Menu
2018-10-06T11:51:04-03:00
Fique de olho

Eleição é momento de oportunidades para investidor em mercado emergente

Gestores e estrategistas acreditam que, independentemente de quem vença, haverá espaço para ganhos com aplicações

6 de outubro de 2018
11:51
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Ainda que o novo presidente não seja comprometido com a pauta de reformas, você terá alternativas na hora de investir - Imagem: Shutterstock

A primeira rodada das eleições presidenciais no Brasil neste domingo aponta para uma disputa entre extremos, afirma a agência de notícias Dow Jones Newswires em reportagem, mas a maior parte dos gestores de fundo e estrategistas espera que mesmo o candidato visto como o menos 'amigável do mercado' não será tão ruim quanto alguns temem. "Uma queda inicial do mercado pode ser uma 'oportunidade de compra', ressalta a DJ, citando como exemplo o no caso do México neste ano.

O mercado mexicano recuou com a eleição do populista Andreas Manuel Lopez Obrador, mas voltou a subir ao passo que os investidores decidiram que suas políticas não seriam tão ruins quanto se esperava.

Na reportagem, a DJ destaca que a eleição acontece em um momento crucial para o Brasil, "que ainda luta para sair de uma profunda recessão e precisa de grandes reformas para resolver o déficit fiscal, um dos maiores do mundo".

Embora os mercados em geral ignorem desdobramentos políticos, a Dow Jones aponta que esse provavelmente não será o caso do Brasil, com analistas e gestores de fundos dizendo que o resultado desse pleito poderá determinar o sentimento sobre as perspectivas para o País e, consequentemente, refletir nos 'valuations' do mercado.

A DJ destaca que as pesquisas de intenção de voto sugerem que a eleição no Brasil irá para o segundo turno. "No canto esquerdo estará Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), que diz que irá trazer de volta algumas das políticas do ex-presidente e fundador do partido Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba. No canto direito, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), que é visto como mais 'amigável ao mercado' e a agenda econômica liberal que inclui corte fiscal, mas é conhecido por declarações controversas", descreve a Dow Jones.

Em nota a clientes citada na reportagem, o time de economistas brasileiros do JPMorgan diz que a batalha política entre extremos representa um obstáculo para o avanço das reformas necessárias, inclusive a da Previdência, dado que possivelmente irá gerar mais divisão do que consenso.

"Enquanto ambos provavelmente devem buscar moderar suas posições para atrair votos do centro no segundo turno, o país está bastante polarizado e nenhum dos possíveis resultados parece ser encorajador para uma agenda mais reformista de médio prazo" escreveram os economistas do JP. De acordo com a reportagem, JPMorgan e Citigroup têm recomendação 'overweight' (desempenho acima da média do mercado) para as ações brasileiras.

A agência de notícias reforça que ambos, Bolsonaro e Haddad, apoiam a reforma da Previdência, que é considerada crucial para a estabilização dos níveis da relação dívida/PIB do país, mas seus planos para implementá-la diferem bastante. Com isso, o time de analistas do Citigroup na América Latina apresentou uma lista de potenciais vencedores e perdedores em sua nota a clientes, dependendo do resultado das eleições.

Oportunidades independentemente de que vença

Se Bolsonaro vencer a disputa, o Citi considera que as estatais e empresas domésticas cíclicas como a gigante Petrobras, Banco de Brasil e Itaú Unibanco, devem apresentar um bom desempenho. O candidato também tem dito que pretende reduzir o prazo para licenciamento de projetos de pequenas hidrelétricas de energia eólica e solar, o que é bom para fornecedoras de equipamentos como a Weg.

Caso o vencedor seja Haddad, as estatais e empresas domésticas cíclicas possivelmente serão atingidas, dada a predisposição do candidato em assumir um posicionamento mais intervencionista.

Nesse caso, os estrategistas do Citi avaliam que serão favorecidas as exportadoras como a Vale, que são beneficiadas de um ambiente com real mais fraco, e companhias defensivas como AmBev ou Ultrapar Participações, bem como empresas do segmento de Educação como a Kroton Educacional. Construtoras também podem ser impactadas visto que a vitória de Haddad poderia ter impacto negativo na confiança do consumidor e elevar a taxa de juros real.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Levantamento

Fontes de renda extra e foco na casa própria: como as classes C e D poupam e organizam as finanças

De acordo com pesquisa feita para o Seu Dinheiro, um terço das pessoas de classes C e D trabalha a mais quando precisa de dinheiro, e apenas 29% conseguem poupar; principal objetivo financeiro é a casa própria.

Sem medo da Disney+

Netflix surpreende e supera a projeção de crescimento da base de assinantes no 4º trimestre

A Netflix chegou ao quarto trimestre numa posição diferente da habitual. De pioneira nas transmissões via streaming, a companhia agora é uma veterana da indústria — novatas como a Disney+ e a Apple TV+ chegaram com tudo ao mercado, buscando roubar a coroa da empresa. A filosofia da aposentadoria precoce: já pensou em poder se […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Para ler hoje e daqui a dez anos

Enoch Soames é um escritor frustrado que deseja saber se terá a obra reconhecida na posteridade. Depois de fazer um pacto com o diabo, ele viaja 100 anos no futuro e descobre que a única referência sobre ele está justamente na história que estamos lendo. Assim como o personagem do conto escrito pelo britânico Max […]

PODE SUBIR MAIS

Mesmo após alta de 154% em 2019, XP ainda vê potencial de subida e aumenta preço-alvo das ações da Via Varejo

Em relatório, analista Pedro Fagundes da XP subiu o preço-alvo dos papéis da companhia em 12 meses para R$ 17 e viu potencial de alta de 21% em relação ao fechamento de ontem

Vírus na China

Com um novo fator de risco no radar, o Ibovespa caiu mais de 1,5% e o dólar subiu a R$ 4,20

A confirmação de um caso da nova variante do coronavírus nos Estados Unidos trouxe cautela aos mercados, que temem um surto da doença. Como resultado, o Ibovespa caiu forte e o dólar teve mais um dia de alta

NOVIDADES À VISTA

Guedes diz que Brasil vai liberar compras de governo a estrangeiros

“O Brasil está querendo entrar para primeira liga, para primeira divisão de melhores práticas. Isso realmente é um ataque frontal à corrupção”, argumentou

BNDES NO RADAR

Bolsonaro diz que ‘caixa-preta’ do BNDES já foi aberta e evita comentar auditoria

“A caixa-preta já foi aberta, bilhões gastos em outros países”, disse o presidente. Em seguida, encerrou a coletiva de imprensa sem responder outras perguntas

DE OLHO NA LIBERDADE FINANCEIRA

Você pode ser rico em 2030

Eu adoro fazer planos e traçar cenários futuros. Gosto de ler teses sobre como serão profissões, cidades e tecnologias nos próximos dez anos.  Eu também gosto de “brincar” com uma calculadora HP 12c e simular quanto o meu dinheiro (e o dos outros) pode render no futuro nos diferentes cenários. O mais legal dessas simulações […]

mas por enquanto sem detalhes

Para OMC, mecanismo de disputa vai ter que mudar para lidar com novas condições

Diretor-geral da instituição defendeu a importância do livre-comércio em detrimento do protecionismo, e negou que esse sistema provoque desigualdades sociais

números do setor

Vendas e compras de aço da rede de distribuição sobem em dezembro, diz Inda

Levantamento inclui os dados de seus associados e incluem chapas grossas, laminados a quente, laminados a frio, chapas zincadas, chapas eletro-galvanizadas, chapas pré-pintadas e galvalume

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements