Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-05-17T15:30:04+00:00
PESQUISA NAS REDES SOCIAIS

Quando um ‘pedido’ é uma ‘ordem’ e política fala mais alto – Bolsonaro perde pontos nas redes sociais

Monitoramento de redes sociais mostra que críticas ao governo, preço de combustíveis e desemprego derrubam apoio ao presidente

17 de maio de 2019
15:12 - atualizado às 15:30
jair Bolsonaro, emburrado
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

Pedido é pedido, intervenção é intervenção. Não há qualquer proximidade – ainda que sutil – entre os dois substantivos. Na língua portuguesa, “pedido” é solicitar; “intervir” é interromper. Aprendi faz tempo e tenho certeza de que você também! Mas (vamos combinar!), tem pedido que é uma ordem... Muito depende de quem faz.

Há cinco semanas, o presidente Jair Bolsonaro pediu explicações para a Petrobras sobre o reajuste do preço do óleo diesel. A companhia voltou atrás na decisão. Para o mercado financeiro, o presidente fez uma intervenção na estatal. O governo completava os primeiros 100 dias.

Aquela ação de Bolsonaro – ainda que na tentativa de conter o movimento grevista de caminhoneiros – deu início, em meados de abril, a um turbulento período que não tem data para terminar. O dólar rompeu a resistência de R$ 4,00 dias depois, andou colado a essa marca até a semana passada. Nesta sexta, em alguns momentos, dólar a R$ 4,10 parecia barato.

Na quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro indicou numa live, em sua página no Facebook, a possibilidade de rever a política de preços dos combustíveis “se não prejudicar a empresa”. No mercado financeiro, especialistas minimizaram a fala do presidente considerada “mais do mesmo”. Mas ferveram as negociações com ações da petroleira e com o dólar no fim da semana, para lá de tensa, com a quebra de sigilo de 95 pessoas ou empresas sobre transações financeiras no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa fluminense.

Sobre desemprego, Bolsonaro disse, durante sua viagem ao Texas, EUA, que “essa população [os brasileiros] não têm como ter emprego, não está habilitada a enfrentar a indústria 4G (...) Tenho pena, mas não posso fazer milagre”.

Governo, combustíveis e desemprego em rede

O presidente conseguiu, desta vez, turbinar em uma só tacada três das questões que mais afligem os brasileiros neste momento: o seu próprio governo, o preço dos combustíveis e o desemprego. É o que mostra o monitoramento das redes sociais feito pela .Map - Mapeamento, Análise e Pesquisa, desde junho de 2015.

Nas últimas semanas, 48,66% das manifestações sobre política feitas nas redes sociais trataram do governo Bolsonaro cujo índice de aprovação atingiu 33%, “nível considerado de emergência em imagem e reputação”. Das manifestações sobre temas econômicos, 23,01% abordaram o preço dos combustíveis, desaprovado nas redes, informa a pesquisa IP Brasil Opinião.

Desenvolvida pela agência de análise, a pesquisa traduz as opiniões da sociedade sobre a agenda nacional em três subdivisões: Política, Economia e Bem-Estar. A base de apuração corresponde a 1,2 milhão de posts diários de formadores de opinião e opinião pública. Desse universo é retirada uma amostra de manifestações analisadas por uma equipe multidisciplinar de profissionais. As conclusões atingem 95% de acerto. O Índice de Positividade (IP) mede o apoio aos temas em discussão. Quanto mais próximo de 100% maior a aprovação.

Marilia Stabile, diretora geral da .Map, explica, no balanço de abril, que 61% das manifestações trataram de política, 33% de bem-estar e 6% de economia.

“Desde outubro, a confiança da sociedade no governo Bolsonaro recuou 16 pontos, para 41%, o mesmo nível observado no último mês do governo Temer”, afirma Marilia. “O ambiente eleitoral no governo ‘trava’ foco nas prioridades e tem impacto econômico. O mais evidente, inclusive pela sinalização e interferência na formação de expectativas, é a revisão das projeções do Produto Interno Bruto (PIB) para cerca de 1,1%, mesmo nível de 2018 e 2017.”

Na política, a reforma da Previdência chama atenção pela positividade alcançada (62%), mas o perfil de desaprovação de Bolsonaro ressalta a falta de esforço do presidente para a questão e também críticas, inclusive de apoiadores, ao seu comportamento em relação a determinados temas, como ataque aos militares, diz Marilia.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Apoio ao STF derrete com censura à Crusoé

Embora respondendo por fatia bem menor, 5,39% dos debates em política, o Índice de Positividade do Supremo Tribunal Federal (STF) derreteu para 7%. A diretora da .Map lembra que o STF já obteve apoio de 93 e explica que o apoio despencou com o comportamento do presidente da Corte, o ministro Dias Toffoli, por censurar a imprensa – ação representada pela suspensão da circulação da revista eletrônica Crusoé e texto do site O Antagonista.

Embora, nas últimas semanas, as questões econômicas tenham respondido por apenas 6% das manifestações nas redes e os destaques negativos tenham sido procura por emprego e preço do combustível, a discussão sobre privatização é valorizada.

Giovanna Masullo, coordenadora da pesquisa IP Brasil Opinião, informa que a sociedade aprova o esforço do governo para garantir investimento em infraestrutura básica. Em abril, o tema licitações/privatizações respondeu por 9,95% dos debates sobre economia com índice de aprovação de 81%. As manifestações sobre crédito foram de 3,56%, mas a aprovação chegou a 89%.

O sub-índice Bem-Estar, representando 33% do total das preocupações da agenda nacional, traz o racismo como o tema mais comentado – com 22,5% das manifestações nas redes sociais e Índice de Positividade de 36%. O veto do Palácio do Planalto à campanha do Banco do Brasil, que saiu do ar, foi alvo de 10,9% dos debates e o veto teve apoio de 78%.

“O veto teve apoio nas redes que dão a diversidade como um valor já conquistado. Portanto, não necessitaria de uma campanha para se impor”, explica Giovanna. Ela acrescenta que o debate mais combativo e complexo se explica pelo twitt...fato de que as causas que envolvem a diversidade, em sentido amplo, não vieram na campanha presidencial de 2018. Já estão na rede desde junho de 2015, quando a .MAP iniciou seu trabalho de análise diária das manifestações dos formadores de opinião e da opinião pública nas redes sociais. Com isso, o presidente ganhou apoio.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements