Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-06T11:51:04-03:00
Estadão Conteúdo
Fique de olho

Eleição é momento de oportunidades para investidor em mercado emergente

Gestores e estrategistas acreditam que, independentemente de quem vença, haverá espaço para ganhos com aplicações

6 de outubro de 2018
11:51
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Ainda que o novo presidente não seja comprometido com a pauta de reformas, você terá alternativas na hora de investir - Imagem: Shutterstock

A primeira rodada das eleições presidenciais no Brasil neste domingo aponta para uma disputa entre extremos, afirma a agência de notícias Dow Jones Newswires em reportagem, mas a maior parte dos gestores de fundo e estrategistas espera que mesmo o candidato visto como o menos 'amigável do mercado' não será tão ruim quanto alguns temem. "Uma queda inicial do mercado pode ser uma 'oportunidade de compra', ressalta a DJ, citando como exemplo o no caso do México neste ano.

O mercado mexicano recuou com a eleição do populista Andreas Manuel Lopez Obrador, mas voltou a subir ao passo que os investidores decidiram que suas políticas não seriam tão ruins quanto se esperava.

Na reportagem, a DJ destaca que a eleição acontece em um momento crucial para o Brasil, "que ainda luta para sair de uma profunda recessão e precisa de grandes reformas para resolver o déficit fiscal, um dos maiores do mundo".

Embora os mercados em geral ignorem desdobramentos políticos, a Dow Jones aponta que esse provavelmente não será o caso do Brasil, com analistas e gestores de fundos dizendo que o resultado desse pleito poderá determinar o sentimento sobre as perspectivas para o País e, consequentemente, refletir nos 'valuations' do mercado.

A DJ destaca que as pesquisas de intenção de voto sugerem que a eleição no Brasil irá para o segundo turno. "No canto esquerdo estará Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), que diz que irá trazer de volta algumas das políticas do ex-presidente e fundador do partido Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba. No canto direito, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), que é visto como mais 'amigável ao mercado' e a agenda econômica liberal que inclui corte fiscal, mas é conhecido por declarações controversas", descreve a Dow Jones.

Em nota a clientes citada na reportagem, o time de economistas brasileiros do JPMorgan diz que a batalha política entre extremos representa um obstáculo para o avanço das reformas necessárias, inclusive a da Previdência, dado que possivelmente irá gerar mais divisão do que consenso.

"Enquanto ambos provavelmente devem buscar moderar suas posições para atrair votos do centro no segundo turno, o país está bastante polarizado e nenhum dos possíveis resultados parece ser encorajador para uma agenda mais reformista de médio prazo" escreveram os economistas do JP. De acordo com a reportagem, JPMorgan e Citigroup têm recomendação 'overweight' (desempenho acima da média do mercado) para as ações brasileiras.

A agência de notícias reforça que ambos, Bolsonaro e Haddad, apoiam a reforma da Previdência, que é considerada crucial para a estabilização dos níveis da relação dívida/PIB do país, mas seus planos para implementá-la diferem bastante. Com isso, o time de analistas do Citigroup na América Latina apresentou uma lista de potenciais vencedores e perdedores em sua nota a clientes, dependendo do resultado das eleições.

Oportunidades independentemente de que vença

Se Bolsonaro vencer a disputa, o Citi considera que as estatais e empresas domésticas cíclicas como a gigante Petrobras, Banco de Brasil e Itaú Unibanco, devem apresentar um bom desempenho. O candidato também tem dito que pretende reduzir o prazo para licenciamento de projetos de pequenas hidrelétricas de energia eólica e solar, o que é bom para fornecedoras de equipamentos como a Weg.

Caso o vencedor seja Haddad, as estatais e empresas domésticas cíclicas possivelmente serão atingidas, dada a predisposição do candidato em assumir um posicionamento mais intervencionista.

Nesse caso, os estrategistas do Citi avaliam que serão favorecidas as exportadoras como a Vale, que são beneficiadas de um ambiente com real mais fraco, e companhias defensivas como AmBev ou Ultrapar Participações, bem como empresas do segmento de Educação como a Kroton Educacional. Construtoras também podem ser impactadas visto que a vitória de Haddad poderia ter impacto negativo na confiança do consumidor e elevar a taxa de juros real.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

E-commerce de pneus

Cantu Store não se assusta com a farra fiscal e registra pedido de IPO na CVM

A companhia paranaense conta com 26 filiais em 17 unidades federativas e quatro centros de distribuição, além de duas marcas próprias

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Guedes diz que fica, o puxadinho do teto de gastos e outros destaques do dia

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza. Após as baixas recentes na equipe econômica, mas o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação […]

SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Hypera (HYPE3) inicia temporada de balanços com alta de 50% na receita líquida — veja os destaques da farmacêutica no terceiro trimestre

Apoiadas pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, outras linhas do balanço também deixaram para trás as projeções

FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies