Menu
2018-10-06T11:51:04-03:00
Estadão Conteúdo
Fique de olho

Eleição é momento de oportunidades para investidor em mercado emergente

Gestores e estrategistas acreditam que, independentemente de quem vença, haverá espaço para ganhos com aplicações

6 de outubro de 2018
11:51
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Ainda que o novo presidente não seja comprometido com a pauta de reformas, você terá alternativas na hora de investir - Imagem: Shutterstock

A primeira rodada das eleições presidenciais no Brasil neste domingo aponta para uma disputa entre extremos, afirma a agência de notícias Dow Jones Newswires em reportagem, mas a maior parte dos gestores de fundo e estrategistas espera que mesmo o candidato visto como o menos 'amigável do mercado' não será tão ruim quanto alguns temem. "Uma queda inicial do mercado pode ser uma 'oportunidade de compra', ressalta a DJ, citando como exemplo o no caso do México neste ano.

O mercado mexicano recuou com a eleição do populista Andreas Manuel Lopez Obrador, mas voltou a subir ao passo que os investidores decidiram que suas políticas não seriam tão ruins quanto se esperava.

Na reportagem, a DJ destaca que a eleição acontece em um momento crucial para o Brasil, "que ainda luta para sair de uma profunda recessão e precisa de grandes reformas para resolver o déficit fiscal, um dos maiores do mundo".

Embora os mercados em geral ignorem desdobramentos políticos, a Dow Jones aponta que esse provavelmente não será o caso do Brasil, com analistas e gestores de fundos dizendo que o resultado desse pleito poderá determinar o sentimento sobre as perspectivas para o País e, consequentemente, refletir nos 'valuations' do mercado.

A DJ destaca que as pesquisas de intenção de voto sugerem que a eleição no Brasil irá para o segundo turno. "No canto esquerdo estará Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), que diz que irá trazer de volta algumas das políticas do ex-presidente e fundador do partido Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba. No canto direito, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), que é visto como mais 'amigável ao mercado' e a agenda econômica liberal que inclui corte fiscal, mas é conhecido por declarações controversas", descreve a Dow Jones.

Em nota a clientes citada na reportagem, o time de economistas brasileiros do JPMorgan diz que a batalha política entre extremos representa um obstáculo para o avanço das reformas necessárias, inclusive a da Previdência, dado que possivelmente irá gerar mais divisão do que consenso.

"Enquanto ambos provavelmente devem buscar moderar suas posições para atrair votos do centro no segundo turno, o país está bastante polarizado e nenhum dos possíveis resultados parece ser encorajador para uma agenda mais reformista de médio prazo" escreveram os economistas do JP. De acordo com a reportagem, JPMorgan e Citigroup têm recomendação 'overweight' (desempenho acima da média do mercado) para as ações brasileiras.

A agência de notícias reforça que ambos, Bolsonaro e Haddad, apoiam a reforma da Previdência, que é considerada crucial para a estabilização dos níveis da relação dívida/PIB do país, mas seus planos para implementá-la diferem bastante. Com isso, o time de analistas do Citigroup na América Latina apresentou uma lista de potenciais vencedores e perdedores em sua nota a clientes, dependendo do resultado das eleições.

Oportunidades independentemente de que vença

Se Bolsonaro vencer a disputa, o Citi considera que as estatais e empresas domésticas cíclicas como a gigante Petrobras, Banco de Brasil e Itaú Unibanco, devem apresentar um bom desempenho. O candidato também tem dito que pretende reduzir o prazo para licenciamento de projetos de pequenas hidrelétricas de energia eólica e solar, o que é bom para fornecedoras de equipamentos como a Weg.

Caso o vencedor seja Haddad, as estatais e empresas domésticas cíclicas possivelmente serão atingidas, dada a predisposição do candidato em assumir um posicionamento mais intervencionista.

Nesse caso, os estrategistas do Citi avaliam que serão favorecidas as exportadoras como a Vale, que são beneficiadas de um ambiente com real mais fraco, e companhias defensivas como AmBev ou Ultrapar Participações, bem como empresas do segmento de Educação como a Kroton Educacional. Construtoras também podem ser impactadas visto que a vitória de Haddad poderia ter impacto negativo na confiança do consumidor e elevar a taxa de juros real.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Alta nos preços

Preço do diesel no Brasil está entre os que mais subiram no mundo, diz estudo

Segundo o documento, na 1ª semana deste mês, o diesel ficou mais caro em 6 dos 7 países analisados

Operações de crédito

BNDES: desembolsos de 2021 deverão ficar acima de R$ 60 bi, diz Bianca Nasser

“A retomada da economia vem sendo aguardada e esperamos que o BNDES continuará tendo papel contracíclico em 2021”, diz a diretora

Sob nova direção

BR Distribuidora anuncia Wilson Ferreira Junior, da Eletrobras, como novo presidente

O executivo vai ocupar o lugar de Rafael Grisolia, que deixará o comando da rede de postos de combustíveis no fim deste mês

Mercados hoje

Dólar sobe em dia de feriado na B3 e bolsas perdem força lá fora; Eletrobras desaba em NY

Setor de tecnologia sustenta os índices S&P500 e Nasdaq em alta em meio a preocupações com avanço da covid-19; ações brasileiras caem em NY

Recuperação judicial

Oi recebe propostas acima do valor mínimo por unidade de fibra ótica

A operadora espera vender uma fatia de 25,5% a 51% de seu negócio de fibra ótica, por uma avaliação mínima de R$ 20 bilhões, incluindo dívida

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies