2018-12-31T17:49:55-02:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Festa para a Bolsa

Haja coração! Após altas e baixas, Ibovespa fecha o ano com valorização de 15,03%

Ações do Magazine Luiza tiveram a maior alta do ano; já as da Cielo fecharam na lanterna. Confira o ranking das maiores altas e maiores baixas da bolsa em 2018

28 de dezembro de 2018
19:43 - atualizado às 17:49
Ilustração relaciona IPO a casamento
Mesmo sem rali de Natal, investidor da bolsa pôde terminar o ano felizImagem: Pomb

Às vésperas de estourar o champanhe nas festas de fim de ano, os investidores da Bolsa também tem o que comemorar. O Ibovespa (principal índice da Bolsa) encerrou o ano no azul com valorização de 15,03%, mesmo sem o tradicional rali de Natal. No último pregão de 2018, o índice fechou a sexta-feira, 28, em 87.887 pontos.

Ao contrário do ano passado em que a Bolsa apresentou alta de 26,03% no ano, o percentual de 2018 foi menor. Mesmo assim, é uma alta relevante, considerando a grande volatilidade do ano em todos os mercados e os tombos nas bolsas lá fora. Em Tóquio, por exemplo, houve a primeira desvalorização desde 2011, com queda de 12,11% no acumulado do ano.

As dez ações do Ibovespa que apresentaram maior alta em 2018 foram as de Magazine Luiza ON (126,36%), Cemig PN (116,76%), B2W Digital ON (104,98%), Suzano ON (104,73%), Gol PN (71,92%), Fibria ON (52,64%), Banco do Brasil ON (52,40%), Petrobras ON (51,67%), Petrobras PN (46,84%), Santander UNIT (41,22%).

Mas nem tudo são flores. No fechamento do ano, 20 das 66 ações do índice apresentaram queda. Os dez papéis com maior desvalorização foram Cielo ON (-58,15%), Qualicorp ON (-56,90%), Kroton ON (-50,09%), Via Varejo ON (-44,56%), BRF ON (-40,08%), Smiles ON (-39,31% ), Raia Drogasil ON (-37,17% ), Fleury ON (-30,88% ), Ultrapar ON (-27,26% ), CCR ON (-26,84%).

No ano passado, o resultado foi melhor. Apenas nove das 59 ações terminaram o ano no negativo.

Retrospectiva 

O ano começou com bastante otimismo na bolsa. Em janeiro, o Ibovespa fechou em alta de 11,14%, por conta da condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4 e dos ajustes econômicos feitos pelo governo Temer.

Tudo parecia ir bem, até que as disputas comerciais entre Estados Unidos e China se intensificaram. Em seguida, a greve dos caminhoneiros chegou para abalar o mercado, especialmente os papéis da Petrobras.

No sobe e desce, o Ibovespa chegou a acumular queda de 8,6% em 2018, e foi aos trancos e barrancos até as eleições. Mas a vitória de Jair Bolsonaro fez com que a bolsa voltasse a viver bons momentos, levando-a a atingir a máxima histórica de 89.821 pontos, no começo deste mês.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies