Menu
2019-04-04T12:33:52-03:00
Estadão Conteúdo
Empresas estatais

O raio privatizador de Bolsonaro

Assessor econômico do presidenciável disse que, se eleito, Bolsonaro vai executar rapidamente um programa de privatizações

17 de setembro de 2018
17:32 - atualizado às 12:33
Jair Bolsonaro
Bolsonaro: assessor do candidato à Presidência defendeu privatizações - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O assessor econômico do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), Carlos Alexandre Da Costa, disse nesta segunda-feira, 17, que, se eleito em outubro, o capitão da reserva vai entrar "rapidamente" com um programa de desestatização para redução da dívida pública.

"Não podemos pagar R$ 400 bilhões de juros por ano. Vamos entrar rapidamente com o programa de desestatização", comentou o economista ao participar de debate em congresso da Abimaq, entidade que representa a indústria de máquinas e equipamentos.

Durante o debate, Costa disse que, ao diminuir a conta dos juros, o governo, em conjunto com cortes "drásticos" de gastos públicos, terá espaço para reduzir gradualmente a carga tributária brasileira dos atuais 35% para porcentual mais próximo dos países desenvolvidos: 25%.

Depois de reiterar a promessa de retomada do superávit primário das contas públicas no primeiro ano de governo, o economista assinalou que Bolsonaro pretende fazer uma reforma da gestão pública, com a revisão, por exemplo, das 263 carreiras do governo federal.

Ele manifestou ainda o compromisso do candidato, líder nas pesquisas de intenção de voto, com a reforma da Previdência - com alternativa de capitalização a novos entrantes -, e revisão de programas de incentivo e renúncias fiscais. "Aquilo que não tem impacto, temos que eliminar", comentou.

Teto de gastos à salvo

Além da agenda de reformas, Costa também sinalizou que Bolsonaro pretende manter o regime de teto de gastos públicos aprovado no governo de Michel Temer.

Ele acrescentou que, além de buscar uma acomodação aos investimentos no Orçamento, a recuperação da confiança no governo, em conjunto com estímulos ao mercado de capitais, vai liberar recursos de um mercado que, conforme o economista, está "ávido a investir no Brasil".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

inteligência artificial

Elon Musk critica anúncio da Microsoft e expõe insatisfação com projeto de IA

Empresa terá licença exclusiva para o GTP-3, modelo de linguagem de inteligência artificial criado pela OpenAI – iniciativa fundada sem o propósito lucrativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements