🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Ana Paula Ragazzi
TROCA DE COMANDO

Chegada de Mu Hak You ocorre em momento de recuperação da Gafisa

Gafisa enfrentou crise após incorporação da Tenda em 2008 e tentava virar a página desde então

Ana Paula Ragazzi
17 de dezembro de 2018
9:03 - atualizado às 16:48
Imóveis em São Paulo
Imóveis em São Paulo - Imagem: Shutterstock

A situação da Gafisa antes da tomada de controle da GWI não era das melhores, mas pelo menos, aparentemente, a empresa tinha um plano.  O ano de 2018 foi o primeiro em que ela conseguia operar sem a preocupação muito aguda com sua alavancagem. A empresa havia conseguido reestruturar sua dívida, que, nos planos, seria paga a partir de 2021, com a venda dos estoques.  Com isso equacionado, captava dinheiro novo para destinar integralmente a lançamentos.

Uma empresa de construção do porte da Gafisa, dizem especialistas, precisa garantir lançamentos anuais da ordem de R$ 1,2 bilhão para ter um fluxo de receitas futuras capaz de viabilizar sua operação rodando.

A chegada da GWI ao comando significou mexer numa engrenagem que havia sido arquitetada - ela já mexeu no caixa, nos lançamentos, reduziu ainda mais o pessoal e mexe negativamente com os brios da equipe. A possibilidade de a empresa sair do eixo é grande, resume um gestor. “Mesmo com tudo aparentemente equacionado, a administração anterior já tinha um desafio e tanto. Sem um rumo certo, a situação preocupa ainda mais”, afirma.

Compra da Tenda

A Gafisa era uma empresa queridinha do mercado até que, em 2008, resolveu comprar a Tenda. Diferentemente da Gafisa, que focava as classes média e alta, a Tenda vende imóveis mais populares. A compra foi fechada porque a Tenda enfrentava dificuldades - só que essas dificuldades, à medida que a empresa foi sendo incorporada foram se mostrando cada vez maiores. E os resultados da Gafisa acabaram sugados.

Em 2014, os administradores resolveram separar as empresas, que tinham diferentes culturas, operações, teses de investimento. A justificativa era dar mais flexibilidade ao investidor, que poderia decidir em qual negócio preferiria ficar.  Separar as operações foi fácil. O grande problema foi a separação societária: o equilíbrio da estrutura de capital vinha das duas empresas juntas.

A estrutura do grupo Gafisa era equilibrada, mas toda a dívida do grupo estava na Gafisa porque ela tinha balanço para segurar esse endividamento.  Tenda não tinha nem balanço nem reputação para obter crédito para as suas operações até o ano de 2015.  A solução encontrada foi fazer uma operação em que se captasse dinheiro para abater o endividamento da Gafisa _ à época, já em 2016,  a economia ia mal e o negócio Gafisa era mais afetado do que o de Tenda.

A primeira tentativa foi realizar um IPO de Tenda, mas ele seria precificada na semana em que Donald Trump venceu as eleições presidenciais americanas, o que trouxe incertezas no mercado e levou ao cancelamento da oferta. A situação da Gafisa se agravava porque ela precisava pagar uma dívida de cerca de R$ 100 milhões com a Caixa. Acabou, então aceitando uma proposta de um fundo de private equity pela Tenda, que daria R$ 250 milhões.

A Gafisa pode pagar a dívida, mas para ficar saudável financeiramente, precisaria ter levantado pelo menos R$ 350 milhões. A Tenda acabou sendo comprada pelos próprios acionistas de Gafisa - o valor do private equity foi considerado baixo e, portanto, vantajoso para que os acionistas, que tinham direito de preferência, ficarem com a empresa.

De lá para cá, as ações da Tenda, com zero dívida, algum capital e num segmento ainda com fôlego, dispararam. Já os papéis da Gafisa, num setor mais complexo, sendo atropelada pelos distratos e ainda com muita alavancagem, só derreteram.

Foi por conta disso que a GWI acabou conseguindo formar uma grande posição na companhia, aumentar de 30% para 50% o percentual que, se atingido por algum acionista dispararia uma oferta por toda a empresa, e assumir o controle via conselho.  Nenhum dos então componentes da base acionária da Gafisa tinha perfil de comprar uma briga com o investidor coreano.

A resposta para o futuro da Gafisa deverá ficar um pouco mais clara quando a empresa divulgar o resultado deste último trimestre, capitaneado pela GWI.  Vai ser relevante ver qual será a posição de caixa da empresa e se os prognósticos de quem acompanha a operação hoje estão certos:  vendas fracas, sem lançamentos, com receia sofrendo muito e perda de ritmo das obras em função das medidas que tomaram. Num cenário assim, alguns já cogitam até mesmo uma liquidação da empresa.

Compartilhe

CHEGARAM AO TOPO

De estagiário a CEO: Conheça a trajetória de cinco brasileiros que seguiram carreira em uma única empresa

2 de agosto de 2022 - 15:40

Além de iniciarem a vida profissional como estagiários, os CEOs têm algo em comum: uma trajetória marcada por passagens em diferentes áreas da companhia — e muita resiliência

UNIÃO MILIONÁRIA

Gafisa (GFSA3) firma parceria com a Kinea Investimentos para desenvolver empreendimento de luxo em São Paulo

22 de março de 2022 - 18:55

O negócio entre a gestora de investimentos e a construtora envolve um investimento de aproximadamente R$ 70 milhões

PRETENDENTE PREFERIDA

Noiva cobiçada: Gafisa (GFSA3) confirma conversas para negociação com brMalls (BRML3); operadora de shoppings também é cortejada por rivais

17 de fevereiro de 2022 - 17:29

Mas, se depender dos rivais, o casamento não sai: a Aliansce Sonae, por exemplo, apesar de rejeitada, ainda não desistiu da brMalls

Cardápio de balanços

Reta final com IRB, Yduqs, Cruzeiro do Sul, Cemig e Gafisa – Os resultados que podem mexer com o mercado nesta terça

17 de agosto de 2021 - 7:55

Empresas que deixaram para apresentar seus números do segundo trimestre no último dia do prazo ficam no radar dos investidores

De volta ao radar

Bradesco BBI volta a cobrir Gafisa após o longo inferno astral da construtora, com recomendação neutra

23 de julho de 2021 - 17:55

Depois de quase quebrar e sair do radar dos analistas, Gafisa volta a ser notada, mas turnaround ainda é considerado incompleto

retomada

Gafisa planeja dobrar o volume de lançamentos em 2021

22 de janeiro de 2021 - 6:55

Construtora e incorporadora projeta um VGV com empreendimentos neste ano entre R$ 1,5 bilhão e R$ 1,7 bilhão

Incorporação

Gafisa vai pagar R$ 310 milhões à Even por Hotel Fasano e busca parceiros

28 de dezembro de 2020 - 10:47

O negócio, anunciado em novembro, já tem aval do Cade e foi aprovado agora pelo conselho de administração. Pagamento deve ocorrer em janeiro

CARDÁPIO DE BALANÇOS

Intermédica e Qualicorp: os resultados que mexem com os mercados nesta terça-feira

17 de novembro de 2020 - 8:04

Companhias revelaram os resultados do terceiro trimestre deste ano, período ainda marcado pelo impacto da pandemia

Retorno

Gafisa volta a investir no Rio com aprovação do Cade para compra de ativos da Calçada

3 de novembro de 2020 - 11:22

O sinal verde do órgão marca o retorno da Gafisa ao mercado carioca após seu último lançamento na cidade, em 2015

após oferta hostil

Proposta negada: Acionistas da Tecnisa rejeitam combinação de negócios com Gafisa

10 de setembro de 2020 - 20:46

Foram 97,5% votos contrários de acionistas da Tecnisa ao prosseguimento da análise da fusão com a Gafisa, mostra a ata de assembleia extraordinária

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar