Menu
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Abaixo do esperado

Produção industrial da China no 3º trimestre decepciona, mas mercado reage

Na comparação com setembro do ano passado, produção industrial do país perdeu fôlego, subindo 5,8% ante projeções de 6%

19 de outubro de 2018
11:25
Presidente chinês, Xi Jinping - Imagem: shutterstock

Os resultados da atividade industrial da China decepcionou os mercados nesta sexta-feira, 19.

Mas os investidores por lá logo recuperaram o fôlego, e as bolsas chinesas fecharam em alta, após comentários otimistas das autoridades chinesas de que as disputas comerciais com os Estados Unidos não afetaram os indicadores, mantendo a meta de crescimento de 6,5% ainda neste ano.

Na comparação com setembro do ano passado, a produção industrial do país perdeu fôlego, subindo 5,8%. As projeções giravam em torno de 6%, segundo Broadcast, do Estadão. Na comparação com agosto, a produção industrial chinesa aumentou 0,5% no mês passado.

PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) do país subiu 6,5% no terceiro trimestre de 2018 quando comparado ao mesmo período do ano passado, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (ONE) chinês. Analistas projetavam uma expansão de 6,6%.

Esse foi considerado o pior resultado trimestral em nove anos, apesar do crescimento ainda estar dentro da linha estabelecida pelo governo, segundo o órgão. O número também reflete desaceleração do crescimento econômico chinês dado que, na comparação anual do segundo trimestre, o PIB do país cresceu 6,7%.

Por outro lado

As vendas no varejo chinês tiveram expansão anual de 9,2% em setembro, maior do que a alta de 9,0% verificada em agosto e também além da projeção de analistas, que esperavam aumento de 9,1%. Na comparação mensal, as vendas avançaram 0,8% em setembro.

*Com Estadão Conteúdo 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu