomínio desde outubro.

Neste item, a nova administração da Gafisa ressalta que todas as ações implementadas geraram um corte de despesas de R$ 53 milhões por ano. E em uma segunda etapa, a companhia acredita que ainda é possível conseguir redução adicional entre R$ 20 milhões e R$ 50 milhões.

Nas outras frentes consideradas prioridade para a companhia, a nova administração destaca que concentrou os esforços de vendas de estoques em 11 empreendimentos "mais relevantes", para aumentar a velocidade de vendas e manter as margens. A Gafisa está otimista em relação a 2019, e lembra que 78% do VGV total em estoque está concentrado em São Paulo, que continuará sendo o foco da construtora.

Em relação ao funding, a nova administração afirma que a Gafisa é "uma empresa viável, com R$ 3,4 bilhões de ativos versus uma dívida corporativa de R$ 960 milhões. Assim, estamos focando na mitigação de descasamentos de fluxo".

A companhia afirma que ampliou o relacionamento com os bancos no decorrer deste mês, e avalia alternativas como securitização de carteira de recebíveis, venda de estoques e de ativos não core. Além disso, a Gafisa concluiu a estruturação de um fundo de investimento imobiliário, com início de captação previsto para o primeiro semestre de 2019.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Oferta secundária à vista?

BNDES vai esperar o ‘melhor momento’ para vender ações da Copel

A BNDESPar, empresa de participações do banco, pretende se desfazer da fatia de 24% que possui das ações Copel

Mais uma para a lista

Mesmo com apoio de grandes investidores, Dotz interrompe processo de IPO

A empresa, que pretendia movimentar R$ 1,1 bilhão com a oferta, citou a atual condição do mercado de capitais brasileiro como o motivo por trás da desistência

Assunto do momento

5 pontos para entender a inflação americana – e o que isso tem a ver com o seu bolso

Só se fala em inflação em disparada nos Estados Unidos. Mas você sabe o que isso realmente significa?

Com ajuda da venda de ações

Lucro do BNDES cresce 78% e atinge R$ 9,8 bilhões no 1º trimestre

O Banco aproveitou o período próspero para antecipar um pagamento de R$ 38 bilhões e reduzir em 21% sua dívida com a União

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies