Menu
2018-09-22T16:30:55-03:00
Estadão Conteúdo
Reformas econômicas

PT ensaia discurso “Haddad paz e amor” na economia

Economista da campanha petista deixou no ar a possibilidade (ou não) de revogar as reformas de Temer

17 de setembro de 2018
16:11 - atualizado às 16:30
Fernando Haddad
Economista da campanha petista disse que um governo Haddad não será de choques - Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil

O economista Márcio Pochmann, responsável pelo programa econômico do candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) à Presidência da República, Fernando Haddad, disse nesta segunda-feira (17) que uma eventual administração petista não será de um governo que produza choques.

Ao se referir aos termos "revogação" e "revisão" de políticas econômicas implementadas pelo governo Temer, Pochmann disse que essas medidas vão depender dos resultados das urnas, da composição do Congresso que sair no dia 7 de outubro.

O petista participou do debate entre os economistas dos candidatos à Presidência da República, organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), na capital paulista na manhã desta segunda-feira.

Márcio Pochmann defendeu que os investimentos sejam separados das metas fiscais. Já as despesas de custeio, de acordo com o economista, deverão continuar submetidas às metas fiscais. Pochmann disse também entender que as condições para governar hoje são melhores que as encontradas no início dos mandatos petistas anteriores. Segundo ele, à época, a inflação era elevada, a taxa de juros não era tão baixa e o Brasil não tinha as reservas internacionais que tem hoje.

"Por isso levamos mais de três anos para colocar a casa em dia para depois implementar as medidas de crescimento", lembrou o economista. "A despeito da crítica que fazemos ao atual governo, temos que reconhecer que a inflação está controlada e que as reservas foram mantidas. Então teremos melhores condições de governar do que nos mandatos anteriores", disse.

O programa econômico petista, de acordo com Pochmann, tem uma das suas metas buscar a competitividade porque a falta dela é que levou mais de 80 mil empresas a terem que fechar as portas só no ano passado. "Por isso entendemos que temos de eliminar a política de curto prazo no Brasil", afirmou.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para começar o dia bem informado

Pode parecer que a frase a seguir tenha uma contradição, mas é isso mesmo. A renda fixa deu uma boa chacoalhada nos últimos dias. O mau humor dos mercados com a possível pedalada fiscal do programa Renda Cidadã esticou os juros futuros. Para Alfredo Menezes, CEO da Armor Capital e ex-diretor da Tesouraria do Bradesco, […]

CRISE PESADA

Desemprego é recorde e pode piorar

Total de postos extintos supera os 11,5 milhões e taxa de desemprego no trimestre até julho é a pior da série histórica da Pnad

esquenta dos mercados

Otimismo com novo pacote de estímulo nos Estados Unidos anima bolsas globais

No Brasil, os investidores seguem atentos ao noticiário em Brasília e nas novidades envolvendo a forma de financiamento do Renda Cidadã

DINHEIRO NO BOLSO

SulAmérica vai pagar R$ 75 milhões em JCP aos acionistas

Valores estão previstos para serem pagos a partir de 16 de abril de 2021, em uma parcela única

OFERTA NA BOLSA

Natura anuncia oferta global de ações de R$ 6,2 bilhões

Empresa quer levantar recursos para acelerar o crescimento nos próximos três anos e reduzir o endividamento em dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements