Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-04-20T17:25:23-03:00
Bons ventos

Entre Bolso x Haddad, fique com a Bolsa

Estatais e empresas de infraestrutura e do mercado imobiliário devem se beneficiar da vantagem de Bolsonaro no 1º turno

8 de outubro de 2018
5:39 - atualizado às 17:25
touro wall street
Estátua de touro em Wall Street, Nova York, simboliza o "bull market" - Imagem: Shutterstock

Não preciso te dizer que Bolsonaro e Haddad vão brigar pelo seu voto nas próximas semanas. Também não preciso te dizer que as campanhas serão sujas e carregadas de ataques de ambos os lados.

Você também já deve saber que, de uma forma geral, o eleitor votou pela renovação – velhos conhecidos do cenário político brasileiro, como Lindbergh, Dilma, Suplicy, Eunício, Requião e Beto Richa ficaram de fora da festa.

A Rede fez vários senadores, o Novo colocou alguns deputados.

O que talvez você não sabia é o que os resultados nas urnas representam para o seu bolso (e para a Bolsa).

Nada deve fazer tanto preço quanto o resultado em Minas, onde Romeu Zema, do Novo, tem boas chances de levar a cadeira de governador – o petista Fernando Pimentel vai ser um mero observador da disputa dele com Anastasia, um dos poucos tucanos ainda vivos pelo país.

A notícia é mais do que positiva para Cemig (CMIG4): as ações da elétrica mineira estão, sob qualquer ótica, altamente descontadas. Em parte, por seu alto índice de alavancagem, mas em boa parte por uma sucessão de administrações temerárias, mal comum a várias estatais brasileiras.

Zema já sinalizou uma série de medidas pró-mercado, dentre elas a privatização da companhia – não me surpreenderia se o papel disparasse nos próximos dias.

Nos últimos meses, a Cemig lançou um programa de desinvestimento de ativos e já levantou quase R$ 1,5 bilhão com vendas de participação na Taesa, na Transmineira e de seu braço de telecomunicações (Cemig Telecom). Os movimentos facilitaram o processo de renegociação (rolagem) de sua dívida, que hoje monta R$ 14,6 bilhões.

O maior prazo para pagamento deu um bom respiro à companhia, que tem visto uma melhora em suas operações e, aos poucos, vai trabalhando a venda dos mais de R$ 5 bilhões que ainda tem em ativos disponíveis para a venda.

Sem o risco PT pela frente, as CMIG4 têm caminho livre pela frente e devem ser destaque positivo, ainda mais se o candidato do Novo confirmar seu favoritismo.

No pleito nacional, Bolsonaro ficou relativamente perto de levar já no primeiro turno, mas acabou ficando com “apenas” 46% dos votos, bem à frente dos 29% de Haddad.

As chances do petista são bastante remotas – em sete eleições nacionais, nunca tivemos uma virada em segundo turno e o único candidato a perder votos entre um turno e outro foi Alckmin, em 2006.

A vantagem do capitão exige um índice de conversão de 85% dos demais votos válidos para que Haddad se eleja – não é uma tarefa fácil, ainda mais com o peso do anti-petismo em suas costas.

Seria preciso um fato novo muito significativo para mudar a história – é verdade que, no Brasil, fatos novos brotam em profusão e já vimos praticamente de tudo por aqui, mas a tendência é de que o mercado comece a operar considerando Bolsonaro praticamente eleito.

Arrancada das estatais

Na minha opinião, assim como em Minas, as estatais saem na frente – o capitão já falou que vai seguir com a privatização da Eletrobras (ELET6). Paulo Guedes deve exigir uma administração bem mais consciente no Banco do Brasil (BBAS3).

A Petrobras é queridinha dos militares e Bolsonaro já falou que não privatiza – por melhor que seja Paulo Guedes, não deve ter poderes hipnóticos. Mesmo assim, arrisco dizer que as PETR4 devem andar na esteira do oba-oba.

O risco de cauda, a tragédia completa, era Ciro. Sem ele e com Haddad jogando como azarão, as taxas de juros devem continuar o movimento de queda dos últimos dias – isso é bom para a Bolsa como um todo, mas com um peso maior para os setores de infraestrutura e mercado imobiliário. Uma pena que CCR (CCRO3) tenha mazelas bastante particulares a tratar. Mas, Rumo (RAIL3), Multiplan (MULT3) e Equatorial (EQTL3), dentre muitas outras, tendem a se beneficiar do movimento.

Quem deve ficar para trás são as exportadoras – muito usadas como hedge (proteção) contra um cenário apocalíptico, e um pouco prejudicadas pelo dólar, que deve cair mais um pouquinho, imagino que papéis como Suzano (SUZB3) e Vale (VALE3) sejam retardatários nos próximos dias.

De uma forma geral, espero otimismo com ativos de risco brasileiros, que, em termos de fundamento, estão bem baratos e agora vão surfar o otimismo eleitoral.

Os almoços de domingo ainda vão ser bem complicados – o tio reaça e o primo da FFCLH vão continuar trocando farpas. Não foi dessa vez que pacificamos o peru de Natal.

Mas, enquanto eles brigam para defender seus candidatos, deixe seu dinheiro brigar para defender o seu futuro.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Inflação global

Há riscos de inflação global maior e mais persistente, diz diretor do FMI

Segundo ele, a visão do Fundo é que o “salto” recente nas pressões inflacionárias reflete desequilíbrios entre a oferta e a demanda que são temporários, influenciados também por altas nos preços de commodities, ante uma base de comparação “muito fraca” no ano passado

Via rápida

BBM Logística pega um atalho na estrada do IPO e pode captar até R$ 1,6 bilhão

Empresa parananse optou por fazer uma oferta restrita, uma via mais rápida porque dispensa o pedido de registro prévio na CVM

Reforma administrativa

Lira diz ser possível Câmara aprovar reforma administrativa até setembro

Para Lira, o tema deve gerar “discussões acaloradas” porque faz parte da bandeira de alguns partidos da Câmara

Mais empresas

Total de empresas no País subiu 6,1% no pré-pandemia, após 3 anos de fechamento

O total de empresas em atividade subiu a 5,239 milhões, um avanço de 6,1% em relação a 2018, o equivalente a 301.388 negócios a mais

Exile on Wall Street

Rodolfo Amstalden: habilidade emocional e investimentos

Os alunos de medicina da classe de 1992 não aguentavam mais estudar, desde o cursinho, desde que tiveram o azar de nascer em suas tradicionais famílias de doutores. Passaram os primeiros 18 meses da faculdade babando em cima de livros de capa dura. Madrugadas inteiras em modo zumbi, decorando nomes de partes que pareciam não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies