Menu
2018-10-09T12:44:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Reformas e governabilidade são as principais dúvidas do mercado, diz Arko Advice

Consultoria realizou call com mais de 400 investidores e empresário na manhã desta terça-feira. Moderação de discurso de Haddad não convence

9 de outubro de 2018
12:44
haddad-bolsonaro
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro - Imagem: Flickr/Fotos Públicas

As principais dúvidas do mercado financeiro, nacional e internacional, envolvem o compromisso do próximo presidente com as reformas, especialmente Previdência, e com sua governabilidade.

“Todas as perguntas giram em torno desses dois aspectos”, diz o cientista político da Arko Advice, Cristiano Noronha, que participou de teleconferência com representantes do mercado e do empresariado na manhã desta terça-feira.

Reformas e, principalmente, governabilidade, são pontos que o governante constrói ao longo do tempo. Mas Noronha afirmou que os candidatos costumam dar sinalizações nessa direção.

Jair Bolsonaro, diz o especialista, tem falado sobre reforma da Previdência e seu plano toca no tema de forma mais explicita. Já Fernando Haddad deixa um pouco mais de dúvida com relação ao assunto.

Com relação à governabilidade, Noronha explica que os investidores perguntam sobre a capacidade de Bolsonaro de construir uma maioria no Congresso.

Já a percepção com relação a Haddad é de que ele teria mais facilidade em montar essa base de apoio, pois o PT já foi governo com Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Além disso, o partido mantém a maior bancada do Congresso.

"São pontos que os candidatos podem ir sinalizando ao longo do tempo", diz.

Ainda de acordo com Noronha, para o mercado é muito mais interessante ter uma agenda mais liberal na economia, que não impõe restrições ao setor privado e de menor intervenção da economia.

Nesse ponto, diz Noronha, a agenda do Bolsonaro, ao menos no papel, é melhor que a do Haddad, que tem um discurso mais intervencionista e de influência política em estatais, como Petrobras.

Sobre a moderação de discurso de Haddad, algo que começou no primeiro turno e se intensificou agora, com uma desautorização expressa a José Dirceu, Noronha diz que as pessoas começam a desconfiar.

“Mas será que o candidato vai fazer mesmo? Será que o PT deixa? Será que a militância do partido vai deixar? Como o programa de governo do candidato diz uma coisa e, agora, ele está dizendo outra, isso é recebido pelo mercado como oportunismo. O mercado acaba tendo dúvida quanto à execução”, explica.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies