Menu
2019-10-21T10:25:15+00:00
Larissa Santos
Safra de resultados

Começou a temporada! Petrobras, Vale e Lojas Renner divulgam balanços nesta semana

Nada menos que oito empresas que fazem parte do Ibovespa divulgam resultados do terceiro trimestre até sexta-feira. A rodada começa na quarta com Localiza e Weg. Os números de Vale, Fleury, Petrobras e Lojas Renner saem no dia seguinte e a semana fecha com Hypera e Usiminas. Saiba o que esperar dos balanços

21 de outubro de 2019
5:54 - atualizado às 10:25
Empresas da semana
Imagem: Andrei Morais/Larissa Santo

Mais um trimestre se passou e entramos na reta final de 2019. Mas ainda é tempo de resgatar aquela lista de metas de ano novo não cumpridas e começar um projeto que ficou para depois. Se investir na bolsa está nos seus objetivos, vale a pena ficar atento aos balanços do terceiro trimestre das empresas, que começam a ser divulgados nesta semana.

Para quem cumpriu a meta e colocou um pé no mercado de ações, é mais importante ainda ficar atento, já que os balanços costumam apontar tendências do que pode acontecer com as cotações dos papéis.

E não é porque está começando que será uma partida morna. Nada menos que oito empresas que fazem parte do Ibovespa divulgam resultados na primeira semana. No primeiro dia, 23, Localiza e Weg estreiam a rodada, seguidas de Vale, Fleury, Petrobras e Lojas Renner no dia seguinte, 24. A semana fecha com Hypera e Usiminas, na sexta-feira, 25.

Junto com as datas, reunimos as projeções de analistas do mercado financeiro compiladas pela Bloomberg, para você poder preparar o coração para o que vem por aí.

A seguir eu conto mais sobre as três empresas "headliners" da semana e o que esperar dos resultados. Você não vai perder os grandes shows do festival, né?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Surfando no petróleo árabe

Para começar a se programar sobre o trimestre da Petrobras, é necessário se atentar na atual crise do petróleo. No dia 14 de setembro deste ano, o campo petrolífero de Khurais e o fábrica de processamento e petróleo em Abqaiq, ambos da empresa saudita Samco foram atacados por drones.

Com os ataques, a Arábia Saudita anunciou que reduziria sua produção de petróleo pela metade. Os país árabe é o maior produtor mundial do óleo, com 8% da valor mundial. Foi ai que a Petrobras viu sua hora de brilhar.

Na segunda-feira seguinte, 16 de setembro, o preço do petróleo disparou na bolsa. As ações da estatal subiram na esteira.

Analistas e operadores ressaltam, no entanto, que há dúvidas quanto à capacidade de a Petrobras repassar o aumento nos preços do petróleo. No passado recente, altas no valor dos combustíveis provocaram reações negativas por parte da sociedade e culminaram na greve dos caminhoneiros que parou o país em 2018. Entenda melhor nesta matéria aqui.

Outro destaque da Petrobras foi a produção de óleo e LGN, que atingiu 2,264 milhões de barris por dia (bpd), o que representa uma alta de 16,9% ante os 1,937 milhões de bpd no mesmo trimestre de 2018.

A estatal conseguiu bater novos recordes de produção diários, deixando para trás as dificuldades enfrentadas no trimestre anterior em algumas áreas de produção e reforçando sua perspectiva para 2019.

O programa de venda de ativos também tem ajudado a turbinar os resultados da Petrobras. No trimestre passado, a privatização de subsidiárias rendeu R$ 21,2 bilhões aos cofres da companhia. No período, a empresa fechou uma grande negociação para se desfazer da Transportadora Associada de Gás (TAG).

Confira a seguir a estimativa média dos analistas para os resultados da estatal:

Entre China e Brumadinho

O resultado trimestral da Vale deve gravitar em torno de dois grandes fatores: o PIB chinês e as consequências da tragédia de Brumadinho.

Enquanto a Petrobras surfa na crise de fora, a mineradora sofre com os respingos da gringa. Mais precisamente da China, grande comprador dos produtos da empresa e que sofre as consequências da guerra comercial com os Estados Unidos.

Na última quinta-feira, 17, o governo chines divulgou que o PIB deve crescer 6% em base anual, o menor já visto desde 1992. A leitura marca o ritmo mais lento de crescimento da economia, influenciando a longo prazo as importações do gigante asiático.

Em linhas gerais, o minério de ferro passou por dois momentos distintos neste ano: de janeiro a julho, a commodity teve uma forte valorização, chegando a superar a marca de US$ 120 a tonelada. Mas, desde então, um intenso movimento de correção atingiu esse mercado.

No fim de agosto, o minério era negociado em níveis próximos a US$ 80, recuperou parte do terreno perdido e voltou a valer cerca de US$ 99, mas, ainda assim, acumula perdas de mais de 15% em relação ao pico de 2019.

Essa mudança nos preços, como já foi dito acima, possui estreita relação com o acirramento da guerra comercial e os temores de desaceleração econômica global. Mas, no caso da Vale, há outros agravantes.

Pode ser que a lama tenha secado no interior de Minas, mas as perdas humanas, de fauna e flora ainda se refletem para a mineradora.

No primeiro trimestre deste ano, a Vale precisou fazer uma provisão de US$ 4,5 bilhões no balanço em função de multas ambientais, processos, acordos e outros fatores relacionados a Brumadinho. Com isso, a mineradora teve um prejuízo líquido de US$ 1,642 bilhão entre janeiro e março.

No segundo trimestre, mais US$ 1,374 bilhão foi provisionado em função da tragédia — o prejuízo líquido ficou em US$ 133 milhões no período.

A retomada das operações de Brucutu e o retorno parcial das operações de processamento a seco no Complexo de Vargem Grande, paralisadas depois do desastre de Brumadinho, contribuíram para uma melhora na produção deste trimestre.

No documento, a Vale reafirmou que espera retomar a produção remanescente de aproximadamente 50 milhões de toneladas de minério até o final de 2021.

A produção de minério da Vale neste trimestre atingiu 86,7 milhões de toneladas. O volume representa a queda de 17,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018, porém uma alta de 35,4% em relação ao segundo trimestre deste ano.

Vale lembrar que, em relação ao ano passado, o valor do minério de ferro se mantém maior, mesmo com a nova estabilização. O aumento da produção e volta das operações em outras mineradoras meses depois da catástrofe contribuem para que o resultado deste trimestre seja positivo em relação a 2018.

Confira as projeções dos analistas para o trimestre, de acordo com a Bloomberg:

A menina dos olhos vai ter companhia

Depois de 15 anos reinando como a queridinha dos investidores na bolsa entre as empresas de varejo de moda, a Lojas Renner está para ganhar uma nova companhia. A C&A está no meio do processo para abrir o capital e, se tudo der certo, deve estrear suas ações na B3 no dia 28 de outubro.

A Renner divulga os resultados do terceiro trimestre poucos dias antes, na próxima quinta-feira. A empresa passa por uma nova fase com a saída de José Galló do comando e a entrada de de Fabio Faccio.

Com a entrada da C&A na bolsa, analistas e investidores devem começar a comparar trimestre a trimestre os resultados das duas varejistas. As ações da Lojas Renner são consideradas caras por parte do mercado, mas os defensores da companhia dizem que o histórico de resultados consistentes justifica o prêmio dado aos papéis na bolsa.

Confira a seguir a projeção para as principais linhas do balanço da Lojas Renner no terceiro trimestre:

Manda mais

Mais cinco empresas também divulgam seus balanços nesta semana. Confira a tabela com as projeções e comparações para o trimestre:

 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements