Menu
2019-04-05T10:16:25-03:00
Estadão Conteúdo
Núcleo de Bolsonaro na mira

Flávio Bolsonaro diz que não deve explicações sobre o caso Coaf e joga a bola para o seu ex-assessor

Deputado estadual eleito pelo Rio de Janeiro afirmou que as denúncias têm como objetivo atingir o novo governo

18 de dezembro de 2018
15:51 - atualizado às 10:16
Flávio Bolsonaro (PSL)
Flávio voltou a dizer que quem deve explicações é seu ex-assessorImagem: Divulgação

O deputado estadual pelo Rio de Janeiro e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) afirmou nesta terça-feira, 18, "não ter a menor dúvida" de que as denúncias que envolvem um ex-assessor vieram à tona para atingir ele e seu pai, o presidente eleito, Jair Bolsonaro.

O parlamentar, que se recusou a dizer qual teria sido a "explicação bastante plausível" que Fabricio Queiroz lhe dera há alguns dias, disse considerar mal explicado o fato de apenas questões envolvendo seus assessores terem se tornado públicas quando haveria "um monte de gente lá nessa situação também".

Após participar da cerimônia de diplomação dos eleitos no Rio de Janeiro, Flávio voltou a dizer que quem deve explicações é Queiroz, apontado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) como autor de movimentações atípicas que envolvem R$ 1,2 milhão.

"Eu não tenho que dar mais explicações sobre isso, quem tem que falar é meu ex-assessor. A movimentação atípica foi na conta dele, não foi na minha. Eu não tenho a senha do cara para saber o que houve", Flávio Bolsonaro, deputado estadual eleito.

"Se especula que ele Queiroz tomava dinheiro dos outros, mas ninguém sabe, ele tem que falar. Cabe a ele esclarecer isso tudo. Eu sou o maior interessado que isso se esclareça, estou há não sei quantos dias apanhando sem nem saber por quê", continuou.

Depois, Flávio Bolsonaro disse que o relatório veio à tona para prejudicar o futuro governo. "Também há um fato: muitas coisas estão mal explicadas nesse processo todo. Por que só o sigilo bancário dele Queiroz veio a público? Como é que pode? Quebraram o sigilo do cara e veio a público só o dele? Tem um monte de gente lá nessa situação também, similar. Será que é só pra me atingir? Será que é só pra atingir o presidente eleito, pra causar uma desestabilização já no início do mandato dele?", indagou. "Não tenho a menor dúvida. Se alguém ainda tem dúvida disso, não está sabendo ler nas entrelinhas."

Logo depois que o jornal O Estado de S. Paulo revelou o relatório do Coaf, Flávio Bolsonaro deu entrevista declarando ter ouvido uma explicação "bastante plausível", sobre as movimentações, sem no entanto contar qual foi. Sobre isso, o parlamentar voltou a ser sucinto.

"Ele falou alguma coisa, que ele geria o dinheiro da família dele", comentou Flávio. "Não posso falar (a explicação), ele falou por alto. Não posso assumir uma responsabilidade que não é minha. Não sou responsável pelos atos de terceiros, do seu, do dele. Cada um fala por si."

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies