Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Entrevista

Por que o gestor da Aberdeen tem apenas 2,5% de seu fundo no Brasil

Mike Brooks leva à risca a velha máxima de nunca colocar todos os ovos numa cesta só, com fundo que investe em ativos de infraestrutura, energia renovável, contratos de seguros e até leasing de aeronaves

5 de outubro de 2018
6:02 - atualizado às 8:58
Brooks vê Bolsonaro como o melhor candidato - ou o “menos ruim” - para a economia Imagem: Divulgação

O britânico Mike Brooks tem escolhido a dedo os momentos em que vem ao Brasil. A primeira vez foi antes das eleições de 2014, quando o clima de “Fla-Flu” que se instalou na política nacional nos últimos anos ainda dava os primeiros passos. Ele pousou novamente no país no mês passado, em mais um momento de alta tensão pré-eleitoral.

Durante a curta passagem pelo país, o gestor da Aberdeen Standard Investments conseguiu arrumar um espaço na agenda para disputar - e vencer - uma partida de golfe, disputada contra o colega brasileiro George Kerr no campo construído no Rio para as Olimpíadas. E, entre uma reunião e outra em São Paulo, deu uma passada na redação do Seu Dinheiro, onde conversou comigo por quase uma hora.

Assim como boa parte dos investidores, Brooks acompanha o desenrolar da campanha eleitoral, que tem seu primeiro ato (final?) neste domingo. Mas, ao contrário de muita gente com quem falei nas últimas semanas, não me pareceu muito preocupado com o resultado. Afinal, um dos trabalhos dele é justamente levar para outro patamar a velha máxima de “nunca colocar seus ovos em uma cesta só”.

Brooks é o responsável pela estratégia de diversificação em diversas classes de ativos da Aberdeen, uma gigante que possui um total de US$ 735 bilhões sob gestão. E quando falo em diversificação, não me refiro ao tradicional “bolsa, câmbio e juros” dos multimercados brasileiros. Na carteira dele estão ativos de infraestrutura, energia renovável, contratos de seguros e até leasing de aeronaves.

A ampla variedade do portfólio é a forma adotada pelo gestor para dar mais rentabilidade ao fundo, sem sofrer muito se as coisas derem errado - o caso típico de uma aposta no Brasil neste momento.

Retorno atraente

Mas com os títulos brasileiros oferecendo retornos na casa de 10% a 11%, enquanto a Europa oferece taxas de juros negativas, não dá para ficar totalmente de fora do país. Até porque os fundamentos da economia parecem ajustados, segundo o gestor da Aberdeen. Algo importante para um investidor que busca oportunidades no longo prazo como ele.

“O Brasil não deve apresentar um grande crescimento, mas também não deve passar por nenhuma crise, e apresenta inflação relativamente baixa.”

Uma pequena parte do fundo de US$ 2 bilhões (pouco menos de R$ 8 bilhões) sob gestão de Brooks - aproximadamente 2,5% do total - está alocada em títulos brasileiros. A exposição poderia até ser maior, não fosse a incerteza sobre o resultado das eleições.

“Para um fundo que busca retorno no longo prazo com base em fundamentos, não podemos fazer uma aposta grande em como as coisas vão se desenrolar”, diz.

O grande risco para um fundo estrangeiro é o de que uma desvalorização abrupta do real em consequência das eleições corroa o retorno da posição no país. Assim como a maior parte do mercado, Brooks também enxerga o candidato Jair Bolsonaro como melhor - ou “menos ruim”, como ele frisou - para a economia.

Diversificar é preciso

O investimento em títulos de países emergentes é parte importante da estratégia do fundo gerido por Brooks, que é distribuído no Brasil na plataforma da XP Investimentos. A busca por investimentos alternativos rentáveis no longo prazo é fundamental depois da forte alta dos mercados tradicionais nos últimos anos.

A estimativa da Aberdeen é que o S&P 500, principal índice de ações do mercado americano, tenha um retorno anual de 5,3% nos próximos anos. O que significa um prêmio de risco baixo diante da tendência de subida das taxas de juros nos Estados Unidos.

Depois do longo período de juros baixos nos países desenvolvidos, já existe uma percepção entre muitos investidores de que os mercados estão sobrevalorizados, segundo Brooks.

Por essa razão o gestor da Aberdeen decidiu reduzir gradativamente o peso das ações no portfólio nos últimos anos e aplicar em ativos que ofereçam retornos que não sejam correlacionados com o que acontece nas bolsas.

“Não sei quando, mas alguma coisa vai acontecer. Minha preocupação é que muita gente procure a saída ao mesmo tempo”, diz Brooks.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Será que vem chumbo quente por aí?

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo

Clima pesado no governo

“Não dei motivo”, diz Bolsonaro sobre a saída de Maia da articulação

O presidente disse que a declaração de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com críticas a Maia por adiar a tramitação do projeto anticrime, não é motivo para ele ameaçar sair da articulação política

Polêmica

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Thiago Bottino afirmou que tanto os procuradores do Ministério Público Federal quanto Bretas se fundamentaram no item número 9 do pacote das “Dez medidas contra a corrupção”, apresentado em 2016 por integrantes da Lava Jato, para prender Temer

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: do país das maravilhas à dura realidade

 A segunda-feira começou com o Ibovespa aos 100 mil pontos, um marco histórico na bolsa de valores brasileira. O clima azedou e o índice fechou na sexta abaixo de 94 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu